Ano Internacional da Astronomia
Da Bíblia
Fotografia e imagem
Notícias
Igreja e astronomia
Ligações

Ciência

Vaticano muda a sede do observatório astronómico

Um antigo mosteiro nos jardins do Palácio Apostólico de Castelgandolfo será a nova sede da «Specola Vaticana», o observatório astronómico da Santa Sé, informou a agência de notícias italiana ANSA.

Durante 70 anos, o observatório ficou no interior do palácio que é residência de férias dos pontífices. Em cada andar era guardada uma parte dos materiais e documentos.

A biblioteca, por exemplo, ficava nos dois últimos andares do edifício. Além de uma colecção de meteoritos, este espaço guarda cerca de vinte e dois mil volumes, com obras de Copérnico, Galileu, Newton e Kepler, entre outros.

O laboratório e as fotografias de observações feitas entre 1895 e 1979 eram guardados no piso térreo, onde também eram ministradas as aulas da «Escola de Verão». Já as salas dos jesuítas responsáveis pela «Specola» estavam entre o segundo e o último andar.

De acordo com o padre argentino José Funes, director do Observatório, "o problema do espaço tornou-se urgente", principalmente com a previsão da entrada de novos jesuítas nos próximos cinco anos.

FotoCastelgandolfo

"Transferir as colecções da biblioteca da «Specola Vaticana» foi um grande desafio logístico", ressaltou Funes, comentando a mudança.

 

Do início até à actualidade

As origens do Observatório remontam a 1578, quando Gregório XIII erigiu no Vaticano a «Torre dos Ventos» e convidou os jesuítas astrónomos e matemáticos do Colégio Romano a preparar a reforma do calendário, que foi promulgada em 1582.

Desde essa altura, o Vaticano apoiou a pesquisa astronómica, tendo sido fundados, com o apoio do papado, três observatórios: Colégio Romano (1774-1878), Capitólio (1827-1870) e «Specola Vaticana (1789-1821). Foi na continuidade desta tradição, e em resposta às acusações dirigidas contra a Igreja de ser contrária ao progresso científico, que Leão XIII refundou, em 1891, o Observatório do Vaticano, localizado num monte situado perto da basílica de São Pedro. Os colaboradores desta instituição eram originários de diversas ordens religiosas.

FotoP. José Funes, SJ

Com a generalização da luz eléctrica, as noites de Roma tornaram-se gradualmente mais luminosas, dificultando as observações nocturnas. Por este motivo o Papa Pio XI determinou que o observatório fosse transferido para a residência de Verão dos pontífices, em Castelogandolfo, a cerca de 25 quilómetros a sudeste de Roma.

Confiadas aos jesuítas, as instalações começaram a funcionar nos anos 30 do século passado, sendo dotadas de dois novos telescópios e de um laboratório para análise espectroquímica.

Devido ao crescimento de Roma e dos seus arredores, o céu de Castelgandolfo tornou-se mais brilhante, pelo que em 1981 foi fundado um segundo centro de pesquisa em Tucson, Arizona, Estados Unidos.

A parceria com o Observatório Steward, da Universidade do Arizona, possibilita o acesso dos astrónomos do Vaticano a todos os telescópios geridos por aquela instituição. Os dois Organismos terminaram em 1993 a construção do «Telescópio Vaticano de Tecnologia Avançada», primeira etapa de um projecto que prevê a edificação de alguns dos maiores e mais sofisticados equipamentos astronómicos do mundo. O «site» do Observatório considera que a localização destes aparelhos, no Monte Graham, é “provavelmente” a melhor dos Estados Unidos continentais.”

FotoMonte Graham, EUA

 

Uma instituição aberta ao exterior

A «Specola Vaticana» desenvolve as suas pesquisas em colaboração com institutos da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Finlândia, Itália, Lituânia, África do Sul, Estados Unidos, entre outros. O Observatório também acolhe cientistas que colaboram nas investigações em curso.

De dois em dois anos, a sede de Castelgandolfo organiza uma escola de Verão, que, durante um mês, recebe 25 estudantes de várias partes do mundo.

Além do relatório anual, que é distribuído a cerca de 400 institutos, o Observatório publica a revista «Studi Galileiani», sobre as pesquisas em torno dos estudos de Galileu e Copérnico.

O financiamento deste Organismo é assegurado pela Santa Sé, mas os programas especiais, como os que estão a ser realizados nos Estados Unidos, contam com as contribuições de amigos e benfeitores, através da Fundação do Observatório Vaticano.

 

rm
23.06.09

Imagem

 


 

Subscreva

 


 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página