Vemos, ouvimos e lemos
Projeto cultural
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosLigaçõesBreves Arquivo

Leitura

Enciclopédia Interdisciplinar de Ciência e Fé

Várias foram as impressões que em nós suscitou o primeiro contacto com o Dicionário Interdisciplinar de Ciência e Fé: primeiro, de espanto perante a vastidão do horizonte, a riqueza e a variedade temáticas, a densidade do discurso que surge claro e sempre pertinente, a grande profundidade teológica e a solidez da informação científica; depois, de surpresa renovada, porque os seus autores – de várias procedências e com formações diferentes – souberam extrair do tema de cada vocábulo perspetivas inesperadas e encadeá-las na respiração conjunta de uma reflexão exigente e crítica, consciente dos limites do nosso pensamento, mas confiante na capacidade veritativa que o sustenta e, ao mesmo tempo, denunciadora das insuficiências de muitas posições filosóficas atuais; por fim, também uma impressão de fruição intelectual e de satisfação interior, porque do complexo dos vocábulos, da visão metafísica a partir da qual se desdobram, conseguem mostrar a amplidão e o ilimitado da ‘analogia da fé’ que insinua não só o travejamento das linhas e das dinâmicas da experiência cristã, mas ainda a profunda unidade da Criação e da Redenção, que é a substância do anúncio evangélico.

Daí, pois, a importância e o imenso significado da publicação do Dicionário Interdisciplinar de Ciência e Fé em língua portuguesa. De facto, no nosso meio cultural e religioso, não é ainda muito frequente a prática do diálogo entre ciência e teologia. E só agora se ensaiam alguns passos e trepidantes nessa direção, num clima intelectual que não favorece muito a interdisciplinaridade nesta área e continua mergulhado numa tradição positivista e de irreflexão epistemológica nos cultores e praticantes da ciência, de desconfiança ou aversão da intelligentsia perante a Igreja, de pronunciada ignorância da população católica, mesmo da que tem estudos universitários. Por outro lado, a bibliografia que vai aparecendo, traduzida de outros idiomas ou de produção autóctone, segue um ritmo errático e sem grande consistência, fora de um plano básico de verdadeira e empenhada ilustração.

É, pois, oportuníssimo entre nós o aparecimento desta excecional enciclopédia. Pensamos que, pela sua natureza interdisciplinar, pelo forte nexo que propõe entre visão científica, filosofia e horizonte teológico, encontrará grande ressonância e será, para muitos, uma verdadeira revelação, além de uma fonte extraordinária de informação, simultaneamente no campo das ciências, da filosofia e da teologia. Traduz de forma exemplar a nova situação do problema das relações entre ciência e fé cristã, atesta a alteração do panorama que, neste campo de pesquisa, teve lugar nas últimas décadas, oferecendo ainda uma bibliografia seleta e vastíssima, de certo modo já inabarcável para o leitor individual e exigindo, portanto, um trabalho inter- e transdisciplinar e em equipa.

Reflete e inclui, além disso, os resultados mais recentes e fecundos da pesquisa intensa que hoje se faz sobre todas as vertentes do tema em causa. Quais? Acima de tudo, uma clarificação crescente das fronteiras entre os diversos domínios do saber, das suas interações e entrosamentos; dos pressupostos metafísicos e mundividenciais das práticas teóricas e tecnocientíficas na sua correlação e no seu vínculo com o todo da cultura; da multiplicidade de jogos linguísticos e dos géneros de discurso que, embora autónomos, inconfundíveis e dispondo de regras próprias, nascem todos da mesma fonte racional. Depois, um aprofundamento da história da ciência e a convicção fundamentada de que esta última emergiu no Ocidente em relação com a atmosfera espiritual, filosófica e, inclusive, religiosa no fim da Idade Média e no começo da era moderna; por fim, a perceção nítida da heterogeneidade da experiência humana e das múltiplas racionalidades que a subtendem, irredutíveis entre si, mas todas misteriosamente ligadas e implicadas numa circularidade sistemática dentro dos sujeitos e na conversação que estes entre si estabelecem no seio das suas múltiplas tradições e nos meandros da história.

