/head «A cultura sempre esteve presente na Igreja», não há razão para deixar de estar | Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«A cultura sempre esteve presente na Igreja», não há razão para deixar de estar

Jornais, museus, escolas, livros, editoras, igrejas, arquitetura, obras de arte: são múltiplos os exemplos que levam o P. Tiago Freitas, diretor do Centro Cultural e Pastoral da Arquidiocese de Braga, a considerar que «a cultura sempre esteve presente na Igreja», e a revelar os planos para a abertura de um “Quarteirão Cultural” na “cidade dos arcebispos”.

«Sempre fez parte da própria Igreja ser um promotor cultural e não há razão nenhuma para deixar de o ser», frisou o chefe de gabinete do arcebispo primaz em entrevista publicada hoje no “Igreja Viva”, suplemento semanal do “Diário do Minho”.

O responsável considera que a cultura integra o «ADN da Igreja» porque, «desde os primórdios (…) motivou, patrocinou, pagou a grandes artistas para produzirem obras de temática religiosa, e ainda hoje o faz».

«Como promotor de arte, a Igreja sempre o foi, e encontra na arte um modo de veicular os seus valores. E os valores é que, depois, geram cultura», defende o autor dos livros “Colégio de paróquias - A paróquia em tempos de mobilidade”.



O maior desafio para a Igreja no diálogo e inserção na cultura é «encontrar linguagens e modos, expressões de arte que correspondam às sensibilidades dos dias atuais»



O cristianismo torna mais valiosa as comunidades e países onde chega: «Seríamos uma sociedade mais pobre se a Igreja deixasse de produzir arte e de fazer cultura, porque os valores que veicula são valores universais, da inclusão, da paixão pela arte, pela leitura... São valores universais, que toda a gente, independentemente da sua fé, deve abraçá-los, porque são valores positivos».

«De modo concreto, a Arquidiocese, na sua história, sempre foi um promotor cultural», como se comprova pelos organismos da Igreja ligados à comunicação social, educação, arquivística, e também no domínio do apoio social, expressão da compaixão pelo ser humano que tem como paradigma a parábola bíblica do bom samaritano.

O P. Tiago Freitas lembra que «faz parte da história da Arquidiocese de Braga uma aposta na cultura, sem esquecer as imensas atividades que se fazem ao longo do ano – o lançamento de exposições, de livros, conferências, sessões de cinema, de música».

O maior desafio para a Igreja no diálogo e inserção na cultura é, de acordo com o responsável, «encontrar linguagens e modos, expressões de arte que correspondam às sensibilidades dos dias atuais».



«Esse é um ponto forte no projeto: estarmos no centro da cidade com um espaço amplo, um espaço com luz, prazeroso, para quem quer até ler – não apenas comprar livros, mas também ler e com usufruto de um jardim»



A Igreja orgulha-se do seu passado nas variadas expressões artísticas, ao financiar e exibir obras que se tornaram intemporais, mas é preciso compaginar esse legado «com uma arte mais contemporânea».

«A nível do debate e da formação, eu creio que esse passo já foi dado, isto é, que a Igreja tem aprendido a arte do diálogo e da escuta, de dar a possibilidade de se expressar a quem tem uma visão diferente da Igreja. Sobretudo com essa atitude, a Igreja tem crescido e tem sabido adaptar-se. A nível mais artístico, nem sempre», embora haja exceções, por exemplo, no âmbito da arquitetura, com dois exemplos na arquidiocese, amplamente reconhecidos por especialistas internacionais, como as capelas Árvore da Vida e Imaculada.

Na entrevista, o P. Tiago Freitas revela planos para unir, arquitetonicamente, dois espaços que dirige, a Livraria e o Auditório Vita (neste caso renovando a fachada, para melhor dar a entender que se trata de um espaço com aptidão para receber espetáculos), a que se juntará um jardim.

«Acho que esse é um ponto forte no projeto: estarmos no centro da cidade com um espaço amplo, um espaço com luz, prazeroso, para quem quer até ler – não apenas comprar livros, mas também ler e com usufruto de um jardim», assinala.

Está também idealizada uma nova praça, em frente ao Auditório Vita, para dar mais segurança às pessoas que o frequentam, objetivo que depende do acordo com a Câmara Municipal.


 

Edição: Rui Jorge Martins
Fonte: Igreja Viva
Imagem: Capela Imaculada | Braga | P. Joaquim Carvalho
Publicado em 16.01.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos