Papa Francisco
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Papa Francisco apela a mais profetismo na Igreja e pede fim do clericalismo e legalismo

«Quando no povo de Deus não há profecia, o vazio que ela deixa é ocupado pelo clericalismo», vincou esta segunda-feira o papa Francisco na missa a que presidiu, no Vaticano, às 7h00 locais (menos uma em Portugal continental).

A ausência do profetismo implica que a «memória da promessa e a esperança de andar em frente são reduzidas apenas ao presente: nem passado nem futuro esperançoso», alertou o papa, citado pela Rádio Vaticano.

«Quando no povo de Deus falta a profecia, falta uma coisa: falta a vida do Senhor. Quando não há profecia, a força cai na legalidade», apontou.

No Evangelho, os «sacerdotes foram ter com Jesus para lhe pedir a cartilha da legalidade: “Com que autoridade fazes estas coisas? Nós somos os chefes do Templo!”. Não percebiam a profecia. Tinham esquecido a promessa. Não sabiam ler os sinais do momento, não tinham nem olhos penetrantes nem escutavam da Palavra de Deus: apenas tinham a autoridade».

Para Francisco, o profeta «é um homem de três tempos: promessa do passado, contemplação do ressente, coragem para indicar o caminho para o futuro».

No passado, «o profeta está consciente da promessa e tem no seu coração a promessa de Deus, tem-na viva, recorda-a, repete-a».

«Depois, olha o presente, olha o seu povo e sente a força do Espírito para lhe dirigir uma palavra que o ajude a levantar-se, a continuar o caminho para o futuro», acrescentou.

Na história bíblica, Deus «guardou sempre o seu povo com os profetas, nos momentos difíceis, nos momentos em que o povo estava desencorajado ou tinha sido destruído, quando o Templo [de Jerusalém] não existia, quando Jerusalém estava sob o poder dos inimigos, quando o povo se perguntava dentro de si: “Mas, Senhor, tu prometeste-nos isto! E agora, o que está a acontecer?”».

«A nossa oração nestes dias, nos quais nos preparamos para o Natal do Senhor, seja; “Senhor, que não faltem os profetas no teu povo”. Todos nós, batizados, somos profetas», afirmou o papa.

Francisco concluiu a homilia com esta prece: «Senhor, que não esqueçamos a tua promessa. Que não cessemos de andar em frente. Que não nos fechemos nas legalidades que fecham as portas. Senhor, liberta o teu povo do espírito do clericalismo e ajuda-o com o espírito de profecia».

 

Rui Jorge Martins
© SNPC | 16.12.13

Redes sociais, e-mail, imprimir

FotoPapa Francisco
na viagem para o Brasil
22.7.2013
Foto: AP Photo/Luca Zennaro, Pool

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página