Vemos, ouvimos e lemos
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Teologia

Revista "Communio" lança edição dedicada à "Democracia"

A primeira edição de 2012 da revista “Communio” é dedicada à “Democracia”, termo que segundo o texto de apresentação é difícil de precisar devido às «múltiplas apropriações que dele se têm feito».

«A crise que presentemente vivemos e os novos modelos sociais e políticos que se anunciam levam-nos a analisar criticamente o conceito de democracia, perspetivando-o quer nas suas raízes, conquistas e possibilidades quer nas suas limitações e efeitos perversos. É esta a pretensão do presente número da “Communio”.

Inicia-o um texto de José Pedro Serra, Atenas. A democracia na Grécia Antiga. Com ele remontamos ao país, na Antiguidade Clássica, onde o termo demokratia designava a soberania do povo, opondo-se ao domínio de um grupo de poderosos. A democracia tal como os gregos a entenderam e concretizaram é aqui analisada na sua génese, na sua prática, nas instituições que acolheu, nas teorizações políticas a que deu origem, nas críticas que ocasionou, sendo visíveis as diferenças no que respeita ao modo como hoje a encaramos.

Trazendo-nos para um domínio mais vasto no qual se insere a práxis democrática, Adriano Moreira debruça-se sobre a atividade política, sublinhando a nobreza que lhe é inerente. Em A dignidade da política insere o exercício do poder governativo numa escala de valores, nela relevando dois paradigmas que designa por maquiavélico e ético. Se o primeiro se associa a um conjunto de procedimentos enganadores onde domina a falta de autenticidade, o segundo insere-se na procura de uma nova diplomacia global, destinada a conciliar o mundo e a restaurar padrões comuns de dignidade na política, assentes na concordância entre o discurso e a prática, numa permanente busca de paz para os nossos dias.

Ainda no domínio da práxis democrática inscreve-se o artigo de Herbert Schlögel. Para assegurar, nos regimes democráticos, estabilidade e justiça social requer-se a prática das virtudes democráticas, entre elas as virtudes cardeais, defende o Autor em A democracia vive das virtudes e com as virtudes.

No texto O povo é quem mais ordena?, José Manuel Pureza analisa a democracia do nosso tempo em função de movimentos pendulares nos últimos dois séculos. O Estado liberal foi o primeiro. Nele a democracia surge limitada diante da prevalência do mercado. Em segundo lugar temos a afirmação dos welfare states conferindo à democracia um entendimento amplo, assente num contrato social de camadas sociais até então arredadas do campo da decisão e implementação das políticas públicas. Hoje vivemos o auge de um terceiro movimento, marcado sobretudo pela descoincidência entre o espaço da decisão política e o espaço da decisão económica. O que determina uma nova retração do espaço democrático e mina o campo da representação política, esvaziando as orientações nacionais e substituindo-as por padrões globais de governação desenhados por entidades difusas e sem escala.

É também sobre o nosso tempo e sobre o modo como este possibilita (ou impossibilita) uma vivência democrática que se situa o artigo de Guilherme Oliveira Martins, Uma crise com lições muito urgentes. A posição de Bento XVI na encíclica Caritas in Veritate é uma referência a partir da qual analisa a crise que atualmente vivemos, sublinhando as razões que a provocaram e frisando a desvalorização efetuada pela economia sobre uma ética da utilização dos recursos disponíveis. Alerta-nos para a dignidade da pessoa e para as exigências da justiça, de modo a que as opções económicas não levem à desproporção moralmente inaceitável nas diferenças de riqueza, colocando o acesso ao trabalho para todos como objetivo prioritário. O desenvolvimento exige não só operadores económicos mas também homens retos e políticos sensíveis ao apelo do bem comum.

Na sequência de estudos anteriormente desenvolvidos, João Maria André alerta-nos para a importância do fator multicultural que nenhuma das atuais democracias poderá ignorar. Em Multiculturalidade, democracia e direitos humanos I (um ensaio cuja segunda parte será publicada no próximo número da Communio) lembra-nos a recorrência do fator multicultural ao longo da história dos homens, evidenciando os processos fecundos de interação mas também os conflitos e guerras que dele derivaram. A multiculturalidade é apresentada como resposta a mundividências etnocêntricas e como desafio à tradição de um modelo de democracia inspirado numa matriz liberal, apelando para uma de direitos e exigindo o seu reconhecimento para que se possa concretizar uma noção justa de cidadania.

