Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Robert Kennedy, 50 anos após a morte: «A fé em Deus influenciou absolutamente a sua ação política»

«A oração marcava os nossos dias e à noite lia-nos sempre a Bíblia. A fé em Deus influenciou absolutamente a sua ação política», declarou Kerry Kennedy, filha de "Bobby" Kennedy, senador e candidato à presidência dos EUA, falecido a 6 de junho de 1968.

Em entrevista à televisão católica italiana Tv2000, a escritora e ativista dos direitos humanos recordou: «Antes de irmos dormir, íamos todos para o seu quarto, colocávamo-nos à volta da cama dos meus pais e recitávamos o terço».

«A fé do meu pai influenciou absolutamente a sua ação política. O pensamento do meu pai foi inspirado pela sua fé, uma fé que o guiou em todas as suas ações», frisou.

Cinco anos após o homicídio do irmão John Fitzgerald Kennedy, então presidente dos EUA, a corrida à Casa Branca de "Bobby", então com 42 anos, terminou a 5 de junho de 1968 com oito disparos de pistola que o viriam a matar em Los Angeles, pouco tempo após vencer as eleições primárias na Califórnia e Dakota do Sul. Kerry tinha então oito anos.



«Quando as pessoas me perguntam quem, no mundo, é hoje o meu herói, eu respondo o papa Francisco»



São muitas as recordações de Robert Kennedy, pai de onze filhos, que em casa mitigava os conflitos entre os filhos, enquanto que fora ocupava o cargo de procurador da Justiça dos EUA, antes de ser eleito senador por Nova Iorque.

«Quando éramos crianças, lembro-me que quando acordávamos, de manhã, ele vinha ao nosso quarto e rezávamos juntos. Rezávamos com ele primeiro e no fim de cada refeição. Depois do jantar, todas as noites, lia a Bíblia e lia-a», afirmou Kerry.

A filha está convicta de que o pai teria «apreciado muito o trabalho do atual pontífice: «Quando as pessoas me perguntam quem, no mundo, é hoje o meu herói, eu respondo o papa Francisco».

«Quando o meu pai se candidatou à presidência do país, disse: "Paz, justiça e compaixão por todos aqueles que sofrem são os valores que devem representar os Estados Unidos". Infelizmente estes valores não representam hoje os EUA e Donald Trump não os representa absolutamente», vincou.

Kerry elogia as qualidades da encíclica "Laudato si'", do papa Francisco: «É um chamamento a todos nós para proteger o nosso planeta, proteger o nosso ambiente, o respeito pela criação».



O jornal do Vaticano termina a evocação com um gesto: caído no chão da cozinha do hotel Ambassador, onde foi atingido pelos disparos, o moribundo Robert Kennedy recebe nas suas mãos um terço



«A maneira como colhemos a beleza de Miguel Ângelo ou Leonardo da Vinci e através da criação, e o modo como conhecemos Deus é através da criação de Deus. Penso que neste momento da história, a natureza está em risco, e a ação do papa Francisco é um chamamento à ação, à mudança por parte de todos nós», observou.

"Bobby" Kennedy era «um homem jovem que estava a oferecer a própria pessoa ao serviço público do seu país», declarou o papa Paulo VI a 6 de junho de 1968, ao comentar o estado grave em que se encontrava o senador. Ambos tinham-se encontrado a 4 de fevereiro do ano anterior. A memória de Robert tem honras de capa na edição de hoje do jornal do Vaticano, "L'Osservatore Romano".

A 9 de junho de 1968, na oração do Angelus, Paulo VI haveria de recordar não só Bon, mas também o irmão, John, e o pastor Martin Luther King, todos assassinados: «Faremos bem em recordar a voz, em prol dos pobres, dos deserdados, dos segregados, do progresso urgente, numa palavra, da justiça social, obtida não com a violência e com as divergências entre os cidadãos e irmãos, mas com a afirmação enérgica e coerente da liberdade, da fraternidade e da responsabilidade».

O jornal do Vaticano termina a evocação com um gesto: caído no chão da cozinha do hotel Ambassador, onde foi atingido pelos disparos, o moribundo Robert Kennedy recebe nas suas mãos um terço de um seu fervoroso admirador, Juan Romero, camareiro mexicano de 17 anos.


 

SNPC
Fontes: Tv2000, L'Osservatore Romano
Imagem: Robert Kennedy | Paul Schutzer/ Time Life Pictures / Getty Images | D.R.
Publicado em 06.06.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos