Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Música: “Bob Marley – Live at the Rainbow”

“Live at the Rainbow” não é o habitual álbum póstumo de um grande artista que prematuramente desapareceu. É o testemunho áudio e vídeo de uma época musical, do reggae, que em Bob Marley teve um único e incomparável protagonista.

O concerto, gravado no teatro londrino a 4 de junho de 1977, foi há dias difundido integralmente no canal oficial no YouTube do artista jamaicano, e foi depois distribuído nas principais plataformas digitais.

Os espetadores e ouvintes são convidados a efetuar donativos a favor de músicos atingidos pelo Covid-19, não só aqueles que contraíram a doença, mas todos os que a pandemia obrigou a reduzir ou interromper a atividade.

A quase quarenta anos da morte, a música de Bob Marley continua assim a ter uma notável valência social, reiterando um compromisso que o músico manifestou ao longo de toda a sua vida artística.

Compromisso pela reconciliação no seu país, pelo resgate de populações africanas, pela libertação da mulher, em resuma, um empenho pela dignidade de cada pessoa.

Que, depois, esta mensagem tenha sido veiculada através das suas canções, chegando a centenas de milhões de pessoas em todo o mundo, faz compreender toda a força da música de Bob Marley.

O seu reggae, apesar da óbvia repetibilidade do esquema, manteve sempre a capacidade de envolver e arrastar os ouvintes. E de influenciar músicos que não lhe pouparam sentidos tributos.

Pense-se, por exemplo, em Gilberto Gil, um dos mais completos e ecléticos músicos brasileiros (que no passou foi ministro da Cultura), que lhe dedicou concertos inteiros ao repropor, quase filologicamente, trechos de Bob Marley.

O concerto disponibilizado a 12 de junho foi gravado pouco após a publicação de “Exodus”, o nono álbum do músico, e pouco antes de lhe ter sido diagnosticada a doença que o conduziu à morte.

O mítico Rainbow Theatre foi o palco da atuação, um espaço nascido como cinema nos anos 30, e que nas décadas seguintes acolheu artistas do calibre de Jimi Hendrix, Pink Floyd e David Bowie.

Hoje o Rainbow é uma igreja pentecostal, mas dentro das suas paredes ressoaram acordes que fizeram a história da música. E entre eles estão as notas de Bob Marley, que incitava todas as pessoas a não deixarem de lutar pelos seus sacrossantos direitos.









 

Giuseppe Fiorentino
In L'Osservatore Romano
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: Bob Marley | D.R.
Publicado em 26.06.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos