Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Robert Schuman, um dos "pais da Europa", mostra que política pode ser caminho de santidade

«A política, se bem entendida, só pode ser um serviço ao bem comum. E para os crentes apresenta-se como alta expressão de caridade, de amor ao próximo. Por esta razão, o caminho para a santidade também pode passar pela política para o cristão leigo. É isso que se tenta provar para a vida terrena de Robert Schuman.»

O padre francês Bernard Ardura é o presidente do Comité Pontifício de Ciências Históricas e postulador da causa de beatificação do estadista nascido em 1886 e que viveu entre a Alemanha e a França, atuando como advogado e ocupando vários cargos políticos, em contexto local (Metz) e, depois, no plano nacional, como ministro e chefe de governo.

Schuman é um dos protagonistas da famosa Declaração de 9 de maio de 1950, que pouco tempo depois desencadeará o processo de integração europeia e o nascimento da CECA, Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (1951) e, mais tarde, em 1957, da CEE, Comunidade Económica Europeia.

 

Mons. Ardura, em tempos difíceis para a Europa, há o risco de esquecer até um dos "pais" da Comunidade. E no entanto a 9 de maio, dia da Declaração Schuman, é a Festa da Europa. O que recordamos deste estadista?

Há uma vasta literatura sobre Schuman, mas na verdade não podemos dar como adquirido que se conheça a estatura de homem e de cristão, com uma mansidão e uma espiritualidade que transparecem até na ação política.

Sublinharei que Schuman era um homem prático, porque só as boas ideias não marcham! A própria Declaração de 9 de maio teve o grande objetivo de paz e da solidariedade entre as nações após a tragédia bélica, mas partia da concretude.

Schuman estava convencido da necessidade de trazer a Alemanha de volta ao espaço das democracias e restabelecer interesses comuns e concretos entre a França e a própria Alemanha: isso teria criado, como disse, uma «solidariedade de facto» entre os estados e os povos que até pouco tempo antes se tinham confrontado nos campos de batalha. Daí a escolha de compartilhar a produção de carvão e aço, instrumentos da indústria bélica, mas orientada para o desenvolvimento económico, para o bem-estar, tudo num quadro institucional: precisamente a CECA.

 

Grandes ideais e formas "práticas" de alcançá-los, portanto.

Exatamente. Schuman, como os outros pais da Europa unida (De Gasperi, Adenauer, Monnet...), tinham essa ideia da "casa comum". Os problemas impõem-se, ao contrário, quando as instituições caminham sem ideais e, no caso da Europa, o projeto é reduzido a puro mercado. O mesmo problema surge quando os políticos, em vez de visarem o bem comum e um interesse superior, se dobram aos egoísmos nacionais ou locais, quando descarregam na Europa todas as culpas possíveis, mesmo aquelas que realmente dizem respeito à sua incapacidade de agir, à sua inépcia.

 

O populismo e os nacionalismos de hoje alimentam-se assim?

Eu diria que sim. No entanto, hoje, mais do que nunca, diante dos grandes desafios que este tempo nos apresenta, temos de estar ainda mais convencidos - como o Papa Francisco nos indica - da necessidade da construção europeia: os valores permanecem os mesmos da época de Schuman, embora seja preciso enxertá-los num contexto histórico novo e renovar e adaptar o projeto comunitário. Pensemos no que aconteceria se a União Europeia não existisse: os nossos países, tomados singularmente, que poderiam fazer frente aos processos da globalização, que o Santo Padre analisou em profundidade na "Laudato si'"?

 

Bastaria mencionar o fenómeno migratório....

É verdade. À Europa chegam seres humanos que fogem de situações de desespero, da guerra, da fome. Apesar disso, alguns países fecham-se em copas, levantam barreiras. E pensar que já na Declaração de 1950, Schuman apontava a África como prioridade para a Europa. Estava-se então em plena era colonial. Agora seria preciso investir na cooperação, no desenvolvimento, na formação escolar dos jovens, sustentando as frágeis democracias e o diálogo entre as religiões. E neste contexto as Igrejas podem fazer muito, sensibilizando e agindo para a promoção humana.

 

Uma opinião sobre o "Brexit".

É uma ferida forte e perturbadora. Mas parece-me também a confirmação de uma forma errada de compreender a integração europeia: aproveito as vantagens (mercado, financiamento), pedindo todas as isenções possíveis, visando apenas os interesses nacionais. O exato oposto da solidariedade, princípio cardinal da Europa unida.

 

Voltando aos populismos: é um fenómeno que o preocupa?

Mais do que tudo, eles medem a fragmentação social e política. Em todas as recentes eleições nos vários países europeus os partidos de protesto tiveram sucesso: as pessoas exprimem assim a sua deceção em relação a uma política feita de conversa fiada e que perdeu a capacidade de agir, projetar, dobrada às próximas eleições. Voltamos assim ao bem comum, que deveria ser o objetivo de quem se compromete na política e responsabilidade partilhada de cada cidadão em fazer a sua parte.

Schuman amadureceu essa sensibilidade a partir da sua formação católica, de uma vida de fé intensa (oração intensa, missa diária, referência ao Evangelho...) e das experiências de vida: ele, homem de fronteira, em que conviveram diferentes culturas, francesa e alemã, em simbiose entre elas.

 

Da biografia de Schuman, que mensagem derivaria para os jovens do século XXI?

Sozinhos - talvez ele nos dissesse - podemos fazer muito pouco. Precisamos de criar relações virtuosas entre pessoas, entre os povos e os estados. E talvez indicasse o sentido da história: que ajuda a fazer luz sobre quem somos e a procurar novos caminhos para o futuro.

 

E aos cristãos, o que ensina Schuman?

Com a causa da beatificação recolhemos documentação e testemunhos que apresentam a heroicidade das virtudes cristãs vividas na política. Escutámos uma centena de testemunhas, lemos 30 mil páginas. Estamos na fase de escrever a "positio". Acredito  que emerjam as provas da santidade de um leigo - na linha do Concílio Vaticano II e da exortação [do papa Francisco] "Gaudete et exultate" - com responsabilidades políticas de primeiro plano que precisamente nessas situações incarnou as virtudes evangélicas.



 

Gianni Borsa
In SIR
Trad.: SNPC
Imagem: weyo/Bigstock.com
Publicado em 08.05.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos