Pastoral da Cultura em movimento
Exposição de Ilda David' sobre São Paulo

A beleza da glória de Deus na criação

Celebramos hoje a conversão de S. Paulo,
figura ímpar do cristianismo, Apóstolo dos gentios,
anunciador incansável da fé, da esperança e da caridade.

Ao abrir os horizontes da fé,
no diálogo com a cultura do seu tempo
(recordamos as passagens na sinagoga judaica,
no areópago grego ou no fórum romano),
Paulo revolucionou o mundo ao pregar com ardor e paixão o hino da caridade,
da liberdade dos filhos de Deus.
Para Paulo, artífice da palavra,
Deus «não habita em santuários construídos pela mão do homem […]
não devemos pensar que a Divindade seja semelhante ao ouro,
à prata ou à pedra, trabalhados pela arte e engenho do homem» (Act 17, 24.29).

Deus ao habitar na história humana suscita a conversão,
abertura de coração,
o desinstalarmo-nos para ir ao encontro do rosto do Outro,
do próximo na sua indigência.
Como diz Urs von Balthasar a «palavra de Deus suscita a resposta do homem,
tornando-se ela própria o amor que responde
e que deixa ao mundo a iniciativa» de representar algo em tons humanos.

Homem apaixonado por Cristo,
«espírito ao contrário», um «vulcão»,
«umas das personagens mais fascinantes da Bíblia»,
segundo as palavras da pintora Ilda David’,
Paulo revela-nos o esplendor da glória de Deus,
na revelação suprema da cruz de Cristo,
beleza que salva o mundo, por um acto de amor total, gratuito,
num «excesso de dom» (João Duque).

Se Paulo nos legou a palavra de Deus na sua verdade,
hoje inauguramos uma nova gramática do olhar
que une a visão à Palavra que nos convoca
para «escuta atenta do ser», no «Dasein» da nossa história (Heiddeger).

João Paulo II na Carta aos Artistas dizia:
«Vivendo e agindo é que o homem estabelece a sua relação com o ser,
a verdade e o bem.
O artista vive numa relação peculiar com a beleza.
Pode-se dizer, com profunda verdade,
que a beleza é a vocação a que o Criador o chamou com o dom do talento artístico».
É a Palavra, na sua máxima densidade e relação imagética,
que nos compromete com o ver,
desvela o sentido do olhar face à imagem,
e nos leva a desprender dos nossos ângulos e perspectivas,
para entrarmos na textura visual (relação texto-imagem),
na dinâmica silenciosa e inquiridora da palavra e na glória infinita de Deus.
Vislumbramos nessa visão uma revelação,
uma poesis,
um conteúdo que nos transforma,
tal como foi a intensa luz que invadiu os olhos de Paulo,
para daí em diante deixar de se ver a si mesmo
para ver apaixonadamente com olhos de Deus, pelas mãos de Ananias.

Neste desejo de alcançar o ser da eternidade
numa bela liturgia coloquial entre Deus e o Homem,
a Igreja desde sempre valorizou a arte humana
na sua relação com a contemplação do esplendor do mistério pascal de Cristo
(alguns exemplos:
a arte paleocristã com os belos frescos a representar as diversas cenas bíblicas,
a arte renascentista,
a talha barroca,
as formas de arte contemporânea que procuram recuperar os espaços,
os silêncios inquiridores das palavras até à exaustão das suas possibilidades,
apelando para uma memória que convoque a presença urgente de um rosto,
do amor infinito de Deus na vida humana).
Como escreve o papa Bento XVI
na exortação Sacramentum Caritatis (o Sacramento da Caridade)
«a beleza não é uma simples harmonia de formas;
“o mais belo dos filhos do homem» (Sl 45[44], 3)
misteriosamente é também um individuo sem distinção nem beleza
que atraia o nosso olhar” (Is 53, 2).

