Vemos, ouvimos e lemos
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Televisão

"A Bíblia", com Diogo Morgado como Jesus, chega a Portugal na Semana Santa

A série norte-americana "A Bíblia", protagonizada pelo ator português Diogo Morgado e já estreada nos EUA no Canal História, chega a Portugal através da SIC, que começa a transmitir os quatro episódios a 28 de março.

"A Bíblia", produzida por Mark Burnett – produtor executivo do reality show "Survivor" – e pela atriz Roma Downey para o Canal História norte-americano, tornou-se na sua estreia um dos programas mais vistos na televisão por subscrição nos Estados Unidos: mais de 13,1 milhões de espectadores assistiram ao primeiro episódio da série. 

A SIC anunciou nesta terça-feira a aquisição dos direitos de exibição da minissérie, que incluirá na sua programação especial de Páscoa.

Encenando vários acontecimentos relatados no Antigo e no Novo Testamento, “desde o Genesis à Revelação” – nas palavras de Burnett ao Christian Post – "A Bíblia" tem um total de dez horas de duração. 

Numa entrevista ao "Examiner", Morgado, de 33 anos, revelou que para se preparar para o papel não lhe bastou ler o texto sagrado.

Fotograma

«Comecei a ler a Bíblia e a ver tudo o que podia sobre o assunto. Depois parei porque percebi que não existia uma escola de representação que me pudesse ajudar nesta tarefa de representar Jesus Cristo. Tem mais a ver com a nossa energia e com o nosso espírito do que propriamente com algo que se possa racionalizar. Para mim foi uma viagem, foi único».

Quando o "Christian Post" lhe questionou se o papel de Jesus Cristo foi até agora o mais desafiante da sua carreira, Morgado devolveu a pergunta: «Isso é mesmo uma pergunta?! Claro! Não há nada mais difícil do que isto, Jesus é a figura mais completa e complexa da humanidade».

Fotograma

Diogo Morgado, que contou ao "Christian Post" ter tido uma educação católica, espera que a série possa servir um propósito religioso: «Acredito que as pessoas que não são muito espirituais (…) depois de verem isto passarão a ligar mais ao seu lado espiritual».

Mark Burnett disse ao "Christian Science Monitor" que o projeto procura colmatar a “iliteracia bíblica” que existe entre os mais jovens: «Na escola temos de conhecer Shakespeare mas não a Bíblia. Tem de haver uma forma de olhar para isto de um ponto de vista puramente literário».

Fotograma

O recorde de audiências não reflete a opinião dos críticos, até ao momento. Allison Keene, do "The Hollywood Reporter", considera que a série não faz jus ao «livro mais conhecido e popular na história da humanidade».

«A Bíblia nunca parece descobrir uma forma de se apresentar. Por vezes mantém-se fiel às escrituras, mas depois faz coisas como colocar anjos com habilidades de ninjas», justifica. 

Fotograma

Neil Genzlinger, do "New York Times", mostrou-se desiludido com a abordagem que Mark Burnett faz dos acontecimentos bíblicos, comentando com ironia o uso dos efeitos especiais.

«Aqueles que estão à espera que os antigos milagres sejam melhor servidos pelos efeitos especiais disponíveis em 2013 do que foram no passado, devem preparar-se para uma desilusão. A Travessia do Mar Vermelho não é mais convincente aqui do que era para Charlton Heston [no filme Os Dez Mandamentos], em 1956».

Diogo Morgado interpreta o papel de Jesus Cristo, no seu segundo papel bíblico – integrou o elenco da longa-metragem "Mary, Mother of Christ", do norte-americano James Foley, realizador de filmes como "À Queima-Roupa" e "O Sucesso a Qualquer Preço".

Em "Mary, Mother of Christ", que tem estreia marcada para 2014, Morgado interpretou o papel de José ao lado de Al Pacino (Herodes) e Peter O' Toole (Simião).  

 

Público
Com SNPC
13.03.13

Redes sociais, e-mail, imprimir

Imagem

 

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Subscreva


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página

 

 

 

2012: Nuno Teotónio Pereira. Conheça os distinguidos das edições anteriores.
Leia a última edição do Observatório da Cultura e os números anteriores.