Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Júri ecuménico no Festival de Berlim distingue “There is no evil”, vencedor do Urso de Ouro

O júri cristão ecuménico da 70.ª edição do Festival de Berlim atribuiu este sábado o prémio principal ao filme “There is no evil”, do realizador iraniano Mohammad Rasoulof, que também conquistou o Urso de Ouro, o mais importante galardão da “Berlinale”.

«O filme reflete sobre a importância da consciência moral em quatro episódios, narrando as histórias de quatro homens que são confrontados com a execução de penas de morte, e as pessoas ao seu redor», começa por referir a declaração dos jurados católicos e evangélicos, enviada ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

A obra de duas horas e meia sobre a pena capital, rodada em segredo, e que vai poder ser vista em Portugal, aproxima o espetador de jovens a quem, durante o serviço militar, foi incumbida a tarefa de matar outros seres humanos.

Rasoulof, ausente na cerimónia de entrega do prémio, por ter sido impedido pelas autoridades iranianas, aborda os «profundos conflitos morais» que a execução da pena implica para os jovens, ao mesmo tempo que confronta a audiência «com a perturbadora realidade no sistema político e judicial» do país.

«As ações desses homens têm um profundo impacto nos relacionamentos com os seus entes queridos e as suas famílias, especialmente as fortes personagens femininas», destaca o júri ecuménico.

Depois de mencionar que «a atmosfera de perseguição política é inquietante», a declaração sublinha que, «de uma maneira impressionante, o filme retrata as opções existentes», deixando entrever a «possibilidade de decisão e resistência, mesmo sob pressão política».

There is no evil” constitui «uma crítica fundamental impressiva da pena de morte em geral, e especialmente do sistema opressivo no Irão, através de uma narrativa e cinematografia excecionais», a par da «intensa» atuação dos intérpretes.

«O filme é uma forte declaração da dignidade humana, que nos constitui como pessoa no Irão e em qualquer lugar», conclui a justificação do júri ecuménico composto por membros de três continentes (África, América, Europa), pertencentes às associações SIGNIS (católica) e INTERFILM.








 

Rui Jorge Martins
Imagem: "There is no evil" | D.R.
Publicado em 01.03.2020

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos