Impressão digital
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Vocação

Ser padre é seguir Cristo

“Às vezes perguntam se sou ortodoxo, e eu respondo a brincar que sim, sou ortodoxo, porque ortodoxo significa verdadeiro, e católico significa universal.”

O humor é a forma escolhida pelo Pe. Ivan Hudz para lidar com a confusão que surge diariamente entre quem desconhece que além da Igreja Romana, que abrange mais de 90% dos católicos de todo o mundo, há cerca de duas dezenas de Igrejas Orientais que, tendo as suas próprias tradições, liturgias e hierarquia, se encontram em plena comunhão com o Papa.

Mas os cristãos que se reúnem na capela do antigo hospital de Arroios, cedida pelo Patriarcado de Lisboa, não são ortodoxos. A liturgia que lá celebram todas as tardes é incompreensível para a maioria dos portugueses, não só pela língua mas pelo próprio rito, totalmente diferente do romano, mas ainda assim católico.

O Pe. Ivan Hudz, que nasceu em 1973, ainda a União Soviética existia, sabe bem o que custou aos seus correligionários a fidelidade obstinada a Roma: “O meu avô foi para a Sibéria por ser cristão, católico, de rito oriental. Na minha adolescência já era mais leve, mas quando andei na escola, se a criança fosse apanhada na Igreja era perseguida pelos professores”.

Padre Ivan Hud


Celibatário por escolha, não imposição

Com o fim do regime comunista deu-se um ressurgimento. É neste contexto que o Pe. Ivan sente o seu chamamento: “Acho que na minha família rezaram muito por mim, para ser padre.”

Poderia ter casado antes de ser ordenado, em 1997, se assim entendesse, como é próprio da tradição oriental, partilhada tanto por ortodoxos como por católicos, mas optou pelo celibato. “Quem quer investigar, estudar mais, fazer missões… isso pode ser difícil com família. Não sei porque escolhi este caminho, Deus é que chama e nós devemos obedecer e seguir.”

Em 2002 o Pe. Ivan viu-se a caminho de Portugal: “No primeiro ano estive no seminário para aprender a língua, e depois o bispo mandou-me para a paróquia de Torrão, Alcácer do Sal. Estou a dar apoio nesta zona, e no fim-de-semana trabalho com imigrantes na zona de Évora e na diocese de Beja.”

This text will be replaced
 

 

Filipe d'Avillez
In Rádio Renascença
15.04.10

Padre Ivan Hudz

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página