Papa Francisco
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Viagem à Terra Santa

Papa Francisco: Diversidade «não deve provocar rejeição» porque «variedade é sempre enriquecimento»

O papa Francisco iniciou este sábado uma visita de três dias à Terra Santa, tendo sublinhado na homilia da primeira missa a que presidiu, na Jordânia, que «a diversidade de pessoas e de pensamento não deve provocar rejeição e obstáculos, porque a variedade é sempre enriquecimento».

A intervenção centrou-se no apelo à paz mediante a invocação do Espírito Santo, dado que a celebração, no estádio de Amã, capital jordana, se realizou «não longe do local onde o Espírito Santo desceu com poder sobre Jesus de Nazaré, depois que João o batizou no rio Jordão», disse Francisco, citado pela Rádio Vaticano.

«A Ele [Espírito Santo] pedimos para preparar os nossos corações para o encontro com os irmãos para além das diferenças de ideias, língua, cultura, religião; para ungir todo o nosso ser com o óleo da sua misericórdia que cura as feridas dos erros, das incompreensões, das controvérsia, pediu.

Francisco frisou que a paz «não se pode comprar, não se vende», sendo antes «um dom a procurar pacientemente e a construir artesanalmente mediante pequenos e grandes gestos» que envolvem a «vida quotidiana».

FotoPapa Francisco abençoa o repórter palestino Imad Freij durante o voo entre Roma e Amã (Jordânia); ao lado, o jornalista português Henrique Cymerman. 24.5.2014. Foto: AP Photo/Andrew Medichini, Pool

«O caminho da paz consolida-se se reconhecemos que todos temos o mesmo sangue e fazemos parte do género humano; se não esquecemos que temos um único Pai no céu e que somos todos seus filhos, feitos à sua imagem e semelhança», afirmou.

Ao chegar a Amã, o papa encontrou-se com o rei Abdullah, tendo elogiado o «generoso acolhimento» do país a uma grande quantidade de refugiados palestinos, iraquianos e provenientes de outras regiões de crise, em particular da vizinha Síria, envolvida num conflito que dura há demasiado tempo».

Torna-se «urgente uma solução pacífica para a crise síria, bem como uma solução justa para o conflito israelo-palestino», acentuou, pedindo a Deus para que proteja do «medo da mudança».

FotoA jornalista portuguesa Aura Miguel sorri para papa Francisco quando este cumprimenta um jornalista durante o voo entre Roma e Amã. 24.5.2014. Foto: REUTERS/Andrew Medichini/Pool

Na primeira intervenção na Jordânia, Francisco renovou o «profundo respeito» e «estima» pela comunidade muçulmana, e realçou o papel do monarca na promoção de «uma mais adequada compreensão das virtudes proclamadas pelo Islão e a serena convivência entre os fiéis das diversas religiões», tendo agradecido a Abdullah o facto de ser «artífice de paz».

A Jordânia foi também louvada «por ter encorajado várias iniciativas importantes a favor do diálogo inter-religioso para a promoção da compreensão entre judeus, cristãos e muçulmanos, entre as quais a "Mensagem Inter-religiosa de Amã"», bem como por ter patrocinado, no âmbito da ONU, a celebração anual da "Semana de Harmonia entre as Religiões".

FotoPapa Francisco no voo para Amã. 24.5.2014. Foto: EFE/EPA/ANDREW MEDICHINI / POOL

Dirigindo «uma saudação plena de afeto à comunidade cristã», presente na região «desde a era apostólica», Francisco recordou a sua contribuição «para o bem comum da sociedade».

«Apesar se serem hoje numericamente minoritários», os cristãos trabalham no apoio aos refugiados, através da Cáritas Jordânia, além de dirigirem escolas e hospitais, «podendo professar com tranquilidade a sua fé, no respeito da liberdade religiosa, que é um direito humano fundamental».

FotoChegada de Francisco a Amã. 24.5.2014. Foto: AP Photo/L'Osservatore Romano, ho

A terminar, o papa expressou os votos de «paz» e «prosperidade» para a Jordânia, com o desejo que a visita «contribua para incrementar e promover boas e cordiais relações entre cristãos e muçulmanos».

O programa do primeiro dia da viagem de Francisco à Terra Santa completa-se com a visita ao local do Batismo de Jesus (Betânia além do Jordão) e, às 17h15 (hora de Lisboa), o encontro com refugiados e jovens com deficiência, na igreja latina de Betânia.

 

 

 

Rui Jorge Martins
© SNPC | 24.05.14

Redes sociais, e-mail, imprimir

FotoPapa Francisco com o rei Abbsulah
Amã, 24.5.2014
Foto: REUTERS/Ali Jarekji

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página