Projecto cultural
Portugal e os portugueses

Maria na devoção dos portugueses: uma devoção nacional?

A devoção mariana é um facto relevante na piedade pessoal de muitos portugueses. Mas não é a esse título que a vou sublinhar aqui, antes a título colectivo, como devoção nacional que também parece ser.

Efectivamente, as grandes horas portuguesas foram várias vezes horas marianas, porque a Maria se referiram, pela intercessão ou no louvor. E se os povos se simbolizam nas realidades que afirmam com mais constância e calor, então o povo português aparece-nos frequentemente como um povo mariano.

Relanceemos:

A nossa realidade política foi recortada pela espada de D. Afonso Henriques. De Guimarães a Lisboa e ao Alentejo, criou o Estado português, juntando gentes diversas, de dentro e de fora. As sés que levantou dedicou-as a Santa Maria. Mas como se denominavam os que morriam na luta, os que caíam na guerra contra os Mouros? Ao menos em alguns casos, mártires. E quem os recebia no céu? Santa Maria.

Efectivamente, mal começado o cerco a Lisboa, em 1147, D. Afonso teve de correr a Sacavém, a parar uns mouros que o vinham cercar por sua vez. Pelos cristãos mortos na peleja, levantou aí um templo a Nossa Senhora dos Mártires. Depois de conquistada a cidade, no local onde se tinham sepultado os cruzados ingleses, ergueu também um templo. O nome? Nossa Senhora dos Mártires. A sua dedicação celebrava-se a 13 de Maio...

A guerra continuou nos reinados seguintes e a invocação também. Mesmo ao sul ainda aparecerão igrejas de Nossa Senhora dos Mártires, em Silves e Castro Marim, por exemplo. E Frei Agostinho de Santa Maria escreveu mais tarde no seu Santuário Mariano sobre a imagem de Castro Marim: «Este título se devia dar à Senhora, sem dúvida, porque no tempo dos Mouros se enterrariam junto ao seu altar os corpos daqueles soldados, que em defesa da fé sacrificaram as vidas.» (1)

Quando Portugal se ia perdendo na herança de D. Fernando, foi em Aljubarrota que se ganhou. E isto deu-se na véspera de Santa Maria de Agosto, como sabia D. João I, como sabia Nun’Álvares, como sabiam todos. O Condestável, narra Fernão Lopes, animava os nossos, pois «que a Mãe de Deus, cuja véspera era então, seria sua advogada»; e o novo rei reforçava: «Em nome de Deus e da Virgem Maria, cujo dia é amanhã, sejamos todos fortes e prestes.» (2)

Depois foi a vitória portuguesa e a peregrinação do nosso rei à Senhora da Oliveira, em Guimarães, a pé e a agradecer. E o agradecimento lavrado em pedra, que foi Santa Maria da Vitória. Antes da batalha e por causa dela, já o povo de Lisboa prometera também uma procissão anual a Nossa Senhora da Escada, que se venerava ao pé do Rossio.

Consolidado o reino, seguiu-se a expansão. E o mesmo Frei Agostinho de Santa Maria pôde dizer depois que o infante D. Henrique que «nesta sua empresa escolheu por sua principal estrela a Maria Santíssima, e aos Santos Reis Magos, rogando-lhes que mostrassem outras novas estrelas, novos homens e novos mundos». (3)

A armada portuguesa avistou Ceuta a 14 de Agosto de 1415, outra véspera da Assunção. A 14 de Agosto também, mas de 1437, o Infante Santo foi a Nossa Senhora da Escada, antes de partir para Tânger, onde seria preso para não mais voltar. Vitória por derrota, conta Frei Luís de Sousa que «com melhor sucesso fez semelhante despedida seu sobrinho el-rei D. Afonso Quinto, filho de el-rei D. Duarte, no ano de 1471, quando foi tomar Arzila e Tânger aos Mouros. Acompanhado de toda a corte veio visitar a Senhora (da Escada) na manhã do dia de Sua gloriosa Assunção, a quinze de Agosto». (4)

Para mais longe iriam Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral. Para mais longe, mas também de ao pé de Maria: o Gama e os seus passaram a noite de 7 de Julho de 1497 em Santa Maria de Belém, antes da partida para a Índia; e aí ouviu missa o descobridor do Brasil, a 8 de Março de 1500, antes de partir por sua vez.

Horas de glória, estas: glórias de Portugal e de Maria, assim foram vividas. Seguiram-se outras, de derrota e desterro, marianas também. De facto, quando um novo Império se perdeu em Alcácer Quibir, ainda antes de ter propriamente começado, foi a Maria que recorreram muitos dos que lá ficaram cativos.

