Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Leitura do dia: Amanhã colherás o que hoje semeaste

As leituras de hoje (Oseias 8, 4-7. 11-13, Mateus 9, 32-38) estão repletas de imagens que apreendem o drama do ministério de Jesus quando enfrentou a intensa oposição dos seus críticos. Quando realizava exorcismos, era acusado de expulsar os demónios por meio do príncipe dos demónios. A sua crescente popularidade levantava preocupações aos líderes religiosos, que temiam a ameaça ao sacerdócio do templo. A menção de Jesus à grande colheita tinha uma vertente apocalíptica, sugerindo que a História estava a chegar a um limiar marcante de conversão e mudança.

Isto lembra o impacto da pregação de João Batista e, antes disso, de profetas como Oseias, que confrontou os líderes de Israel por semear ventos que se tornariam tempestades. Jesus está a anunciar o Reino de Deus ao realizar milagres de cura e libertação. Onde quer vá, é movido de piedade pelas multidões, inquietas e perdidas como ovelhas sem pastor. Ele vê os campos transbordantes e pede trabalhadores para o ajudar na colheita.

Estas imagens podem também despertar um senso de urgência em nós, à medida que tentamos interpretar o nosso próprio mundo durante uma pandemia, divisões políticas profundas, e incerteza sobre a estabilidade da nossa economia e dos nossos vínculos sociais. Um rápido olhar para a História lembrar-nos-á que todas as gerações enfrentaram tempos de crise causados ​​por guerras e problemas económicos, agitação social e violência. O que uma geração semeia, as gerações subsequentes colhem. Ambição e engano semeiam divisão e desconfiança. Sabedoria e coragem abençoam o futuro para os outros. O compromisso com a reconciliação e a justiça cria harmonia e oportunidade para as gerações que estão por chegar.

O Evangelho é, antes de tudo, uma revolução no coração. Jesus descreveu o seu efeito não como repentino ou dramático, mas à imagem dos processos ocultos de fermento, sal e luz, como semear sementes cujas colheitas talvez não possamos ver. Os profetas eram raramente reconhecidos no seu próprio tempo, mas a sua coragem e fidelidade construíram um futuro para as gerações posteriores. A mudança real é o resultado da virtude comum ao longo do tempo, investimentos constantes que produzem retornos alimentados com paciência e disciplina.

Um dos sinais seguros de que estamos a viver no Espírito de Jesus é constatar que as nossas palavras e ações levam cura e maior liberdade para os outros. As sementes que semeamos multiplicam a bondade, e quando outros semeiam generosamente, estamos ansiosos por os ajudar a colher os resultados. A mudança significativa ocorre no trabalho das comunidades, onde os egos desaparecem e o bem comum floresce, onde o serviço é sinal de liderança. Um dia, a História revelará como é que o nosso tempo será apreciado pelas gerações futuras, mas se formos fiéis agora, elas honrar-nos-ão imitando-nos.


 

Pat Marrin
In National Catholic Reporter
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: artiemedvedev/Bigstock.com
Publicado em 07.07.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos