Vemos, ouvimos e lemos
Quando o fado é oração

Entrevista com o compositor do grupo «In Nomine»

Aos terceiros domingos de cada mês, a Missa das 18h30 na Basílica dos Mártires, em Lisboa, é rezada pelo fado.

«In Nomine» é o grupo que há 12 anos soleniza pelo canto estas celebrações. Dele fazem parte Filipa Galvão Teles, Manuela Teles da Gama, António Moreira da Silva (voz), Bernardo Albuquerque Couto (guitarra portuguesa) e José Almiro Nunes (viola baixo).

Estivemos à conversa com José Campos e Sousa, que além da voz e da viola, é também compositor dos cânticos.

 

Há quanto tempo começou este projecto?

Fizemos a nossa primeira Missa na Igreja do Sacramento em 20 de Maio de 1995. Já tínhamos cantado noutras celebrações, mas aquela é que oficialmente marca o início desta caminhada, que é muito grande.
Há 12 anos que tocamos nesta Missa, sem grandes apoios da instituição – nada contra mas com muito pouco a favor. Mas lá vamos andando, graças ao apoio do Senhor Cónego [Armando Duarte] e, antes dele, do Senhor Padre Manuel Gonçalves Pedro. Foram as duas grandes figuras que nos apoiaram, senão não teria sido possível continuarmos.

 

Como é que surgiu a ideia de solenizar as celebrações através do fado?

Houve uma altura em que na Missa se cantavam coisas de autores estrangeiros – Joan Baez, Bob Dylan, Donovan – que às vezes, nas músicas originais, não tinham nada a ver com a religião católica, e até faziam apologia de coisas que não tinham a ver com a maneira de ser católico. Mas a música era bonita, ficava no ouvido, e depois as pessoas adaptavam uma letra. Isso sempre me irritou um bocado. Então pensei: «Eu sou compositor; porque é que eu estou a criticar e não faço qualquer coisa?». Eu já tinha uma Ave Maria musicada e um Credo. Então a Manuela Teles da Gama perguntou-me: «Porque é que não continuas a compor uma Missa em fado?». E foi assim, fruto de uma conversa e da conclusão a que cheguei que era preciso fazer qualquer coisa. Em 1994 compus a Missa toda e em 1995 foi o “julgamento”.

 

Uma vez por mês: é muito, é suficiente, devia ser mais?

O que nós gostávamos era de cantar em todo o lado. Já não é nada mau estarmos a cantar na Igreja do Sacramento, e agora aqui, por empréstimo, na Basílica dos Mártires, enquanto a Igreja do Sacramento não está em condições de ter gente lá dentro. É pouco mas sabe bem; mas seria melhor se fossem mais vezes e em vários sítios.

 

Que espiritualidade é que o fado pode conceder à liturgia e à oração?

A oração não precisa de espiritualidade nenhuma. Mas embora não precisando, é sempre mais uma florzinha. O facto de estar a cantar uma oração é fantástico. Eu não sabia o Credo até à altura em que o musiquei. Não era capaz de decorar o Credo. Só sabia que era uma oração que demorava 4 minutos e achava que era uma eternidade. Perdia-me no meio – só mesmo lendo.
Eu apanhei o verdadeiro sentido da oração através daquilo que fiz, que foi musicá-las. Todas elas passaram a significar para mim uma coisa completamente diferente. Eu não conseguia chegar ao seu sentido a não ser pela música.
Acho que pela música, nestes 12 anos de canto, nós já trouxemos algumas pessoas a perceber e a cantarolar as orações, que normalmente não se dizem na rua. Se calhar alguém vai entoar “Pai Todo-Poderoso…”; não ofende ninguém e fica na cabeça.
A Igreja e a liturgia vivem há milhares de anos e não precisam do fado. A música sempre fez parte da Igreja. Nós estamos em Portugal e o fado é uma contribuição, e não mais do que isso; não vai resolver problema nenhum. A Igreja não precisa disto para nada, a Igreja vive de si própria. Nós somos unicamente uma ajuda que damos de boa vontade e de boa fé, e nada mais do que isso.

 

Veja também:

- Entrevista ao Cón. Armando Duarte, pároco da Basílica dos Mártires.
- Imagens da celebração e som do cântico de entrada.

rm

© SNPC

 

 

Topo | Voltar | Enviar | Imprimir

 

 

barra rodapé

Guitarra
Edição mais recente do ObservatórioOutras edições do Observatório
Edição recente do Prémio de Cultura Padre Manuel AntunesOutras edições do Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes
Quem somos
Página de entrada