Recorreu-lhe, por exemplo mais eloquente, Diogo Bernardes, nas suas Várias Rimas ao Bom Jesus e à Virgem Gloriosa: «Oh Virgem singular, pura, sem mágoa, / [...] Esperança do povo Lusitano, / Por vosso amor acuda a tanto dano / O poder infinito.»

«Esperança do povo lusitano» – assim a viam os vencidos de Alcácer. E assim a continuaram a ver os Portugueses, com a independência cada vez mais perdida sob os Filipes.

Sob o domínio filipino, na verdade, seria proibida a procissão que o povo de Lisboa fazia à Senhora da Escada, lembrando a vitória de Aljubarrota. Mas determinações destas excitam ainda mais o que procuram obviar, e o que aconteceu foi a insistência dos patriotas junto da Virgem Maria pela recuperação da independência. Sobreveio que, tendo o governo filipino mandado cortar pinheiros junto à Senhora da Atalaia, eles se entortaram milagrosamente, ficando incapazes de servir, como anotou depois o autor do Santuário Mariano. (5) Não era o sinal do desagrado do Céu com os Espanhóis? Lenda ou não, o sentido é evidente. E foi muita, nesses anos difíceis, a procura de livros de devoção mariana. (6)

Por toda a Europa católica, o século XVII foi de grande exaltação de Maria, especialmente na sua Conceição Imaculada. Na polémica antiprotestante afirmava-se o lugar da Mãe de Jesus e o seu privilégio; e também os Filipes promoveram esta afirmação. Mas quando Portugal se restaurou, a Imaculada Conceição, particularmente venerada na corte ducal de Vila Viçosa, donde saía o novo rei D. João IV, foi logo assumida como padroeira dos nossos destinos reencontrados.

Foi assim que Frei João de São Bernardino, pregando perante a corte, a 8 de Dezembro de 1640, não se esqueceu de afirmar: «Em sábado dedicado à Mãe de Deus se aclamou rei por geração, linha e sangue o invictíssimo rei D. João o quarto do nome, nosso senhor. Hoje é o oitavo dia da sua aclamação, sábado dedicado pela Igreja à Imaculada Conceição da mesma divina Senhora: quiçá assinalou Deus este dia de sábado em seu descanso, requievit die septimo, para que ficasse assinalado por dia deputado ao descanso de Portugal.»

Depois, nas Cortes de 1646, foi Nossa Senhora da Conceição tomada por padroeira de Portugal e da sua independência, ainda muito insegura. Padroado escolhido, padroado cumprido: a 8 de Junho de 1663 os Portugueses ganharam a Batalha do Ameixial aos Espanhóis, que não desistiam. – Vitória portuguesa ou vitória de Maria? De Maria, disse-se logo; é que, a 26 e 27 de Maio anterior, uma imagem da Senhora da Piedade a anunciara milagrosamente em Santarém, facto depois examinado e autenticado por Carta Pastoral do Deão e Cabido de Lisboa, de 15 de Janeiro de 1664.

Recuperou-se a independência, vieram os anos dourados de D. João V, e, como geralmente sucede em tempos de afirmação nacional, reescreveu-se a história. Para tal, fundou o Magnânimo a Academia Real da História, por decreto datado significativamente de 8 de Dezembro de 1720. E a primeira história a fazer-se seria a das Igrejas do Reino, a Lusitania Sacra. Mais uma vez, história de Portugal ou história de Maria? Para D. Manuel Caetano de Sousa, director da Academia, não havia diferença. Dizia assim: «Não é a obra da Lusitania Sacra outra coisa senão. uma ilustração histórica de todas as Igrejas de Portugal [...] Será o empenho da Lusitania Sacra ilustrar as Igrejas Catedrais deste Reino, mas tudo redunda em glória da mesma Senhora, a quem todas elas são dedicadas.» (7)

No século XVIII e com o aval do mesmo rei, conseguiu-se para Portugal uma festa litúrgica de Nossa Senhora para cada mês do ano. As que já se celebravam, juntaram-se assim a do Patrocínio de Maria, em Novembro; a de Nossa Senhora dos Prazeres, na segunda-feira depois da Pascoela, para todo o País; a de Nossa Senhora do Desterro, no quarto domingo de Abril; a da Maternidade, no primeiro domingo de Maio e a da Pureza de Nossa Senhora, no último de Junho; já em 1815, somou-se-lhes a do Coração de Maria, no domingo depois da Oitava da Assunção.

