Projecto cultural
Evangelização e cultura

Uma definição de Inculturação

Inculturação é uma palavra relativamente recente e talvez difícil; mas a verdade é que já se impões no vocabulário teológico e refere-se a uma realidade bem comum e sempre vivida na história da Igreja: a relação da fé com a(s) cultura(s), num diálogo de enriquecimento recíproco – razão pela qual a Igreja, na sua missão ad gentes, há-de receber das culturas tudo o que concorra para a edificação da vida cristã, mas tratará também de propor o Evangelho como factor purificador de toda e qualquer cultura. Estamos, assim, diante de uma «troca nos dois sentidos, do Evangelho relativamente à cultura e da cultura para o Evangelho» (P. Chanson, Inculturation, in Dictionnaire Oecuménique de Missiologie).

Para falar desta realidade do diálogo da fé com as culturas, do ‘como’ da evangelização, já se propuseram e usaram muitos termos, a maior parte dos quais levaram consigo imprecisões que necessitaram de ser clarificadas, porque a essa ambiguidade dos termos correspondiam exactamente práticas pastorais realmente diferentes, correndo-se o risco de voltar a erros passados da evangelização.

Oficialmente, o termo ‘inculturação’ aparece pela primeira vez no Sínodo dos Bispos de 1977, depois de intervenções marcantes do cardeal Sin (de Manila) e do padre Arrupe, afirmando que ela é o enraizamento do evangelho nas culturas humanas. O P. Arrupe advertia, já nessa altura, para possíveis incompreensões do termo e, por isso, clarificou-o: a inculturação não é simples adaptação catequética nem condescendência ou estratégia para mostrar um cristianismo mais atraente, nem é folclore, nem etnocentrismo do Ocidente. Posteriormente, também o papa João Paulo II usou o termo.

Jamais de deveria confundir inculturação com outros vocábulos claramente do âmbito das ciências sociais, como por exemplo ‘enculturação’ (que significa a introdução de alguém á sua própria cultura, a maior parte das vezes por uma natural assimilação) ou ‘aculturação’ (processo de transformações provocado pelo choque de várias culturas em presença. Para definir inculturação, poderíamos citar o P. Arrupe num texto bem clássico e talvez um dos mais rigorosos e completos: «significa incarnação da vida e mensagem cristã numa área cultural concreta, de tal modo que esta experiência não só chegue a expressar-se com os elementos próprios da cultura em questão (o que seria só uma adaptação superficial), mas que se converta num princípio inspirador, normativo e unificante, que transforma e recria esta cultura, dando origem a uma nova criação” (P. Arrupe, Lettera del P. Arrupe sull’inculturazione, 14.05.1978, in Inculturazione).

Claro que, nesta definição, o conceito de inculturação adopta preferentemente a noção de ‘cultura’ das ciências sociais, isto é, o modo concreto de viver de um povo, o qual abrange de forma integrada os seus valores, seus usos e costumes, suas crenças, suas instituições, etc., e permite assim identificá-lo e distingui-lo de outros. Contudo, a noção humanista-civilizacional de cultura (o conjunto dos saberes, o desenvolvimento das artes, das letras, dos espíritos) não pode nunca ser esquecido: desde que se elimine o risco de elitismo, a cultura pode e deve ser buscada como factor de auto-transcendência e humanização de todo o homem e de todos os grupos humanos. E o Evangelho de Cristo, que respeita todas as culturas, há-de contribuir para o enriquecimento da cultura. A este respeito, vale a pena lembrar uma das muitas e belas afirmações de João Paulo II, no seu discurso à Unesco (Paris, 02.06.1980): «a cultura é um modo específico do ‘existir’ e do ‘ser’ do homem. O homem vive sempre segundo uma cultura (…) Na unidade da cultura, qual modo próprio da existência humana, se enraíza ao mesmo tempo a pluralidade das culturas…»; por outro lado, «o homem é o único sujeito ôntico da cultura, é também o seu único objecto e o seu fim. A cultura é aquilo pelo qual o homem, enquanto homem, é mais homem, ‘é’ mais, acede mais ao ‘ser’».

José Nunes, op

in "Teologia da Missão - Notas e Perspectivas", Obras Missionárias Pontifícias, 2008

25.03.2008

 

 

Topo | Voltar | Enviar | Imprimir

 

 

barra rodapé

Foto
Igreja de São Paulo, Macau
© Michel Setboun/Corbis
Edição mais recente do ObservatórioOutras edições do Observatório
Edição recente do Prémio de Cultura Padre Manuel AntunesOutras edições do Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes
Quem somos
Página de entrada