Observatório da Cultura
Ousamos saber

Qual o livro bíblico que escolheria e porquê?

Armando Silva Carvalho, Poeta
O Livro de Job. Por razões muito pessoais da minha vida. Sobretudo isso. Sempre que o leio, Job ajuda-me a encontrar uma possibilidade de resistir.

Assunção Cristas, Professora Universitária
Escolheria o Livro dos Salmos, porque é poesia na Bíblia, na Revelação, e eu gosto disso. Porque está ligada à oração de Jesus e permite-nos partilhar a oração que foi a Dele.

Carlos Pontes Leça, Consultor do Serviço de Música da Fundação Gulbenkian
Escolho o Evangelho de João, porque é nele que eu encontro de uma forma «incrível» a expressão da intimidade que existe entre Cristo e o Pai. Bastavam esses capítulos 13 a 17, onde tudo é dito por Jesus aos seus discípulos. Não podemos aspirar a mais!

Francisco Sarsfield Cabral, Director de Informação da Rádio Renascença
Escolho o Livro de Job. Trata do mistério que é talvez o maior, o mistério do mal, e trata-o de uma forma muito contrária a essa lógica tão fácil que é a culpabilização do sujeito sofrente. E isso é fascinante.

Ilda David', Pintora
Inclino-me para o Livro do Êxodo. É um livro muito bonito e tocante. A Páscoa, a Travessia do Mar, os Milagres no deserto, a água a brotar do rochedo… E tem uma actualidade enorme. Aqueles personagens podiam ser pessoas de hoje, nas suas migrações interiores e exteriores, na necessidade de começar tudo de novo.

Isabel Stilwell, Jornalista e Escritora
O Evangelho segundo S. Lucas. É o meu favorito, por razões muito infantis. S.Lucas descreve a anunciação e o nascimento de Jesus de uma maneira muito simples e comovente. Gosto da manjedoura e dos pastores, os marginais de então, mas os escolhidos para serem os primeiros a ouvir a Boa Nova. S. Lucas dá «notícias», é um bom jornalista, gosto da maneira como vê o mundo. Pronto, é só isso o comentário de alguém demasiado ignorante para merecer que lhe peçam para comentar a Bíblia.

Jaime Bacharel, Cantor
O Evangelho de São Lucas, por que é o que me fala mais proximamente de Jesus, a razão fundamental que me liga à Bíblia.

João Paulo Sacadura, Jornalista
O meu preferido? O Génesis, claro. Porque é um hino ao criar, às raízes. E o Apocalipse, porque é a revelação de um segredo a alguém que se ama. E os Evangelhos, todos, porque são a biografia inspirada de uma vida inspiradora. E o Êxodo, porque conta a epopeia de um povo. E o dos Reis, com Salomão e contos de reis e rainhas. E o de Jonas, porque gosto de aventuras. E o Cânticos dos Cânticos, porque gosto de romances. E os Salmos, porque gosto de cantar. E as Cartas, porque também gosto de escrever aos amigos. Céus! O meu livro preferido… é a Bíblia!

João Queirós, Pintor
O Evangelho de João. Aparentemente é aquele que mais se afasta da história, e é o que tem uma maior carga filosófica e hermenêutica. Para mim é o mais sugestivo.

Joaquim Carreira das Neves, Biblista
O Livro de Job. Trata-se de um conto acerca dum personagem que nem é judeu. Pertence a uma tradição sapiencial universal e coloca um tema capital: o sofrimento humano donde vem e porquê?

Jorge Sousa Braga, Poeta
O Cântico dos Cânticos. Este poema mistura o amor natural e o amor divino de uma maneira incomparável. Consegue dar esse difícil salto. E tem talvez o mais belo verso que conheço: «o amor é forte como a morte».

Jorge Wemans, Director da RTP 2
O Evangelho de Lucas, por que é eventualmente aquele que nos aproxima mais de um Jesus histórico… Não de um ponto de vista historiográfico apenas, mas na perspectiva da relação, da arte do encontro…

José Agostinho Baptista, Poeta
O Cântico dos Cânticos. Porque é, talvez, o mais belo poema do mundo. Porque está em mim e eu estou nele. Porque caminhamos quase lado a lado, pelas sendas de Deus e do coração. Porque é o espelho do homem.

José Ornelas de Carvalho, Biblista, Superior Geral dos Dehonianos
Escolho o Evangelho de Marcos. Na sua simplicidade é o Evangelho mais cru e directo, não só quando o compara-mos com outros textos bíblicos, mas também para o ho-mem de hoje. Marcos aborda o problema do drama huma-no, das escolhas claras que é preciso fazer. Constrói a den-sidade do humano sondando a presença de Deus no mundo.

Luís Miguel Dias, Blogue “www.amontanhamagica.
blogspot.com”

O Evangelho de Mateus, porque na santidade viu o homem, e no homem viu o Homem.

Manuel Maria Barreiros, Tradutor
O Livro de Job. Por tantas, tantas razões, que se prendem com leituras importantes que fiz (Simone Weil, Flannery O'Connor…). Job é um livro de luta e de proximidade com tudo o que nos toca: o vazio, o frio…

Manuel Rosa, Editor
Diria o Apocalipse, pois foi o primeiro texto bíblico que li, numa edição da Afrodite/Ribeiro de Mello. Foi a primeira vez que li a Bíblia. Tinha já vinte anos.

Marinho Antunes, Sociólogo
O Apocalipse. É um livro que me deixa fascinado. Obriga-me a ver que a Palavra de Deus não é a minha nem a nossa Palavra. Deixa-me sempre surpreendido. Faz-me buscar. E isso é fascinante.

Martim Avillez Figueiredo, Gestor
A Carta de São Paulo aos Coríntios. A razão é simples: fala do amor como ele se vive quando se vive intensamente. E não é um amor qualquer - é um amor que enche quem se deixa encher pelos outros. Deus ensina que o amor é tudo - e quem ama na terra sabe bem que isso é verdade. A carta de São Paulo, por isso tudo, é o testemunho mais fiel do que se pode encontrar em Deus - uma energia única, luminosa, que convida a amar com a intensidade de quem sabe que todo o conhecimento do mundo vale pouco ao lado do amor verdadeiro. Sem amor, nada se suporta. Quem ama, suporta tudo.

Nuno Crato, Matemático
Infelizmente, conheço mal a Bíblia. Não me orgulho dessa ignorância, mas não seria honesto escondê-la. Respon-derei pois à pergunta: "Do pouco que conheço, qual o livro que escolho para ler primeiro com atenção?" Escolho, sem dúvida, o Génesis, pois é um dos textos que mais marca-ram a nossa cultura e que mais reflectem as origens da nossa civilização.

Pedro Proença, Pintor
O Livro de Tobias. Gosto imenso da história deste livro, que talvez nem seja muito teológico, mas está muito perto do fantástico.

Teodoro Medeiros, Biblista
Destaco São Lucas. Pela doçura e beleza do Cristo lucano. Pela face misericordiosa de Jesus que ali transparece. É um Cristo menos polémico, mas que convida talvez mais à reflexão.

 

© SNPC - 25.03.2008

 

 

Topo | Voltar | Enviar | Imprimir

 

 

barra rodapé

Imagem
Le Grand Silence
Irmão Marc, Taizé






















































































Imagem
Mon âme se repouse en paix
sur Dieu seul, de lui vient mon salut
Irmão Marc, Taizé
Edição mais recente do ObservatórioOutras edições do Observatório
Edição recente do Prémio de Cultura Padre Manuel AntunesOutras edições do Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes
Quem somos
Página de entrada