Depois de tempos, tempos vêm... Com o século XIX veio também a ameaça e depois a primeira invasão francesa. Em 1807 chegaram os exércitos de Napoleão e cá continuaram pelo ano seguinte: muitas mortes e grande desolação. A rainha louca, o príncipe. regente e a corte, fugidos para o Brasil. Mas havia a Rainha do Céu, padroeira da pátria, e a ela se recorreu de novo. Derrotados na Roliça e no Vimeiro, os Franceses partiram e os louvores voltaram: «Cantamos à Virgem / Louvores gerais: / Digam todos comigo: / Bendita sejais»; vinha num assim chamado Cântico a Maria Santíssima em acção de graças por nos ter livrado dos pérfidos e malvados franceses, saído em Lisboa logo nesse ano de 1808, com mais entusiasmo do que inspiração.

O século passado foi de graves alterações na vida religiosa portuguesa. O triunfo do liberalismo não se fez sem grandes mal-entendidos de parte a parte, nas relações entre política e religião, mal-entendidos que persistiram muito tempo. As instituições católicas tinham-se naturalmente integrado na sociedade do Antigo Regime: caído este, abalaram-se aquelas. Em 1834 foram extintas as congregações religiosas – as masculinas logo e as femininas a prazo – e o Governo passou a tutelar mais apertadamente ainda a vida da Igreja secular. Além disto, olhava com muita desconfiança para tudo quanto vinha de fora, de Roma especialmente, como atentatório da independência portuguesa e da religião «nacional». Esta suspicácia do liberalismo português, herdada depois pelo republicanismo, em relação a Roma e às congregações religiosas a ela ligadas, foi um dos factores mais persistentes da reserva de muitos católicos portugueses em relação às instituições políticas, o que poderá ajudar a explicar o desenraizamento e a brevidade delas.

Ora, foi também a propósito da devoção mariana que esta nova situação se agudizou. Em 8 de Dezembro de 1854, o Papa Pio IX definiu o dogma da Imaculada Conceição de Nossa Senhora. Tal verdade mariana era há muito confessada em Portugal e era mesmo a inovação da padroeira do reino. Mas agora vinha de Roma a definição, e, para o nacionalismo de muitos influentes, Roma era o estrangeiro e mesmo a ameaça, já que Pio IX não se cansava de levantar objecções à teoria e à práti.ca dos regimes liberais. Estava novamente em uso o beneplácito, pelo qual as decisões pontifícias só se executariam entre nós depois da aprovação das Cortes. Teve de esperar-se até Março do ano seguinte...

Estes quatro meses de demora em reconhecer para Portugal o dogma da Imaculada Conceição levantaram reparos nos meios católicos mais activos. A demora era dos poderes públicos e não da piedade portuguesa, afirmava A Nação de 17 de Abril de 1855: «Portugal, que sempre se distinguiu pelo seu zelo religioso, e pela pureza da sua fé, Portugal, que nas suas cortes e universidades jura há séculos a defesa da Imaculada Conceição, não podia, apesar de todas as desgraças, deixar de associar-se à alegria universal de todos os católicos ao ser definido pela Igreja como dogma, o que para ele era uma crença religiosa, e um princípio de nacionalidade.»

E a devoção mariana, «crença religiosa e princípio de nacionalidade» recrudesceu então. São dessa época os versos do Padre Malhão que ainda hoje se cantam, unindo a protecção de Maria com os destinos nacionais: «Salve, nobre Padroeira / Do Povo, teu protegido, / Entre todos escolhido / Para povo do Senhor. / Ó glória da nossa terra / Que tens salvado mil vezes, / Enquanto houver Portugueses, / Tu serás o seu amor.» E em 1869 a Imaculada Conceição do Sameiro uniria ainda outra vez marianismo e patriotismo. São de Almeida Braga, jovem apóstolo de então, os seguintes versos, tão bem datados na piedade e nas preocupações: Quanto aos que se opunham a esta devoção:

Oh! não consintas que a feroz doutrina,
Que tenta derrubar os teus altares,
Do povo português invada os lares,
E espalhe as trevas onde brilha a luz;

Quanto às divisões dos portugueses, que só a fé reencontraria:

Faze um povo d’irmãos do luso povo
Por Deus e pela pátria, em verdadeira
Aliança unidos numa só bandeira,
Rendendo culto juntos ao mesmo altar;

Para concluir:

E, enfim, como vigia da atalaia
Os Passos do inimigo a sentinela,
Assim desse alto, tu, Senhora, vela
Sobre os destinos deste povo teu.

