Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Igreja católica em Portugal marca presença no Festival de Cannes

Inês Gil, cineasta, professora de Sétima Arte e membro do Grupo de Cinema do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), da Igreja católica em Portugal, vai presidir ao Júri Ecuménico da 71.ª edição do Festival de Cannes.

O grupo de jurados é constituído por cristãos católicos pertencentes à SIGNIS-Associação Católica Mundial para a Comunicação - representada em Portugal pelo SNPC - e protestantes, agrupados na INTERFILM, provenientes de Portugal, EUA, França, Austrália, Suíça e França, num total de seis pessoas.

Considerado pelos organizadores o mais importante certame de cinema do mundo em termos de difusão internacional e cobertura mediática, o evento, que decorre na cidade francesa de 8 a 19 de maio, vai abrir com o mais recente filme do realizador iraniano Asghar Farhadi, "Everybody knows", com Penélope Cruz, Javier Bardem e Ricardo Darín.

Presente em Cannes desde 1974, o Júri Ecuménico, constituído por especialistas no domínio do cinema, como jornalistas, críticos, teólogos, investigadores e professores, é convidado pelo Festival a atribuir prémios e menções honrosas a filmes selecionados para a competição oficial - este ano são pelo menos 18 a concorrer à Palma de Ouro.

«O júri ecuménico propõe um olhar particular sobre os filmes. Ele distingue obras de qualidade artística que são testemunhos sobre o que o cinema nos pode revelar da profundidade do ser humano», refere a página dedicada aos jurados.

As distinções concedidas pelo júri ecuménico destacam obras sobre qualidades humanas que tocam a «dimensão espiritual» da existência, como a «justiça, dignidade de todo o ser humano, respeito pelo ambiente, paz, solidariedade, reconciliação», valores do Evangelho que são também «amplamente partilhados em todas as culturas».

O delegado-geral do Festival, Thierry Frémaux, considera que ele se tem mantido «fiel à sua vocação fundadora, que era a de revelar e valorizar obras de qualidade para servir a evolução do cinema, favorecer o desenvolvimento da indústria do filme no mundo e celebrar a Sétima Arte a nível internacional. Ainda hoje, esta profissão de fé constitui o primeiro artigo do regulamento do Festival».



 

SNPC
Imagem: Cartaz do Festival de Cannes 2018 (det.) | D.R.
Publicado em 19.05.2018

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos