Projecto cultural
Conselho Pontifício da Cultura

Uma proposta de resposta da Igreja: a "Via Pulchritudinis"

[Continuação do documento final da Assembleia Plenária do Conselho Pontifício da Cultura, 2006]

1. Acolher o desafio

Perante os desafios históricos, sociais, culturais e religiosos levantados nas duas assembleias plenárias precedentes, que aspectos da pastoral da Igreja é ela chamada a privilegiar no seu diálogo apostólico com os homens e as mulheres do nosso tempo, em especial os não crentes e os indiferentes?

A Igreja realiza a sua missão de conduzir os homens a Cristo Salvador pela partilha da Palavra de Deus e o dom dos Sacramentos da Graça. De modo a ir ao seu encontro através de uma conveniente pastoral da cultura, na luz de Cristo contemplada no Mistério da Encarnação (cf. Gaudium et spes, n. 22), a Igreja sonda os "sinais dos tempos", neles encontrando indicações preciosas para estabelecer «pontes» que conduzam a um encontro com o Deus de Jesus Cristo através de um itinerário de amizade num diálogo de verdade.

Nesta perspectiva, a Via da Beleza apresenta-se como um caminho privilegiado para tocar muitos daqueles que experimentam grandes dificuldades em receber o ensinamento da Igreja, particularmente o de ordem moral. Demasiadas vezes nestas últimas décadas a verdade sofreu por ter sido instrumentalizada pela ideologia, e o bem foi “horizontalizado”, reduzido a não mais do que um acto social, como se a caridade com o próximo pudesse passar sem o enraizamento no amor de Deus. O relativismo que encontra no “pensiero debole", o pensamento débil, uma das suas expressões mais fortes, contribui para tornar difícil uma discussão séria e racional com os não crentes.

A partir da simples experiência do encontro com a beleza que suscita o encantamento, a Via Pulchritudinis pode abrir o caminho da procura de Deus e dispor o coração e o espírito para o encontro com Cristo, que é a Beleza da Santidade Incarnada, oferecida por Deus aos homens para a sua salvação. Ela convida os novos Agostinhos dos nossos tempos, insaciáveis peregrinos do amor, da verdade e da beleza, a elevarem-se da beleza sensível à Beleza eterna e a descobrir com fervor o Deus Santo, autor de toda a beleza.

Nem todas as culturas estão abertas da mesma forma ao Transcendente e ao acolhimento da revelação cristã. Da mesma maneira, nem todas as expressões do belo – ou do que pretende sê-lo – favorecem o acolhimento da mensagem de Cristo e a intuição da sua beleza divina. As culturas, como as expressões artísticas e as manifestações estéticas, são marcadas pelo pecado, podendo atrair e até aprisionar a atenção ao ponto de se bastarem a elas mesmas, suscitando assim novas formas de idolatria. Não estaremos nós a ser demasiadas vezes confrontados com fenómenos de decadência, onde a arte e a cultura se desnaturam até ferir o homem na sua dignidade? O belo não pode ser reduzido a um simples prazer dos sentidos: isso equivaleria a interditar a plena inteligência da sua universalidade, do seu valor supremo, que é transcendente. A sua percepção requer uma educação, dado que a beleza não é autêntica se não na sua ligação à verdade – de que seria ela o esplendor, se não da verdade? A beleza é, ao mesmo tempo, “a expressão visível do bem, da mesma forma que o bem é a expressão metafísica do belo”. “Não será a beleza o caminho mais seguro para atingir o bem?”, perguntava Max Jacob. Apesar de ser acessível a todos, a via da beleza não está isenta de ambiguidades, desvios, erros, etc. Sempre dependente da subjectividade humana, ela pode ser reduzida a um estetismo efémero, deixar-se instrumentalizar e tornar-se escrava das modas sedutoras da sociedade de consumo. Também se torna urgente educar o discernimento entre o uti e o frui, isto é, entre uma relação com as coisas e as pessoas fundada unicamente na funcionalidade – uti – e uma relação autêntica e de confiança – frui -, solidamente enraizada na beleza do amor gratuito, de acordo com a obra De catechizandis rudibus, de Santo Agostinho: “Nulla est enim maior ad amorem invitatio quam praevenire amando – Não há maior convite ao amor do que amar primeiro" (Lib. I, 4.7, 26).

É igualmente necessário clarificar o que é e em que consiste a Via Pulchritudinis. De que beleza se trata, que permite transmitir a fé pela sua capacidade de tocar o coração das pessoas, que expressa o mistério de Deus e do homem, que se apresenta como uma autêntica «ponte», um espaço aberto para caminhar com os homens e mulheres do nosso tempo que já conhecem ou que desejam aprender a apreciar o belo, ajudando-os a encontrar a beleza do Evangelho de Cristo que a Igreja tem por missão de anunciar a todos os homens de boa vontade.

 

A continuar.
Próximo trecho: "Como é que a Via Pulchitudinis pode ser uma resposta da Igreja aos desafios do nosso tempo?"

Documento final da Assembleia Plenária do Conselho Pontifício da Cultura, 2006

© SNPC: Tradução | Publicado em 21.11.2007

 

 

Topo | Voltar | Enviar | Imprimir

 

 

barra rodapé

Custódia de Belém
Custódia de Belém
Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa
Edição mais recente do ObservatórioOutras edições do Observatório
Edição recente do Prémio de Cultura Padre Manuel AntunesOutras edições do Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes
Quem somos
Página de entrada