Vemos, ouvimos e lemos
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Porto

Universidade Católica evoca poeta Guilherme de Faria

A Cátedra Poesia e Transcendência e o Centro de Estudos do Pensamento Português da Universidade Católica Portuguesa (Porto) evocam a 4 de janeiro a memória do poeta Guilherme de Faria, no 85.º aniversário da sua morte.

A sessão conta com intervenções de José Carlos Seabra Pereira (Universidade de Coimbra), Maria João Reynaud (Universidade de Coimbra), José Pedro Angélico (Universidade Católica) e José Rui Teixeira, responsável pela cátedra “Poesia e Transcendência” e membro do Secretariado da Pastoral da Cultura da diocese portuense, além de outros participantes.

Durante o encontro, com entrada livre, será apresentado o livro "Os versos de luz por escrever. Vida e obra de Guilherme de Faria", de José Rui Teixeira, que desde 2006 recupera documentos do espólio do poeta, reedita a sua poesia e organiza e participa em iniciativas académicas.

Guilherme de Faria nasceu a 6 de outubro de 1907, em Guimarães, tendo-se mudado com a família para Lisboa em 1919. A 4 de janeiro, com 21 anos, suicidou-se na Boca do Inferno, conjunto de escarpas junto ao oceano Atlântico, próximas de Cascais.

Publicou sete livros de poesia: "Poemas" e "Mais Poemas" (1922), "Sombra" (1924), "Saudade Minha" (1926), "Destino" e "Manhã de Nevoeiro" (1927) e, editado postumamente, "Desencanto" (1929).

Também póstuma, mas organizada de acordo com as suas indicações, foi a edição em 1929 da antologia "Saudade Minha (poesias escolhidas)", reeditada em 2007.

Publicou ainda "Oração a Santo António de Lisboa" (1926) e organizou uma "Antologia de Poesias Religiosas", que só seria lançada em 1947.

A poesia de Guilherme de Faria compreende-se no contexto do Neo-Romantismo lusitanista e do Saudosismo integralista, e habita o âmago da tradição lírica portuguesa.

Poeta de um passadismo nocturno, elegíaco e doce que só se realiza em diálogo com a morte redentora, Guilherme de Faria acabou por ser esquecido, devido à sua morte tão prematura, às especificidades quase anacrónicas da sua poesia e à proximidade ideológica ao Integralismo Lusitano.

O encontro decorre nas instalações do Porto (Foz) da Universidade Católica Portuguesa (auditório Carvalho Guerra).

 

Programa

10h00
Abertura
Manuel Vaz, presidente do Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa; José Rui Teixeira, diretor da Cátedra "Poesia e Transcendência"

10h30
Conferência: À esquina da vida, um ímpeto de voo [a condição neo-romântica de Guilherme de Faria]
José Carlos Seabra Pereira, Univerisdade de Coimbra

11h00
Conferência: Diálogo entrecortado entre Guilherme de Faria e Afonso Lopes Vieira
Cristina Nobre, Instituto Politécnico de Leiria

12h00
Apresentação do livro "O Livro de Guilherme de Faria I. Saudade Minha [poesias escolhidas]"
José Rui Teixeira

15h00
Conferência: A saudade, o amor e a dor em «Sombra» [1924]: aproximação à poesia de Guilherme de Faria
José Pedro Angélico

15h30
Conferência: António Nobre, Guilherme de Faria e Mário de Sá-Carneiro: teias contextuais, intertextuais e intratextuais [1890-1930]
José Rui Teixeira

16h30
Apresentação do livro "Os versos de luz por escrever. Vida e obra de Guilherme de Faria", de José Rui Teixeira
Henrique Manuel Pereira, Universidade Católica

17h00
Recital de Poesia: Henrique Manuel Pereira (Universidade Católica), Sofia Lourenço (Universidade Católica)

 

Poesia de Guilherme de Faria

Confissão

Noite… Vejo, na sombra, os astros a fulgir… –
Alma da luz, imersa em funda escuridão,
Oh noite, vem ouvir
A minha confissão!

Tu és a treva eterna e misteriosa,
E eu sou a luz jamais amanhecida:
Sombra de horror, sonâmbula e saudosa
Da luz duma outra vida.

[…]

E sendo sombra, humana escuridão,
Quero ascender em frémitos de chama,
E ser vida de eterna redenção,
Ser a bênção de amor que o sol derrama!

Ser a névoa dum sonho, a errar, longe de tudo…
Ser a voz da oração, a ânsia dum voo…
– Mas eu quero viver, quero ser tudo,
Só não quero, Senhor!, ser o que sou!

 

Exaltação

Nestas horas de apática indolência,
Cansado de viver, esqueço a vida;
Mas a minha alma vive, adormecida,
Uma vida divina de inconsciência.

Revivo, então, as horas encantadas
E as lembranças que o tempo não dilui
Mas deixa, na memória, eternizadas;
E, de absorto num outro que já fui,

Nem posso ver as coisas mais vulgares,
No seu vulgar aspecto e nitidez:
Vejo a névoa pairando pelos ares,
Que tudo em névoa e bruma se desfez.

E, altas horas da noite, quando cismo,
Longe de mim, na minha solidão,
Vejo surgir, da sombra em que me abismo,
A tua graça ideal de Aparição.

Sombra humana que sou, sombra perdida,
E que, por fim, serei inútil pó disperso,
Vejo, no teu olhar, a luz anoitecida
Na sombra do meu berço!

Mas pressinto que é falso o teu fulgor,
Que em sonhos alvorece, e empalidece enfim…
– Muito embora! – O meu sonho – o teu Amor –
Eternamente há-de viver em mim!

Quem és, Visão de há tanto aparecida
Na escura solidão, que é a minha sorte?
– És, num sonho de amor, a eterna luz da vida;
És a vida que vai, sonhando, para a morte.

 

Guilherme de Faria

 

© SNPC | 21.11.13 | Atualizado em 03.01.14

Redes sociais, e-mail, imprimir

As mais belas poesias religiosas

 

 

Artigos relacionados

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página