O Dicionário Interdisciplinar de Ciência e Fé propõe e explora os resultados mais notáveis da hodierna epistemologia, que se tornou mais atenta aos vários elementos tácitos que presidem à atividade científica, não só no evento e no desdobramento do pensar, no conúbio da inteligência e da imaginação, no entrelaçamento de um grande número de operações distintas e com intencionalidades específicas, mas também no ato gerador da linguagem com o seu poder configurador da realidade e no interior do horizonte metafísico que lhe está subjacente em todas as suas manifestações e em todos os seus usos. Toma a sério a nova imagem do cosmos que, pela sua surpreendente novidade e inédita complexidade, obriga a forjar instrumentos mais adequados que se ajustem à sua riqueza ôntica e, para a qual, muitas das conceções filosóficas tradicionais se revelam inadequadas e insuficientes.

Explora igualmente os paralelismos entre o discurso da ciência e o discurso teológico, as suas assonâncias e as suas tensões, a circulação dinâmica entre a exposição da imagem de Deus e a proposta da nova imagem do universo, enquadra o ato científico como uma forma específica entre outras modalidades da ação humana global e, por fim, tece uma análise refinada entre a linguagem científica e a linguagem religiosa, nos seus contrastes e nas suas possíveis afinidades, com o intuito de fazer justiça à riqueza intrínseca da pluralidade da experiência humana no seu todo. Combate, por isso, toda a tentativa de reducionismo a um discurso arbitrário e de inspiração materialista que rouba ao cosmos a sua profundidade entitativa e degrada o ser humano a simples coisa no meio das coisas, impedindo ainda uma apreensão objetiva e harmónica da sua realidade multinivelada, a qual no-lo mostra como profundamente radicado no húmus mundano, mas também aberto à totalidade do ser, que precisamente se lhe oferece e anuncia no dinamismo auto-organizador do cosmos como sistema aberto e prometido, na intencionalidade derradeira da fé cristã, a uma metamorfose e a um cumprimento escatológicos em Cristo, por obra de toda a Trindade.

O presente Dizionario Interdisciplinare di Scienza e Fede, (Giuseppe Tanzella-Nitti e Alberto Strumia, orgs., 2 vols., Roma, Urbaniana University Press/ Città Nuova, 2002) – aparece agora, afortunadamente, em língua portuguesa. Muito seletiva nos seus vocábulos, profundamente sistemática no seu intuito, acolhendo questões científicas, filosóficas e teológicas nucleares a que dá um tratamento amplo, e apresentando ainda o testemunho histórico e vital de grandes figuras do pensamento, é do ponto de vista filosófico e teológico a mais elaborada, a mais densa e exigente, além de desdobrar a reflexão no horizonte generoso do catolicismo que, no seu respeito e na sua defesa da razão, torna mais vivo o mistério de Deus e da sua Criação. Pela frequente menção e citação de textos do Magistério, ilustra assim o apreço da Igreja, expresso sobretudo no Concílio Vaticano II e no ministério pastoral de João Paulo II, pelo mundo da ciência e pela capacidade que esta possui de descobrir, expor e salientar a Sabedoria divina inscrita no cosmos. Este, de facto, à luz da fé, que nele vislumbra a ação misteriosa de Deus, sustendadora, não constritiva nem ditatorial, antes ‘persuasiva’, surge com uma dimensão “sacramental” em que todos, homens e seres no seu conjunto, são ‘convidados’ a ser cooperadores e cocriadores no grande ‘drama’ da Redenção, até que a ontologia da Ressurreição de Cristo permeie toda realidade física e espiritual.

Esperamos que o Dicionário Interdisciplinar de Ciência e Fé permaneça, por muito tempo, como um exemplo da fecundidade da inteligência católica que, generosa, apreciadora da vida e da graça, sabe e pretende promover na caridade o laço indissolúvel entre a universalidade e a individualidade, a harmonia do todo e o significado indestrutível de cada singular, a movimento interaccional do comum e do íntimo, a ordem do saber e a ordem do amor, a razão e a fé, a ação e a contemplação, o empenho mundano e a liturgia incessante do coração no seio da comunidade e no interior de cada um, ad maiorem Dei gloriam.

 

Veja o vídeo de apresentação da obra.

 

 

Manuel Costa Freitas, OFM
In Enciclopédia Interdisciplinar de Ciência e Fé, Ed. Verbo
22.04.09

Capa

Enciclopédia Interdisciplinar de Ciência e Fé (vol. I)

Autores
Giuseppe Tanzella-Nitti, Alberto Strumia (orgs.)
Manuel Costa Freitas, OFM
(coord. edição portuguesa)

Editora
Verbo

Páginas
752

Ano
2009

Preço
€ 49,99

ISBN
978-972-222-881-7







































































































 

 

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Subscreva

 


 

Mais artigos

Mais vistos

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página