Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Vice-governador de Washington deixa vida política para ser jesuíta

O vice-governador do estado de Washington (costa oeste dos EUA), Cyrus Habib, de origem iraniana e invisual, surpreendeu os próximos e os afastados dele ao anunciar, no dia de S. José, 19 de março, a renúncia ao cargo e a sua nova vocação.

«Hoje anunciei que não me candidatarei à reeleição como vice-governador do estado de Washington e decidi ingressar na Companhia de Jesus», declarou o ainda membro do Partido Democrata.

A decisão foi tomada após «dois anos de discernimento cuidadoso e em oração», explicou, acrescentando: «Pelo facto de esse processo ter sido quase completamente privado, dou-me conta de que será uma grande surpresa para os meus eleitores e seguidores».

«Muitos perguntar-se-ão porque é que alguém que passou os últimos oito anos subindo a escada da carreira política, e que tem uma possibilidade não despicienda de aceder à governação no próximo ano, trocaria uma vida de autoridade por uma obediência», escreve num artigo publicado na revista "America", dos jesuítas.

Desde 2012, quando assumiu um cargo estadual, passando pela eleição para senador, em 2014, até ao cargo de vice-governador dois anos depois, Habib foi motivado pela fé, baseando a sua atuação «na doutrina social católica, que coloca os pobres, os doentes, as pessoas com deficiência, os imigrantes, os presos e todos os marginalizados no centro» da «agenda social e política».



«Soube desde a infância o que era ser excluído por ser uma criança cega de uma família iraniana, e usei o poder que os votantes me deram para avançar urgentemente para esse dia em que ninguém será deixado para trás ou de fora na nossa sociedade»



«Senti um chamamento para dedicar minha vida de maneira mais direta e pessoal a servir os marginalizados, capacitar os vulneráveis, curar aqueles que sofrem de feridas espirituais e acompanhar os que discernem os seus próprios futuros. Para mim, isto está enraizado na minha fé no Evangelho de Cristo», observa.

O futuro religioso está convicto de que «as pessoas precisam desesperadamente de apoio espiritual e de companhia»: «A partir da nossa cultura descartável, que trata os trabalhadores e o meio ambiente como descartáveis, para uma nova geração de jovens ansiosos por mudar o mundo, mas que lutam com uma ansiedade sem precedentes, alienação e outros desafios de saúde mental, até ao medo e isolamento que todos vivenciamos como resultado da coronavírus, este é um momento em que precisamos de nos enraizar na sabedoria daqueles que vieram antes, e cultivar novas formas de sabedoria».

«Neste tempo de consumismo, desconfiança e polarização, muitos americanos anseiam por um encontro com o transcendente», assinala, prevendo que a sua nova vida na Companhia de Jesus envolverá áreas como o ensino, o diálogo intercultural e inter-religioso, advocacia e acompanhamento espiritual.

Habib faz uma espécie de breve resumo da sua política, inspirada na sua história pessoal: «Soube desde a infância o que era ser excluído por ser uma criança cega de uma família iraniana, e usei o poder que os votantes me deram para avançar urgentemente para esse dia em que ninguém será deixado para trás ou de fora na nossa sociedade».

O testemunho termina com o pedido de oração para o seu «novo caminho», assegurando que será recíproco.


 

Rui Jorge Martins
Fonte: America
Imagem: Cyrus Habib | D.R.
Publicado em 23.03.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos