Papa Francisco
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Papa Francisco critica desleixo, tristeza, formalismo e hipocrisia na Igreja

O papa Francisco lamentou esta terça-feira no Vaticano a existência dentro da Igreja católica de cristãos que vivem «sem entusiasmo, até tristes», tendo voltado a criticar o apego às regras e às leis, em detrimento da ação de Deus, que age quando quer.

Francisco referiu-se particularmente à «doença da acídia», ou seja, à preguiça e desleixo, «comportamento que é paralisante do zelo apostólico, que faz dos cristãos pessoas paradas, tranquilas, mas não no bom sentido da palavra: que não se preocupam em sair para anunciar o Evangelho. Pessoas anestesiadas».

A acídia nas ações, disse o papa na homilia da missa a que presidiu, segundo a Rádio Vaticano, torna-se «espiritual», fazendo dos cristãos «pessoas não luminosas, pessoas negativas»: «Esta é uma doença nossa, dos cristãos».

«[Vamos à missa] todos os domingos mas, dizemos, por favor não incomodar», caricaturou o papa, frisando que os crentes «sem zelo apostólico» não «servem, não fazem bem à Igreja»: «Quantos cristãos são assim, egoístas, para si próprios», disse.

O «pecado da acídia» consiste em resistir ao desejo de «dar a novidade de Jesus aos outros», boa notícia que chegou «gratuitamente» à pessoa que se recusa a continuar a transmissão e o testemunho do Evangelho.

Referindo-se à leitura do Evangelho proclamado nas missas de hoje (cf. “Artigos relacionados”), em que se narra uma cura de Jesus ao sábado, dia em que os judeus impunham a suspensão de todas as atividades, Francisco criticou também a prioridade dada às leis.

«A vida cristã, a vida desta gente, é ter todos os documentos em ordem, todos os atestados», ironizou, antes de afirmar: «Cristãos hipócritas, como estes. Só se interessam pela formalidade».

«Era sábado? Não, não se podem fazer milagres ao sábado, a graça de Deus não pode trabalhar ao sábado. Fecham a porta à graça de Deus! Temos tanto disto na Igreja; temos tanto!», apontou, antes de vincar: «“Não se pode”: é a palavra que têm  mais à mão».

Citando o Evangelho de hoje, Francisco lembrou a atitude de Jesus: «As duas palavras cristãs: queres ser curado?; não pecar mais. Mas primeiro, cura-o, e depois diz-lhe “não peques mais”. Palavras ditas com ternura, com amor».

O caminho cristão consiste em aproximar-se das pessoas, «tantas vezes feridas por homens e mulheres da Igreja», e transmitir-lhes «uma palavra de irmão e de irmã: queres ser curado?», antes de dizer: “Não peques mais, que não faz bem”».

 

Rui Jorge Martins
© SNPC | 01.04.14

Redes sociais, e-mail, imprimir

FotoPapa Francisco
Foto: REUTERS/Alessandro Bianchi

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página