Curioso é que essa atracção do olhar revela-nos o amor cruciforme
que transfigura a morte pela luz suave e radiante da ressurreição.
A propósito desta epifania
permiti que cite Duarte Melo acerca da pintura de Ilda David’:
tem um modo próprio de interrogar e de avizinhar-se à beleza:
identifica uma epifania, uma página,
um assombro e estabelece com eles um pacto,
como quem escolhe uma morada.
A sua obra tem o vislumbre e o segredo de uma poética»
que nos arrebata e nos atrai para a verdadeira vocação: amar.

«Se queremos aprender a amar
temos de fazer o que faríamos se quiséssemos aprender qualquer arte,
como a música, a pintura, arte da medicina ou engenharia» (Erich Fromm).
O valor universal da arte humaniza as relações humanas,
torna-nos próximos na descoberta de uma nova evangelização
que coloque em diálogo o património artístico religioso
e as diversas culturas existentes e emergentes.
Assim, a beleza artística,
presença do Espírito de Deus no humano,
é um «convite a buscar o rosto de Deus
que se tornou visível em Jesus de Nazaré” (João Paulo II, Ecclesia in Europa, 60).

A arte, na sua autonomia e criatividade fecunda,
(re)liga-nos poeticamente à beleza da criação,
por linhas e formas que nos apontam o sentido Outro da vida.
Na acção litúrgica, na relação com a Palavra divina,
a beleza não decora simplesmente mas transcende-nos para uma graça sacramental,
onde Deus se manifesta e nos torna participantes da sua epifania,
do seu vislumbre e do seu «resplendor extraordinário» (Teixeira de Pascoaes).
Recorrendo ao tempo,
verificamos que o Homem procurou desde sempre através da arte exprimir o belo,
a transcendência,
o toque do dedo de Deus na vida humana
e a nossa participação dessa divindade,
presente, por exemplo, na imponência da pintura de Miguel Ângelo na Capela Sistina.

Nesta tentativa de revelar o indizível,
por meio de cores, traços e linhas,
aproximamo-nos da densidade Kenótica do amor de Deus,
do mistério inefável e indizível de Cristo,
que só a simbólica operante faz resplandecer a beleza do rosto misericordioso de Deus.
Como diz João Paulo II na Carta já citada:
«A verdade é que o cristianismo,
em virtude do dogma central da encarnação do Verbo de Deus,
oferece ao artista um horizonte particularmente rico de motivos de inspiração.

Que grande empobrecimento seria para a arte
o abandono desse manancial inexaurível que é o Evangelho!»,
e eu digo, das Cartas autênticas de Paulo.

Cristo é manifestação dessa beleza,
porque é revelação de um Deus amor,
faz com que ela atinja o seu máximo esplendor na cruz do ressuscitado,
pois «beleza que salva o mundo é amor o cruciforme» de Cristo (D. Manuel Clemente),
ou ainda como diz o Cardeal Maria Martini parafraseando Dostoïvski:
«A beleza que salva o mundo é o amor que partilha a dor»,
presente na imagem cruciforme (na cruz) de Cristo ressuscitado,
nossa esperança e esperança da humanidade,
revelação de um Deus solidário com a sua criação.

Agradeço a Ilda David’,
em nome da Arquidiocese de Braga, e do Seminário em particular,
a magnífica exposição de pintura com que nos privilegia.
Estou certo de que,
do ponto de vista da pastoral vocacional,
da cultura e da evangelização,
os frutos serão imensos,
de modo a intuirmos a visão da glória de Deus para a humanidade
nas Cartas de Paulo
e a assumirmos a nossa vocação ao serviço do amor.

 

Artigo relacionado:

Arquidiocese de Braga apresenta pinturas inéditas de Ilda David' sobre Cartas de São Paulo

D. Jorge Ortiga

Arcebispo Primaz de Braga, Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa

30.01.2009

 

Subscreva

 

 

Topo | Voltar | Enviar | Imprimir

 

 

barra rodapé

D. Jorge Ortiga
D. Jorge Ortiga






























































































































































Edição mais recente do ObservatórioOutras edições do Observatório
Edição recente do Prémio de Cultura Padre Manuel AntunesOutras edições do Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes
Quem somos
Página de entrada