Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Aprender a andar sobre a água

É fácil confiar em Deus quando está tudo bem. Durante esses períodos de "céu azul", normalmente não passamos muito tempo a analisar a nossa fé. Mas quando nos deparamos com uma tempestade inesperada, depressa abrimos o guarda-chuva. Muitas vezes somos colocados em situações que nos desafiam a confiar em Deus, mesmo quando não faz sentido. Ninguém compreendeu melhor isto do que Pedro, pescador experimentado que foi convidado por Jesus para andar sobre a água, no meio de uma tempestade. Apesar de algumas vagas assustadoras, no geral ele foi bem-sucedido.

Olhemos para cinco lições que podemos aprender da tentativa de Pedro em andar sobre a água, e descobrir como podemos fazer crescer a nossa fé, especialmente em tempos de tempestade.

Risco
Qualquer oportunidade de crescer na fé envolve algum grau de risco. Como pescador experiente, Pedro sabia que se saísse do barco, poderia afogar-se. Voluntariar-se para ser professor de educação religiosa, convidar alguém a ir à missa ou dar mais dinheiro à comunidade paroquial a que se pertence envolve algum grau de risco. O sucesso não é garantido. Sem risco, não é possível crescer na fé.

Medo
Quando Pedro saiu do barco, a Bíblia diz que ele andou sobre a água, movido pelo entusiasmo de voltar a estar próximo de Jesus. Mas assustou-se quando tirou os olhos de Jesus e olhou para as ondas. Não se surpreenda quando isso acontecer. Embora a intensidade do medo possa variar, ela, normalmente, está presente sempre que Deus pede para fazer alguma coisa. A Bíblia documenta que Abraão, Moisés, Maria, José, Paulo e Pedro tiveram medo, mas seguiram em frente e confiaram em Deus. Não é possível deixar de se ter medo, mas é possível controlar a resposta a ele.

Tempestades
Observe-se que a tempestade não parou depois de Pedro ter saído do barco. Mas isso não quer dizer que ele tenha tomado a decisão errada. Pelo contrário, significou que Jesus queria que Pedro confiasse nele no temporal. Fazer a vontade de Deus não significa que a tempestade termine, nem significa uma vida livre delas – por vezes, até podem surgir outras. Jesus desafiou a Pedro a ir ter Ele na água, mas a tempestade não cessou até terem voltado ao barco. Por isso, não se deve entrar em pânico se as tempestades continuarem. Não há outra coisa a esperar.

Reveses
Depois de caminhar sobre a água com sucesso, Pedro fez o que muitos de nós fazemos, ao tirar os olhos de Jesus. Depois de tomar a decisão de confiar em Jesus, não se surpreenda se perder o foco nele e começar a entrar em pânico. Vai acontecer. A chave é imitar Pedro, e concentrar-se novamente em Jesus. Quando, ao começar a afundar, gritou «Senhor, salva-me», Pedro fez exatamente o que devia fazer. Pediu ajuda e foi resgatado. Não fique esmagado quando escorregar. Lembre-se de que Jesus está consigo, e ajudá-lo-á.

Jesus
Por isso, Jesus não nos leva a mares revoltos e desconhecidos, para depois desaparecer. Muitas vezes critica-se Pedro por não ter confiado, mas ele deveria ser elogiado por continuar a avançar em direção a Jesus, em vez de nadar de volta para o barco. Embora tenha entrado em pânico, rezou a Jesus, acreditou na sua palavra, e não voltou para trás. É precisamente que Jesus pede que façamos. A propósito, note-se onde Jesus estava quando tudo aconteceu: Ele não estava no barco com os outros discípulos, mas no meio da tempestade. Ao deixar a segurança do barco e aventurar-se na tempestade, Pedro aproximou-se de Jesus.

Cada tempestade que encontramos oferece uma oportunidade de crescer na fé. Sair do barco e confiar em Jesus pode ser assustador, mas é-o menos quando percebemos que a existência que nele confia atravessa este processo, e apesar de conhecermos o seu desfecho, ninguém diz que é fácil. Antes de deixar a segurança do barco, Pedro teve o cuidado de discernir que Jesus, verdadeiramente, o chamava. Ao responder a esse chamamento, aprendeu que, com a ajuda de Deus, é realmente possível que uma pessoa ande sobre a água. Ele nunca teria adquirido esta aprendizagem fundamental se optasse pela segurança, permanecesse no barco.

Do mesmo modo, a nossa fé fortalece-se quando dizemos “sim”, e experimentamos a emoção de caminhar sobre a água. Podemos não escolher as tempestades que experimentaremos na vida, mas podemos escolher como reagimos a elas. Podemos arriscar e confiar em Jesus, como Pedro, ou podemos esconder-nos no barco, como os outros discípulos. Confiar em Jesus é uma escolha, não um sentimento. Mesmo com medo, é possível tomar a decisão de sair do barco e caminhar em direção ao meu Salvador no meio do temporal. As tempestades podem enfurecer-se, e o medo pode encher os nossos corações, mas “tudo ficará bem”. Pedro acertou, e nós também podemos.


 

Gary Zimak
In Catholic Digest
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: "S. Pedro anda sobre a água" (det.) | Alessandro Allori | C. 1590
Publicado em 07.07.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos