Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Presidente do Conselho Pontifício da Cultura e editora da “Vogue” apresentaram exposição sobre catolicismo e moda

O cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício da Cultura (Vaticano) e Anna Wintour, editora da revista “Vogue”, apresentaram esta segunda-feira, em Roma, a exposição "Heavenly bodies: Fashion and the catholic imagination” (Corpos celestes: moda e imaginária católica).

A sessão de divulgação da mostra, que estará patente em dois espaços do Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque, EUA, de 10 de maio a 8 de outubro, contou com a presença de Donatella Versace, refere a página da publicação de moda norte-americana, considerada a mais importante da especialidade.

As peças expostas abrangem um período que se estende desde meados do séc. XVIII até ao início dos anos 2000 – para cima de 15 pontificados. A mais antiga é um manto usado por Bento XIV e a mais recente é um par de sapatos vermelhos que pertenceram a S. João Paulo II.

Entre as cerca de 40 peças oriundas da sacristia da capela Sistina, várias nunca foram vistas fora do Vaticano, como um conjunto de 12 vestes encomendadas pela imperatriz Maria Carolina da Áustria para Pio IX que demorou mais de 16 anos a completar.

Outro destaque da mostra é uma tiara papal, oferecida igualmente a Pio IX, pela rainha Isabel II de Espanha, que contém mais de 19 mil peças preciosas, 18 mil das quais são diamantes.

A par de elementos de moda serão expostas pinturas que, segundo Andrew Bolton, um dos curadores do museu, fornecerão um «contexto interpretativo» para o vestuário, ocupando no total 25 galerias do Metropolitan, fazendo desta a «maior e mais ambiciosa» mostra que a instituição já apresentou.

Serão exibidos mais de 150 conjuntos, principalmente de roupa feminina, desde o início do século XX até ao presente, proporcionando um contexto interpretativo para a relação da moda com o catolicismo. Gabrielle “Coco” Chanel, Karl Lagerfeld e Yves Saint Laurent são alguns dos criadores com peças presentes na mostra.



«Embora as peças de moda que aparecem na exposição possam parecer muito afastadas da santidade da Igreja católica, não devem ser facilmente descartadas, pois incorporam as tradições narrativas do catolicismo»



A coleção de outono de 1991 de Gianni Versace e a do outono de 1997 (a sua última), inspirada na basílica de San Vitale, em Ravena, Itália, as peças de outono de 2013 de Dolce & Gabbana, inspiradas pela catedral de Monreale, na Sicília, bem como uma peça para a coleção de outono de 2017 de Valentino, baseada em paramentos litúrgicos, constituem exemplos da inspiração que a imaginária católica dá ao mundo da moda.

A exposição inclui uma casula concebida em 1997 por Jean-Charles Castelbajac para S. João Paulo II, além de peças de Rossella Jardini (para Moschino), Christian Lacroix, Thierry Mugler, Jean Paul Gaultier, Schiaparelli e Capucci.

Entre os criadores evocados está o espanhol Cristóbal Balenciaga (1895-1972): «Católico de profundas convicções, os seus biógrafos não duvidam em assinalar que vivia o seu trabalho como uma autêntica vocação religiosa. Mais, os seus colaboradores compara o dia a dia no seu ateliê como se o espaço fosse um mosteiro», explicou Bolton.

«Embora as peças de moda que aparecem na exposição possam parecer muito afastadas da santidade da Igreja católica, não devem ser facilmente descartadas, pois incorporam as tradições narrativas do catolicismo. Tomados em conjunto, as peças de moda e obras de arte da exposição cantam com vozes encantadas e encantadoras», declarou o curador.

O responsável considera que «a moda e a religião têm estado entrelaçadas, inspirando-se e enformando-se mutuamente», e «embora esse relacionamento tenha sido complexo e às vezes contestado, produziu algumas das criações mais inventivas e inovadoras na história da moda».

Dois anos foi o tempo necessário para combinar os detalhes da mostra com a Santa Sé, que cedeu as peças sob a condição de serem exibidas em salas diferentes das reservadas à apresentação das criações inspiradas na imaginária católica.

A gala anual do Metropolitan Museum of Art, agendada para 8 de maio, realçará a exposição e contará com a apresentação de Rihanna e Amal Clooney.






 

Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos