Observatório da Cultura
Preparando o Sínodo dos Bispos

Um biblista responde

Armindo dos Santos Vaz, Professor de Escritura na Faculdade de Teologia e Presidente da Associação dos Biblistas portugueses, aborda algumas das proposições dos “Lineamenta”.


Entre Bíblia e Tradição mantém-se uma correcta relação no estudo exegético-teológico e nos encontros com o Livro Sagrado?

A relação entre Bíblia e Tradição da Igreja é um dado de facto, quase exigido para se entender, quer uma, quer a outra. Toda a Bíblia nasce da Tradição precedente e consigna por escrito uma tradição dinâmica e progressiva, onde se podem distinguir diversas correntes. A Escritura é fruto da elaboração da Tradição e até o seu momento privilegiado; a Tradição continua mesmo depois da Escritura e esta constitui o primeiro critério de validade para julgar o sucessivo desenvolvimento da Tradição. Pode-se dizer que a própria Tradição da Igreja foi matriz das suas Sagradas Escrituras, ao reconhecer nelas a sua narrativa fundadora, a sua fé e a sua regra de vida (1). A Tradição até teve grande peso para determinar que livros deveriam ser aceites como canónicos/bíblicos: foi a sua ampla recepção durante um longo período no judaísmo ou no cristianismo - e não um decreto formal - que teve como resultado a sua inclusão definitiva no cânone. O cânone da Escritura está profundamente enraizado na Tradição. Reconhecer a autoridade do cânone bíblico é reconhecer a autoridade da Tradição. O cânone bíblico é uma expressão da Grande Tradição da Igreja.

Aprofundando essa relação, constatamos que a Tradição da Igreja é anterior à Escritura do Novo Testamento, situando-se, por outro lado, em linha de continuidade com o “Antigo Testamento/aliança” divino-humano testemunhado em Escritura, referência autorizada para a fé e para a vida da comunidade cristã, pois o próprio Jesus se referia com grande respeito a livros desse conjunto: “como diz a Escritura”.

Aliás, foi o recurso às “Escrituras” do Antigo Testamento, recebidas na Tradição apostólica, que facilitou aos discípulos de Jesus a compreensão do seu mistério, da sua morte e ressurreição. De facto, a apresentação da sua vida - oral e, depois, escrita - por parte da Tradição da Igreja era feita interpretando as Escrituras: “a tradição que vos fiz chegar em primeiro lugar… foi que Cristo morreu pelos nossos pecados de acordo com as Escrituras, e que foi sepultado e ao terceiro dia ressuscitou para a vida de acordo com as Escrituras” (1Cor 15,3-4). Por outro lado, só a fé e a Tradição da Igreja em Jesus ressuscitado como Cristo lhe permitiram receber e reconhecer essa miscelânea de textos como Sagrada Escritura para ela.

A esta ideia de recorte católico até os protestantes prestam hoje maior atenção, num esforço de mútua aproximação, num toque de ecumenismo. Os estudos histórico-críticos da exegese moderna puseram em relevo que os livros do cânone são produto de uma Tradição anterior, deitando por terra a distinção nítida entre Escritura e Tradição; mostram que a Escritura e a Tradição não eram categorias separadas mas realidades imbricadas uma na outra e indissociáveis entre si.

Até seria apropriado falar de tradição escrita e de tradição não escrita, pois ambas são, afinal, duas formas de transmitir a Revelação divina. Especialmente no caso do Novo Testamento, os primeiros cristãos conseguiram transmitir e ensinar a boa nova de Jesus sem Escrituras cristãs oficiais, diferentes das dos judeus, e só gradual-mente consignaram por escrito a sua literatura distintiva. Esta realidade apoia a posição católica de que a fé cristã não está totalmente contida na Escritura: existiu antes e paralelamente à Escritura que a transmitiu. É o problema hermenêutico de saber se a Escritura se pode interpretar a si própria ou se a sua interpretação requer o complemento de um princípio externo, a Tradição. Consequentemente, o estudo recente do cânone tem sido percebido por muitos teólogos como tendente a minar o princípio da sola Scriptura da ortodoxia protestante.
No séc. III a Igreja acreditava ter recebido não só a Bíblia dos judeus e o Novo Testamento da Tradição apostólica, mas também uma forma de «ler» que desvelava o mistério de ambos: do Antigo e do Novo Testamento. Os bispos não eram as únicas pessoas a transmitir esta segunda «leitura» de geração em geração. Mas eram os garantes de que tinha sido transmitida a correcta forma de «ler».

Foi nessa forma de «ler» que o cristianismo se auto-definiu, nos fins do séc. II, pelos desafios fundamentais que lhe foram postos pelo gnosticismo (que produziu grande profusão de escritos pretensamente inspirados que intentavam ampliar o âmbito das Escrituras Sagradas), bem como por Marcião e Taciano (que pretendiam reduzir a colecção de livros pouco a pouco formada pela Tradição das Igrejas).

O paradoxo da história e das relações entre Escritura e Tradição da Igreja vê-se neste virtuoso círculo hermenêutico: a soberania da Igreja é que define quais os livros que constituem o cânone das Escrituras inspiradas; todavia, o múnus de ensinar da Igreja não está por cima da Palavra de Deus e recorre à própria Escritura, não só como guia decisiva para se demarcar de livros que deveriam ficar fora do cânone, mas também para orientar a sua fé e a sua vida. Escritura e Tradição unem-se efectivamente no Espírito de Deus, implicado em ambas: inspira uma e transporta a força da outra no passado para o presente.

Precisamente porque a Tradição é, não uma realidade estática, petrificada, só do passado, nem um depósito estático, mas uma realidade viva e dinâmica, novas interpretações de textos bíblicos não deveriam causar receio de falta de respeito pela Tradição. A Tradição, ao mesmo tempo que é recebida do passado, continua a ser construída no presente: obriga-nos a repensar de novo para o presente o que nos transmitiram do passado as fontes de conhecimento da Revelação de Deus. É natural que seja no campo da exegese bíblica que se tornem mais visíveis as inovações, porque foi ela que mudou bastante e contribuiu para a mudança noutras áreas da Teologia. Mas a Bíblia dá-nos o exemplo de como fazer Tradição/transmissão da fé: é continuar a pensar Deus sempre de novo, em cada circunstância histórica; é a fidelidade ao melhor passado, com criatividade para explorá-lo e fazê-lo progredir no presente; é fidelidade criativa.

 

A Palavra de Deus é a alma do trabalho exegético e teológico?

O trabalho exegético não está em tensão com critérios teológicos e dogmáticos, nem está propriamente limitado por eles. Sente-se em estreito e constante diálogo com eles. A exegese, mais do que ser autónoma, tem a função de interpretar os textos que são testemunhos da revelação divina. E mais do que ser prévia à reflexão teológico-sistemática, toca-lhe trabalhar em diálogo com ela. É realizada em comunhão com a Igreja, sem esquecer que Igreja e Escritura como Palavra de Deus não são duas realidades justapostas ou subordinadas mas interactivas. Aliás, não deveria existir um antes e um depois entre exegese científica e teologia, ultrapassando a situação de uma exegese à margem da teologia que se praticou desde a época clássica.

Aprovado e recomendado pelo magistério eclesial, o trabalho exegético exclui tanto a compreensão ingenuamente fundamentalista como a compreensão dogmática da Bíblia. O teólogo não recorre à Escritura simplesmente para justificar ou confirmar o ensino do magistério, como acontecia na teologia católica até pouco antes do Vaticano II. É antes a nossa leitura da Escritura a que nos leva a uma reinterpretação dos enunciados dogmáticos. “A palavra de Deus exprimiu-se na obra de autores humanos. Pensamento e palavras são ao mesmo tempo de Deus e do homem… Não se segue, todavia, que Deus tenha dado valor absoluto ao condicionamento histórico da sua mensagem” (2).

