Vemos, ouvimos e lemos
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosLigaçõesBrevesAgenda Arquivo

Festa do Corpo de Deus

O sacramento da Eucaristia visto com outros olhos

O som desperta a memória para imagens de outros tempos, o cheiro torna-se familiar e o paladar traz recordações que hoje ajudam Manuel Lopes Dias a ver a vida de outra forma.

A vivência da Eucaristia hoje é diferente. Os sentidos estão agora mais despertos e vêem o que os olhos não conseguem mais ver, desde que aos 23 anos uma mina na Guerra do Ultramar, em Moçambique, lhe tirou a visão. Mas é com profundidade que Manuel Lopes Dias aceita o convite para celebrar o memorial do Sangue e Corpo de Cristo.

Manuel Dias não vê e por isso, é através dos sons, dos cheiros e do paladar que celebra vivamente o sacramento da Eucaristia: “Eu quase que como as palavras que ouço. Como-as e medito nelas”.

As palavras não são novas mas, afirma, “há sempre um aspecto novo”. Ao sair da Eucaristia, o vice-presidente da Associação de Deficientes das Forças Armadas gosta de guardar silêncio para meditar na celebração, e em particular na oração que Jesus ensinou aos seus discípulos: “Sinto uma vibração enorme quando se reza o «Pai-Nosso»”.

O cheiro do incenso é um convite imediato à espiritualidade: "Dá-me um ambiente espiritual de elevação, de serenidade, um apelo à interioridade”. Sem ver o turíbulo a incensar o Evangeliário, o altar ou a assembleia, Manuel Dias imagina o fumo que sobe para o alto.

Depois da consagração dos dons por parte do presidente da celebração, Manuel Dias aguarda o partir da hóstia. “Mesmo se estiver no fundo da igreja, eu ouço o padre a partir a hóstia. Ouço-o porque estou à espera disso para acompanhar a cerimónia”.

Bento 16

O comungar é para Manuel Dias a recordação mais antiga que tem. “O paladar é igual ao de sempre”.

Para o director de Liturgia do Patriarcado de Lisboa, Cón. Luís Silva, a Eucaristia é celebrada por homens concretos, com cinco sentidos, e por isso a corporeidade está presente.

“O cheiro dos incensos, a palavra, a música, a beleza dos paramentos apreciados através da visão, no fundo são os sentidos do ser humano que participam da celebração”, diz o professor da Faculdade de Teologia.

 

This text will be replaced

 

Esta reportagem do programa da Ecclesia na Antena 1, de que oferecemos um excerto, vai ser transmitida no dia do Corpo de Deus.

 

Lígia Silveira
In Agência Ecclesia
02.06.10

Imagem
Raffaello Sanzio

 

Ligações e contactos

 

Artigos relacionados
Procissão do Corpo de Deus em Lisboa (1) (2) (3) (4) [IMAGENS SLIDE SHOW]

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Subscreva

 


 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página