Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Convento acolhe instalação "A ceia"

Convento acolhe instalação "A ceia"

Imagem "A ceia" | Guillaume Bardet | Convento de La Tourette, França | D.R.

Taças, copos, cântaros, garrafas. Todos em bronze patinado. Sobre uma grande mesa rodeada de treze banquinhos. "A ceia" são objetos intemporais, deixados na mesa, como se os convivas tivessem acabado de se ausentar. Um tempo suspenso. Um grande silêncio.

A superfície de cada objeto é como uma pele que deixa aparecer a impressão dos dedos do artista. Não há uma superfície lisa, não há perfeição, mas uma vibração - o artista fala de estremecimento, como um frémito de vida.

"A ceia" tem lugar no convento dominicano de La Tourette, construído em 1953 e 1960 em Éveux, perto de Lyon, e considerado a última grande obra de Le Corbusier em França. Desde 2009 acolhe anualmente exposições de artistas contemporâneos, como Anish Kapoor.

Um espaço que só por si vale a visita, património mndial da UNESCO desde 2016 e que em 1986 foi considerado pelos arquitetos franceses como a segunda obra contemporânea mais importante, depois do Centro Pompidou, em Paris.

É a sala do capítulo do convento, no prolongamento do refeitório, que acolhe "A ceia". Através das paredes, a luz joga com as asperezas e imperfeições do betão, que tornam as paredes tão humanas.

Conivência de irregularidades, de impressões humanas na superfície das paredes e dos objetos de bronze. Não falam os arquitetos da pele do betão? Todo o espaço e a instalação dizem o ser humano, as suas imperfeições, a sua humanidade, frágil. Uma ceia. De humanidade.

Diante da "Ceia" de Guillaume Bardel faz-se um grande silêncio, que nos ganha pouco a pouco. Vêm então à memória as obras silenciosas de Giorgio Morandi ou as naturezas mortas de Amédée Ozenfant ou Alberto Giacometti. Obras de meditação em torno de objetos dispostos em mesas na banalidade do quotidiano. Ceias de silêncio.

Durante a Semana Santa e a Oitava da Páscoa, os oito dias a seguir ao domingo da ressurreição, a Ceia estará em casa no convento, entrando em ressonância com a vida litúrgica destes dias santos. 

Não é uma exposição. A obra será hóspede do convento, recetáculo arquitetural habitado pelos religiosos que celebram a memória da Ceia de Cristo na Páscoa.









 

Marc Chauveau, OP | Com SNPC
In "Couvent de La Tourette"
Trad.: SNPC
Publicado em 21.04.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos