Vemos, ouvimos e lemos
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Música

Henryk Mikolaj Górecki: Maria e João Paulo II, resistência e catolicismo na obra de um compositor polaco

No dia 12 de novembro de 2012 ocorre o segundo aniversário do falecimento do compositor polaco Henryk Mikołaj Górecki. Só conheceu uma ampla divulgação na Europa ocidental, e nos EUA, quando se começaram a divulgar as gravações da 3ª Sinfonia – talvez a sua obra mais celebrada. Os conhecedores das vanguardas polacas sabiam da importância da sua música, mas, para o grande público, apenas os nomes de Lutosławski e Penderecki tinham ultrapassado as fronteiras da Polónia. Para este desconhecimento contribuíram os fatores de isolamento cultural favorecido pelas políticas de sovietização e o seu próprio temperamento, pouco dado a viagens para fora da sua cidade de residência, Katowice, no sul da Polónia.

O estrondoso sucesso da sua 3ª Sinfonia, evocando a memória do «holocausto», na 2ª Guerra Mundial, despertou os públicos para as obras de um período anterior, marcado pelos recursos idiomáticos da música contemporânea pós-serial. Mas a 3ª Sinfonia pertencia já a um período de criação que tomava corpo num vocabulário que revalorizava quer diferentes itinerários tradicionais na música polaca, quer as arquiteturas musicais próprias da liturgia católica romana – mesmo se na vizinhança da criação musical ortodoxa, particularmente ativa na tradição monástica. Deste período, faz parte, assim, uma afirmação esteticamente mais explícita da ritualidade litúrgica católico-romana.

É necessário não perder de vista que, durante o período de sovietização da Polónia, o catolicismo foi uma bolsa de resistência ativa e um dos principais substratos culturais que permitiram o transporte da memória da identidade polaca. A eleição, em 1978, de Karol Józef Wojtyła, o papa João Paulo II, para a cátedra romana, fortaleceu um certo messianismo polaco, favorecendo a conceção de que a nação polaca tinha um papel específico na reconstrução, entre o Atlântico e os Urais, de uma nova consciência europeia firmada na memória cristã. O papa João Paulo II transportava no seu próprio corpo todos os grandes dramas do século XX europeu. Nisso, não se distinguia, da própria história contemporânea da Polónia.

Este contexto é muito importante para perceber a obra que selecionei para este apontamento,"Totus tuus" (1987). Esta obra coral foi escrita para celebrar a terceira visita do papa polaco ao seu país natal, retomando um fragmento da espiritualidade mariana polaca, que o próprio João Paulo II tinha tomado para lema do seu pontificado: "Totus tuus sum, Maria" («Sou todo teu, Maria, mãe do nosso Redentor, virgem de Deus, virgem santa, mãe do salvador do mundo»). A obra retoma uma linguagem coral já antes explorada em "Euntes ibant et lebant (1972), "Amen" (1975), "Beatus vir" (1979) – uma encomenda do próprio cardeal Karol Wojtyła –, "Miserere" (1981), entre outras.

Trata-se uma linguagem que alguns críticos aproximaram da chamada «nova simplicidade» que se descobria nos compositores que saíam do desconhecimento a que os votaram os muros políticos que separavam o Leste e Oeste europeus. "Totus tuus" desenvolve-se a partir da dicção lenta, reiterativa e contemplativa da palavra orante, em tríades harmónicas que recusam qualquer ornamentação. Rigorosamente homofónica, transparente e vertical, a obra apresenta-se, no seu hieratismo, como uma expressão mística de fé, declinada na irredutibilidade própria da linguagem musical.

 

 

 

 

 

Alfredo Teixeira
In Grupo Vocal Discantus
© SNPC | 12.11.12

Redes sociais, e-mail, imprimir

Foto
Henryk Górecki





























Citação

 

Ligações e contactos

 

Artigos relacionados

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Subscreva

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página

 

 

 

2012: Nuno Teotónio Pereira. Conheça os distinguidos das edições anteriores.
Leia a última edição do Observatório da Cultura e os números anteriores.