Paisagens
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Como posso fugir à banalidade e rotina do meu quotidiano?

Na minha opinião, existem duas formas de fugir à banalidade e à rotina do quotidiano.

A primeira consiste em conservar uma certa distância, também em termos espaciais, da área do quotidiano. Posso recolher-me frequentemente no silêncio. Posso retirar-me para o lugar onde costumo meditar e fazê-lo em silêncio. Posso entrar numa igreja e simplesmente ficar lá em silêncio, ou assistir a uma missa.

Procurar um lugar diferente é, num sentido mais amplo, uma nova qualidade. Para mim, esses são momentos sagrados. Sagrado é aquilo que é extraído do mundo. O tempo sagrado pertence a Deus e pertence-me a mim.

Nessa altura, as pretensões do quotidiano não têm qualquer poder sobre mim. Nessa altura, não sou controlado pelas reuniões, nem pelas pessoas, nem mesmo pelas suas expectativas. Nessas altura, posso respirar bem fundo e ser eu próprio.

Sinto necessidade destes locais e momentos sagrados, para não sucumbir sob o peso dos meus afazeres, e recorrentemente poder entrar em contacto com o meu verdadeiro ser, que se distancia do quotidiano. É aí que o meu verdadeiro ser se encontra, que Deus vem ter comigo. É sempre Ele que me liberta da rotina do quotidiano e da pressão das pessoas que me cercam.

A segunda forma consiste, para mim, em aceitar a banalidade e a rotina do meu quotidiano, e em descobrir qualquer coisa especial precisamente naquilo que parece normal.

O meu quotidiano tem, frequentemente, a mesma evolução. Levanto-me sempre à mesma hora. Faço o mesmo trabalho - que nem sempre é interessante.

No entanto, ao aceitar o carácter mediano do meu quotidiano, este transforma-se, para mim, num importante campo de treino espiritual, uma vez que é lá que exercito a lealdade; a lealdade para comigo, para com as pessoas e para com Deus. Entrego-me a este trabalho, às pessoas com quem me encontro hoje.

Nesse caso, o quotidiano não é uma coisa vazia, mas sim o local onde pratico e concretizo o meu amor. Se assim for, terei também encontros no meu quotidiano que me farão feliz.

E, de repente, o vazio transforma-se em plenitude, o banal em sagrado e a rotina desabrocha para as surpresas divinas, nas quais o carácter disponível do amor divino penetra na vivência dos meus dias.

 

Anselm Grün
In O livro das respostas de Anselm Grün, ed. Paulinas
17.07.13

Redes sociais, e-mail, imprimir

Imagem

 

Ligações e contactos

 

Artigos relacionados

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página