Na perspetiva de que a democracia suporta diferentes olhares e interpretações, Hans Schelkshorn em A Europa e a revolta árabe analisa o fenómeno da “primavera árabe”, contrastando o entusiasmo e a coragem dos povos em que tal movimento ocorreu com a atitude de reserva letárgica (e por vezes também cínica) da política e da opinião pública europeias. Tece também considerações sobre a possibilidade de os povos árabes serem capazes de construir um Estado de direito democrático, lembrando Camus (L’homme révolté, 1951), para quem “o escravo que toda a vida recebeu ordens, subitamente acha mais uma insuportável”.

Dominique Weber, em O futuro da democracia, embora constatando que a forma de governo democrático reúne hoje um consenso muito amplo, não deixa de se questionar sobre as razões, e a natureza dessas mesmas razões, de o futuro da democracia parecer ameaçado, nomeadamente nas sociedades ocidentais.

Rémi Brague em Poderá o homem sobreviver à democracia? levanta esta questão radical, desdobrando-a noutras interrogações, tais como: a democracia tende a provocar o desaparecimento do homem? É a democracia o regime definitivo? O homem é verdadeiramente o sujeito adequado para a democracia, ou para um processo mais vasto de que a democracia é apenas um aspeto? Não implicará a continuação da experiência democrática um sujeito diferente do homo sapiens? É o homem uma última palavra? As respostas dadas tomam como referência a relação dialética entre passado e futuro e revisitam figuras marcantes de uma antropologia filosófica como Kant, Fichte, Nietzsche, Marx, Arendt, Fukuyama e Sloterdijk. A conclusão remete-nos para a transcendência, a única resposta possível à questão do futuro do homem e do homem futuro.

A concluir estes diferentes olhares sobre a democracia, um texto emblemático – o discurso do Papa Bento XVI ao Parlamento Federal Alemão em 22 de setembro de 2011, durante a sua viagem apostólica à Alemanha. As questões que nos propõe este seu escrito – Os Fundamentos do Estado Liberal de Direito – levam-nos a refletir sobre a necessidade de colocarmos no coração da política “um compromisso em prol da justiça e, assim, criar as condições de fundo para a paz”.

Na secção Depoimentos temos o testemunho de uma experiência política no feminino: Maria de Fátima de Andrade Mendes relata-nos o seu trabalho como assessora diplomática da 50ª Sessão da Assembleia Geral da ONU, presidida pelo Prof. Doutor Diogo Freitas do Amaral, de setembro de 1995 a setembro de 1996. Por ela tomamos conhecimento da constituição, modo de atuação e objetivos desta Missão Temporária cuja relevância contribuiu para reforçar a candidatura de Portugal como membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU.

José Dias da Silva dá-nos um testemunho de vida, partilhando connosco “a longa espiral amorosa” que o levou ao encontro com Cristo. Com ele seguimos algumas das suas opções e ficamos cientes de um empenhamento social, político e religioso em prol da justiça e da paz, numa permanente busca do Reino de Deus.

Na secção Perspetivas, Teresa Messias, em Espiritualidade cristã e identidade crente nas culturas juvenis, fala-nos dos jovens da sociedade contemporânea, dando um particular enfoque às suas vivências religiosas e mostrando-nos como a dinâmica da secularização não corresponde a uma perda de interesse pelo sagrado mas sim a uma mutação do seu sentido.» (do texto de apresentação)

“A última vinda de Cristo”, “Nos 50 anos do Concílio Vaticano II” e “Catolicidade da Igreja” são os temas que a revista “Communio” prevê lançar em 2012.

 

© SNPC | 22.08.12

Redes sociais, e-mail, imprimir

Capa

 

 

Artigos relacionados

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Subscreva

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página

 

 

 

2012: Nuno Teotónio Pereira. Conheça os distinguidos das edições anteriores.
Leia a última edição do Observatório da Cultura e os números anteriores.