Paisagens
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Meditação

Heróis não nascem - fazem-se

Um vendedor tocou à campainha de uma moradia e a porta foi aberta por uma criança de nove anos que fumava um cigarro. Disfarçando a surpresa, o vendedor perguntou: “A tua mãe está em casa?”

O rapaz tirou o cigarro da boca, deitou a cinza para o tapete e perguntou: “O que é que acha?”

*****

Esta criança ainda tem muito para andar antes de chegar à maturidade. Assim como todos nós. E nesse processo fazemos uma quantidade medonha de coisas erradas antes de acertarmos com elas. Os dois heróis que a Igreja celebra a 29 de junho, na festa dos santos Pedro e Paulo, são exemplos perfeitos disso mesmo.

Pedro, o denominado primeiro Papa, passou uma boa parte da vida a recordar que muitas vezes mais vale estar calado. Durante longos anos especializou-se em falar primeiro e pensar depois. Prometeu lealdade eterna a Jesus e poucas horas a seguir negou até que o conhecia. Esteve no lado errado da discussão sobre a permissão da passagem dos não judeus para o cristianismo. Ainda assim, foi um rochedo para a comunidade cristã e deu a vida por ela.

ImagemGoya, São Pedro Penitente

Paulo, por outro lado, era um perfecionista. Queria ser perfeito e pensava que podia sê-lo, pelo que as suas imperfeições deram com ele em doido. Diante deste quadro, encontrou uma maneira de compensar o seu desequilíbrio atacando as imperfeições dos outros: quando era judeu, queria matar os cristãos! E mesmo depois da sua conversão, foi frequentemente um choramingas e um maçador hipócrita. Ainda assim, no fim deixou de se armar em perfeito e, em vez disso, deixou que Deus fosse Deus para ele. Aprendeu a distender-se no Senhor e nEle encontrou a força para fazer o que quer que fosse preciso, incluindo dar a vida.

Os heróis não nascem heróis – fazem-se, muito lentamente, com a ajuda da graça de Deus. Quando celebramos o triunfo da graça de Deus em Pedro e Paulo, celebramos igualmente o facto de também nós podermos ser grandes, cada um de acordo com a sua realidade. A festa é também uma oportunidade para afastar todos os falsos medos que nos segredam que nunca sairemos do que somos hoje, todos aqueles medos que nos dizem que nem Deus nos pode fazer crescer interiormente, que nem Deus nos pode tornar grandes.

ImagemSão Paulo

Deus pode e Deus quer que cresçamos mais, se pusermos de lado o medo e deixarmos que ele nos toque, se deixarmos que ele chegue a todos os nossos lugares profundos que estão feridos, doentes ou divididos. Deus pode fazer por nós o que fez por Pedro e Paulo, se confiarmos nele o suficiente para o deixar entrar e se trabalharmos com ele até que esse trabalho esteja verdadeiramente acabado.

Nunca é tarde demais, por isso recomecemos! E desta vez, com a ajuda de Deus, não paremos enquanto não tivermos acabado!

 

P. Dennis Clark
In Catholic Exchange
Trad. / adapt.: rm
© SNPC (trad.) | 29.06.10 | Atualizado em 28.06.13

ImagemEl Greco, Pedro e Paulo

 

Ligações e contactos

 

Artigos relacionados

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página