Vemos, ouvimos e lemos
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosLigaçõesBrevesAgenda Arquivo

Cinema

"Sangue do meu sangue": o Portugal de João Canijo

Estreou na quinta-feira passada e já foi visto por mais de 3300 espectadores.

Do Festival Internacional de San Sebastian  “Sangue do meu Sangue” trouxera já a nomeação para a prestigiada Concha de Ouro e a escolha do júri FIPRESCI (Federação Internacional da Imprensa Cinematográfica), este ano presidida por um português.

Num bairro pobre e periférico de Lisboa, Márcia, 42 anos, cozinheira a trabalhar para o namorado, bom amigo, desdobra-se para suster casa e família: uma irmã, de dia esteticista, de noite a extravasar mágoas num bar noturno de karaoke; a filha Cláudia, caixa de supermercado, estudante de enfermagem e noiva de César, a quem a vida parece encaminhar o futuro que Márcia desejou aos filhos; e finalmente Joca, 18 anos, a quem as contas feitas com a justiça não demoveram de arriscar nos negócios ilícitos da droga.

O espaço da casa é tão exíguo como os recursos necessários para reestruturar o código e registo desta família presa ao fino e forte fio, persistentemente tecido, por Márcia.

Fotograma

Um dia o fio solta-se e há que deitar a mão a todos. Mais uma vez.

Para quem conheça o trabalho de João Canijo, não é difícil imaginar que “Sangue do meu sangue” traz à tona o elemento profundamente trágico de um mundo que, depois de provinciano (“Noite escura”), rural (“Mal nascida”), histórico ou temporal (“Alma lusitana”) é agora urbano.

Os contextos pertencem consensualmente à categoria espacio-temporal de submundo. As imagens são cruas e reais, violentamente reais, e por sempre tratarem o submundo e sempre mais o seu lado asqueroso que Humano (com o h maiúsculo que as novas regras gramaticais não podem mesmo tirar), deles não se pode esperar qualquer idílio. Nem tinha que o ser. A técnica cinematográfica é boa.

Fotograma

Mas é importante questionar: tratam-se de filmes periféricos ou nevrálgicos? Falamos de Portugal, ou de um certo Portugal? Permanecemos na humilhação conceptual e visual da mulher? É sempre certo o incesto? É obrigatório um lugar narrativo menor às relações significantes, ao puro afeto, ao belo, à esperança, a um caminho?

Não se trata de moralismo, mas de atenta e prudentemente distinguir o todo da parte. Eis o Portugal de Canijo. O seu. Com um belo elenco e a extraordinária atriz que é, sempre, Rita Blanco.

 

 

 

Margarida Ataíde
© SNPC | 12.10.11

Cartaz

 

Ligações e contactos

 

Artigos relacionados

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Subscreva

 


 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página

 

 

 

2011: Eurico Carrapatoso. Conheça os distinguidos das edições anteriores.
Leia a última edição do Observatório da Cultura e os números anteriores.