Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Rumo ao amor, dia 30: Fugir da responsabilidade

Este tempo foge da responsabilidade. Vivemos um contínuo alijar de culpas entre pais e filhos, entre marido e mulher, entre políticos e cidadãos, sem que ninguém alguma vez parta dos seus erros. Sem responsabilidade, não se cresce nem como pessoa, nem como sociedade.

«Onde está Abel, teu irmão?» «Serei eu, porventura, o guardião do meu irmão?» A responsabilidade implica uma promessa, um compromisso, um assumir um peso que obriga a uma resposta. O puro existir do outro pede-me para não fugir, mas antes ser para ele resposta.

É a vida de cada dia que me pede respostas, são o sangue e as lágrimas dos seres humanos que me pedem respostas.

Responsabilidade é a de Madre Teresa. Quando um dia um jornalista lhe pergunta: «Madre, o que é que não está bem neste mundo?», ela responder: «Aquilo que não está bem somos eu e o senhor».

O que falta? O que é que não está bem? Não está bem o nosso fechar os olhos para não os sentir arder pelas lágrimas de quem chora, o acomodarmo-nos a cada erro para não nos incomodarmos.

Não está bem a atitude de comodismo, o pensar que o não assumir responsabilidades é a melhor maneira para nunca nos sentirmos culpados e para nos eximir do tormento de escolher.

A responsabilidade pede-nos, ao contrário, que estejamos próximos de nós, que vivamos dentro da realidade sem fugir, que não procuremos álibis, que não descarreguemos as culpas.

«Esta terra é santa e eu não o sabia» (Génesis 28,16).

A responsabilidade é a atenção a onde pões os pés, a levar um pouco mais ao alto de nós aquilo que vive.

A responsabilidade requer a coragem de romper o cerco da desordem que há em mim, de me libertar de modas estéreis de uma vida banal, de reencontrar a dignidade de lutar contra a minha instintividade.

A responsabilidade pede-me para caminhar contra corrente quando é preciso, e de quebrar os laços quando chega o momento.

Devo sentir a responsabilidade de quantas pessoas faço sofrer por causa do meu rancor e do meu ódio, que não dão à luz mais do que amargura e melancolia.

A responsabilidade faz-se amor quando, alcançado o domínio de nós próprios, conseguimos ficar de pé nas contrariedades, e quando conseguimos restituir ao outro o governo de si mesmo sem nos aproveitarmos da sua fraqueza.


 

Luigi Verdi
Il domani avrà i tuoi occhi, ed. Romena
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: motortion/Bigstock.com
Publicado em 26.03.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos