Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Ano Europeu do Património Cultural: Beleza sem-fim à espera de descoberta e encantamento

“Onde o passado encontra o futuro” é o tema que vai juntar as iniciativas do Ano Europeu do Património Cultural, que tem como objetivos «encorajar mais pessoas a descobrir e a comprometerem-se com o património cultural europeu e reforçar um sentido de pertença a um espaço europeu comum».

 

O que é o “património”?

A definição oficial fornecida pelo Conselho Europeu (recursos do passado em múltiplas formas e aspetos) foi decomposta em quatro grandes categorias: há um património “tangível”, feito de edifícios, monumentos, artefactos, vestuário, obras de arte, livros, máquinas, cidades históricas, sítios arqueológicos; há um património “intangível” que compreende práticas, representações, expressões, conhecimentos, aptidões e os instrumentos, objetos e espaços culturais associados. A este capítulo pertencem as tradições linguísticas e orais, as artes do espetáculo, as práticas sociais e o artesanato tradicional. Há depois um património “natural”, que significa paisagens, flora e fauna. E, não menos importante, há um património “digital” de recursos que foram criados de forma inovadora (por exemplo arte digital ou animações) ou que foram digitalizados para os preservar (textos, imagens, vídeos, gravações áudio).

Se pode servir como parâmetro de avaliação, a Europa tem 453 sítios reconhecidos pela UNESCO como património mundial da humanidade, metade de toda a lista da instituição ligada às Nações Unidas. O continente tem também 27 mil sítios naturais protegidos e 31 percursos culturais certificados. Dizer «património cultural» significa também 7,8 milhões de postos de trabalho diretamente ligados aos sítios e 26,7 milhões indiretamente ligados a este mundo (turismo, cultura, museus, arte, etc.). Economicamente é uma mina.

 

Para que deve servir esta iniciativa da União Europeia?

Durante anos invocou-se uma União Europeia que não fosse só mercado e regras financeiras e económicas. Com a iniciativa do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, definido em Gotemburgo no mês de novembro, e este Ano Europeu para o Património Cultural, a Comissão Juncker parece ter recebido a mensagem, envolvendo em ambas as iniciativas o Parlamento e o Conselho. Recentrar a Europa neste “património” ideal, cultural, histórico e económico ao mesmo tempo, significa «libertar energias das nossas raízes culturais para dar energia ao nosso futuro», afirmou Tibor Navracsics, comissário europeu para a Educação e Cultura. Dar relevância à cultura, nas palavras do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, significa ativar uma «força unificadora, instrumento de inclusão social, de integração». Será “europeu” não só no sentido de ser uma iniciativa da União Europeia, mas por se radicar nos países, regiões e cidades do continente.

Uma recente sondagem realizada pelo Eurobarómetro mostrou que oito em 10 cidadãos europeus consideram que o património cultural não é importante só para eles, mas também para a sua comunidade, região, país e para toda a União. Nutrem um sentimento de “orgulho” pelo património, mesmo se está para lá das fronteiras nacionais. Sete europeus em 10 pensam que ele «pode melhorar a qualidade de vida» e nove em 10 concordam que «deveria ser ensinado nas escolas», enquanto que três quartos dos europeus defendem que os estados e a União Europeia deveriam reservar mais recursos para o proteger.

«Ter memória é respeitarmo-nos, é estudar a História e conhecer as raízes. Cuidar do que recebemos é dar-lhe atenção, é não deixar ao abandono», escreve o coordenador nacional do Ano Europeu do Património Cultural. Para Guilherme d’Oliveira Martins, «o património cultural não se refere apenas ao passado, mas à permanência de valores comuns, à salvaguarda das diferenças e ao respeito do que é próprio, do que se refere aos outros e do que é herança comum». 

 

O que acontecerá em concreto?

Até ao momento são 7 840 os eventos que têm a marca oficial do Ano. Foram convocados todos os estados membros da União Europeu, que designaram coordenadores nacionais. Foram também convidados a unir-se à iniciativa os 12 países não pertencentes à União que participam no programa “Europa Criativa”. Em vários pontos do globo serão realizadas iniciativas de sensibilização, com a ajuda das delegações da União.

Entre os momentos salientes do calendário está a Cimeira do Património Cultural Europeu, em junho, em Berlim. A conferência sobre o “Futuro do património religioso”, marcada para 11 de outubro, em Paris, explorará o «valor e contributo» deste património numa Europa cada vez mais secularizada. Outro acontecimento importante está agendado para Oslo, que em junho recebe o “Fórum Europeu sobre a Música», com o tema “O futuro das raízes musicais da Europa”. Em Bruxelas abra a 24 de janeiro a exposição “Justos entre as nações: socorristas e sobreviventes do Holocausto”, para narrar as histórias dos cidadãos não judeus de vários países europeus que ajudaram judeus durante o regime nazi. E a partir de maio realiza-se o “Programa para o Jovens sobre o Património Cultural do Caminho de Santiago”, envolvendo as cidades ao longo do percurso. A Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, recebe a 25 de outubro a conferência “Património cultural – Desafios para o futuro”.

 

Recursos envolvidos

A Comissão Europeia destinou oito milhões do orçamento comunitário, em boa parte dedicados a financiar 25 projetos transnacionais que promovem os objetivos do Ano, dentro do programa “Creative Europe”, apoiando também outras políticas e iniciativas da União (Horizon 2020, Natura 2000 Network, Europe for Citizens, Erasmus+). A Comissão espera desencadear «uma verdadeira mudança nas formas como apreciamos, protegemos e promovemos o património», esperando que as iniciativas deste ano tenham «impacto a longo prazo». Por isso a Comissão quer elaborar um plano europeu para a cultura e o património, processo que começara a 17 de novembro, em Gotemburgo, com uma cimeira sobre “Educação e Cultura”.









 

Sarah Numico
In SIR
Trad. / edição: SNPC
Imagem: De Visu/Bigstock.com
Publicado em 15.01.2018

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos