Papa Francisco
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Papa Francisco

Simplicidade nos gestos e radicalidade na fé

«Se não confessamos a Jesus Cristo, tornamo-nos uma ONG piedosa, mas não a Igreja», disse, de improviso, aos cardeais. Foi o primeiro dia do Papa que escolheu chamar-se Francisco, «um nome que é um vínculo» e «quase uma denúncia».

A eleição chegou como uma surpresa - para os cardeais que escolheram o novo Papa, confirmou o português D. José Policarpo, e para os fiéis que tantos «quem?» repetiram quando o cardeal Jean-Paul Tauran apareceu na varanda e disse «Jorge Mario» em italiano. Foi uma surpresa, mas uma com que muitos tinham sonhado, incluindo tantos dos que nos últimos dias passaram pela Praça de São Pedro com palavras como «simples», «próximo das pessoas normais», «caloroso» ou «despojado» debaixo da língua.

Logo depois de se apresentar, Francisco pediu às pessoas normais que o abençoassem («Rezem por mim», disse aos peregrinos), antes mesmo de as abençoar. Ainda na primeira noite, vestido de branco por ter recusado outras vestes, falou de si como bispo de Roma, não como Papa. «Agora, começamos este caminho: bispo e povo.»

Ontem [quinta-feira], no seu primeiro dia como bispo de Roma, foi como dizem que é. Simples, espontâneo, decidido. Também foi como tantos esperam que seja: atravessou uma rua a pé, andou entre as pessoas, cumprimentou-as, lembrou-se de que tinha uma conta para pagar e tratou de o fazer.

Francisco partilhara com os peregrinos que iniciaria o seu caminho em Santa Maria Maior, a «rezar a Nossa Senhora para que abençoe toda a cidade de Roma», e assim fez. Poucos minutos depois das 8h chegou à basílica mariana, num carro da polícia do Vaticano e sem cortejo.

Lá dentro, durante meia hora, rezou junto ao altar maior, na Capela Paulina, deixou flores no altar onde Inácio de Loyola, fundador da sua ordem dos jesuítas, celebrou pela primeira vez missa, rezou ainda na Capela Sistina e deteve-se depois diante do túmulo de Pio V. Antes de sair, voltou a pedir aos presentes para rezarem por ele. Depois, atravessou-a e saudou os estudantes que o aguardavam.

No caminho de regresso, pediu ao motorista para fazer um desvio e quis parar na Casa do Clero, perto da Piazza Navona, onde esteve hospedado nas semanas antes do conclave. Saudou quem lá trabalha, trouxe o que lá deixara e pagou a conta, contou aos jornalistas o padre Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano. «Os responsáveis da segurança estão ao serviço do Papa e sabem-no. Procuram interpretar o que é que o Papa quer e adaptar o seu estilo ao estilo pessoal do Papa - sabendo que não são eles a ditar o jogo, mas o Papa», explicou.

À tarde, o santo padre celebrou missa na Capela Sistina, acto que encerra o conclave, entre os cardeais. «Sem cruz não somos discípulos do senhor, somos mundanos, bispos, padres, cardeais, mas não somos discípulos do senhor», disse aos que o elegeram, antes de lhes pedir uma Igreja a pregar os valores de Cristo e em movimento.

Primeiro, as leituras e o Evangelho: Isaías, o Salmo Responsorial e a Primeira Carta de São Pedro Apóstolo. Depois, a homilia. «Estas três leituras têm uma coisa em comum: o movimento. Na primeira, o movimento é o caminho; na segunda está na edificação da Igreja; na terceira, no Evangelho, o movimento está na confissão», afirmou o Papa Francisco.

«Caminhar, edificar, construir, confessar», enumerou. «Mas não é assim tão fácil. No caminhar, no construir, no confessar, às vezes há movimentos que não são movimentos no caminho, mas movimentos que nos puxam para trás», avisou. «Nós podemos caminhar como queremos, podemos construir muitas coisas, mas se não confessamos a Jesus Cristo, algo está errado. Tornamo-nos uma ONG piedosa, mas não a Igreja», afirmou o Papa, de improviso - as missas, pelo menos as primeiras, anunciou o Vaticano, serão em italiano, tal como os discursos, mas serão de improviso, pelo que não haverá textos nem traduções distribuídos previamente.

Francisco continuou a improvisar e pediu aos cardeais que sejam todos «discípulos do Senhor»: «Eu gostaria que todos nós, depois destes dias de graça, tivéssemos a coragem de caminhar na presença do Senhor, com a cruz do Senhor, de construir a Igreja no sangue do Senhor, derramado na cruz, e confessar a única glória, Cristo crucificado. E assim a Igreja caminhará. Desejo a todos nós que o Espírito Santo, a oração de Maria, nossa mãe, nos conceda esta graça: caminhar, edificar e confessar a Jesus Cristo crucificado», concluiu.

Os cardeais ouviram como, na véspera, quando se acotovelavam nas varandas laterais da Basílica de São Pedro, o tinham ouvido descrever a humanidade como uma «grande irmandade» ou «grande fraternidade».

O argentino que escolheu chamar-se Francisco - fê-lo, soube-se ontem, para assim homenagear Francisco de Assis - passou o seu primeiro dia enquanto Papa a provar merecer um nome que não precisa de ser seguido por numeração romana. 

Foto Papa Francisco paga conta do hotel onde ficou hospedado antes do conclave

 

Título original do artigo: "Sentido de humor, gestos simples e palavras sérias"

 

Sofia Lorena
In Público, 15.3.2013
24.03.13

Redes sociais, e-mail, imprimir

Foto

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Subscreva


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página