 

Respeita-se adequadamente a sua natureza de Palavra revelada?

Porque o texto bíblico inspirado goza de todas as características literárias de qualquer texto humano e os seus autores se comportam como qualquer outro - como “verdadeiros autores” (3) -, o exegeta, tomando a sério o carácter humano da Bíblia, com todas as suas riquezas e condicionantes literárias, interpreta-a com os mesmos métodos literários, diacrónicos e sincrónicos, o mais científicos possível, que hoje estão ao serviço da análise de qualquer outro livro e, nos seus aspectos técnicos, são partilhados por outras disciplinas. Nem se exclui o recurso a ciências auxiliares (4). Mas esse trabalho hermenêutico não põe minimamente em causa a natureza de Palavra revelada própria da Bíblia.

 

Uma pré-compreensão de fé anima e apoia a pesquisa científica?

Para realizar a tarefa da exegese, não pomos provisoriamente a fé entre parêntesis: a própria fé requer atenção aos factos sobre os quais está fundada e requer um fundamentado contacto com os textos inspirados que são a sua norma suprema.

As aulas de Sagrada Escritura são um lugar privilegiado para fazer a articulação da Tradição cristã entre o ontem e o hoje, para ela ser vivida e elaborada hoje, na linguagem da Igreja e dos jovens de hoje. Assim os jovens alunos são colocados em relação explícita com a Tradição da Igreja. Em tudo isto, exorta-nos S. Paulo a exercer os ministérios eclesiais “até chegarmos todos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, à idade adulta, à maturidade da estatura de Cristo na sua plenitude. Assim já não seremos crianças, andando à deriva e levados ao sabor de qualquer vento de doutrina, à mercê da malícia humana e da astúcia que habilmente leva ao erro. Sendo, ao invés, autênticos no amor, crescemos em todos os aspectos em direcção Àquele que é a cabeça, Cristo” (Ef 4,13-15).

 

Qual é a metodologia habitual de aproximação ao texto bíblico?

É a metodologia recomendada por Pio XII na «Divino afflante Spiritu», pela «Dei Verbum» em geral, especialmente pelo nº 12, e pelos dois grandes documentos da Comissão Bíblica Pontifícia, «A interpretação da Bíblia na Igreja» e «O povo hebraico e as suas Sagradas Escrituras na Bíblia cristã». As interpretações, eventualmente inovadoras, de textos bíblicos não se desviam da metodologia indicada pelo magistério nem contrariam a Tradição teológica e eclesial. Tornam-se base para uma nova reflexão sobre alguns temas teológicos. Nem os avanços da exegese fazem perder ou falseiam o dom da fé; só a purificam de fundamentalismos prejudiciais para ela.


(1) Cf. PAULO VI, Discurso aos membros da Comissão Bíblica Pontifícia, a 14.3.1974: AAS 66 (1974) 235-239.

(2) A interpretação da Bíblia na Igreja, III, D, 2.

(3) Dei Verbum, 11.

(4) Cf. LEÃO XIII, Providentissimus Deus: EB 109; PIO XII, Divino afflante Spiritu, 15; e a alocução de JOÃO PAULO II para a publicação do documento “A interpretação da Bíblia na Igreja”.

P. Armindo Vaz

Professor da Faculdade de Teologia, UCP

25.03.3008

 

 

Topo | Voltar | Enviar | Imprimir

 

 

barra rodapé

Imagem
Ubi caritas et amor Deus ibi est
Irmão Marc, Taizé


















































































































































































Imagem
De nuit: Dans nos obscurités,
allume le feu qui ne s'éteint jamais
Irmão Marc, Taizé
Edição mais recente do ObservatórioOutras edições do Observatório
Edição recente do Prémio de Cultura Padre Manuel AntunesOutras edições do Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes
Quem somos
Página de entrada