Entretanto, desde meados do século, ganhava adesão sempre maior a devoção do Mês de Maria: a mesma devoção entre os católicos mais fervorosos e a mesma suspeita por parte dos liberais mais desconfiados a respeito de novidades religiosas vindas de fora, sobretudo as apadrinhadas pelos Papas e difundidas também por religiosos – em Lisboa, era praticada por um lazarista francês na Igreja de São Luís, a partir de 1859. Tinham surgido também as confrarias dedicadas ao Coração de Maria. A do Porto nascera em 1845 e logo despertou desconfianças semelhantes, numa cidade onde tanto se afirmaram no século passado quer o liberalismo mais radical, quer a militância católica mais intensa. Por isso foi violentamente interrompida a reunião da confraria portuense nos Congregados, a 8 de Março de 1846, alegando-se que ela encobria uma conspiração antiliberal. (8) Incidentes destes e com idênticas alegações perturbaram muitas manifestações católicas em Oitocentos.

A devoção mariana, essa, não parou. E um autor chega a dizer que a arquiconfraria do Sagrado Coração de Maria no Porto tinha, na viragem do século, 100 000 associados. (9)

Mas, virado o século, a mesma desadequação – agora muito mais acentuada – entre devoção mariana e instituições políticas se fez notar, enquadrando concretamente os acontecimentos de Fátima. É certo que o tipo de relações Igreja-Estado era diferente: em 1854, quando foi definida a Imaculada Conceição, o catolicismo era religião do Estado, e agora este não reconhecia culto algum. Mas a actuação da autoridade local em relação aos pastorinhos, por exemplo, significava mais do que simples indiferença.

Também isto não impediu o desenvolvimento da devoção mariana, agora como novo estímulo. Desenvolvimento tal que, à luz de Fátima, foi mais uma vez interpretado e garantido o destino nacional. Apenas dois marcos para terminarmos: o I Congresso Mariano Nacional, reunido em Braga em 1926; e a Primeira Consagração de Portugal ao Coração Imaculado de Maria, feita pelo Episcopado Português em Fátima, a 13 de Maio de 1931. Consagração que acabava precisamente com estas palavras: «Lembrai-vos, enfim, ó Padroeira da nossa terra, que Portugal ensinou tantos povos a saudar-vos bendita entre todas as mulheres. Em memória do que fez pela vossa glória, salvai-o, Senhora de Fátima...»

E, desde então, a devoção portuguesa continua a unir Maria e o nosso futuro nacional, não se cansando de repetir: «Nossa Senhora do Rosário de Fátima, salvai-nos e salvai Portugal!»

Deste brevíssimo e apressado relance, poderei concluir com mais certeza o que comecei por dizer: Se os povos se simbolizam nas realidades que afirmam com mais constância e calor, então o povo português aparece-nos frequentemente como um povo mariano. Creio que isto continua a ser assim para uma parte muito expressiva da nossa comunidade nacional.

 

(1) Frei Agostinho de Santa Maria, Santuário Mariano, VI, ii, xxvi.

(2) As Crónicas de Fernão Lopes, seleccionadas e transportadas em português moderno, por António José Saraiva (Lisboa, s/d), pp. 385-386.

(3) Frei Agostinho de Santa Maria, Santuário, I, xv.

(4) Frei Luís de Sousa, História de São Domingos, III, xix.

(5) Frei Agostinho de Santa Maria, Santuário, II, ii, lv.

(6) Alberto Pimentel, História do Culto de Nossa Senhora em Portugal (Lisboa, 1900), p. 224: continua a ser a obra mais completa sobre o assunto e nela encontrei a maior parte das referências.

/7) Colecção dos Documentos, Estatutos e Memórias da Academia Real da História Portuguesa, I, Lisboa, 1721.

(8) Cf. Pinho Leal, Portugal Antigo e Moderno, x, p. 619.

(9) Cf. Alberto Pimentel, História..., p. 378.

D. Manuel Clemente

in Portugal e os portugueses, Assírio & Alvim, 2008

13.05.2008

 

 

Topo | Voltar | Enviar | Imprimir

 

 

barra rodapé

Imagem
Nossa Senhora de Fátima
Clara Meneres
Igreja de Nossa Senhora da Encarnação, Olhalvo












































































































































Nossa Senhora de Fátima











































































































































Portugal e os portugueses
Edição mais recente do ObservatórioOutras edições do Observatório
Edição recente do Prémio de Cultura Padre Manuel AntunesOutras edições do Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes
Quem somos
Página de entrada