Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

“Junto ao chão”: Instalação de Carlos Nogueira na capela do Rato

A capela de Nossa Senhora da Bonança, conhecida pela capela do Rato, em Lisboa, acolhe até 9 de setembro, em Lisboa, a instalação “Junto ao chão”, do artista plástico Carlos Nogueira, com textos do poeta Manuel de Freitas.

«capela/ escória de ferro, ferro, sal, luz,/ o som do vento e da água que corre,/ bonança» são os elementos presentes e evocados na instalação, que extraiu os bancos do espaço e o imergiu na penumbra, cobrindo o claro chão liso de porosa gravilha cinza.

«Junto ao chão é também o lugar de um corpo que só pode olhar para o alto, e tentar descobrir, como diz São João da Cruz citado por Carlos Nogueira, o caminho para chegar das coisas que vêem às coisas não se vêem», escreve Luísa Soares de Oliveira.



Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

Nascido no ano de 1947, em Moçambique, Carlos Nogueira ganhou o Prémio Camões da II Bienal Internacional de Arte de Vila Nova de Cerveira (1980), tendo integrado as representações portuguesas à Bienal de Veneza (1986), à Trienal de Arquitetura de Milão (1996) e à Quadrienal de Escultura de Riga (2004).

«A minha obra centra-se em questões de raiz tectónica e poética onde conceitos como permanência efémero e sagrado são eixos sempre presentes», escreveu Carlos Nogueira, professor associado convidado no curso de Arquitetura da Universidade Autónoma de Lisboa.

Autor do desenho gráfico de catálogos e monografias para várias instituições, Carlos Nogueira é também coautor em trabalhos de arquitetura com Ueli Krauss, Miguel Nery, José Manuel Fernandes, Maria de Lurdes Janeiro, Manuel Lacerda, Manuel Aires Mateus, José Adrião, entre outros, lê-se na sua página.



Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

A sua obra pode ser vista no Ar.Co, câmaras municipais de Lisboa e Vila Nova da Barquinha, Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, CAM – Fundação Calouste Gulbenkian, Centro Cultural de Belém, Centro Cultural Emmerico Nunes, Fundação Carmona e Costa, Fundação Mário Soares, Fundação de Serralves, Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea, Museu Coleção Berardo, Secretaria de Estado da Cultura, Brighton University, Caixa Geral de Depósitos, Archivo Lafonte – Espanha e em coleções particulares em Portugal e no estrangeiro.

Manuel de Freitas nasceu em 1972, no Vale de Santarém, e vive em Lisboa desde 1990. Publicou, além de pequenos ensaios, vários livros de poemas e colabora no jornal “Expresso” enquanto crítico literário. Dirige a editora Averno.

«Eu dantes escrevia poemas, como diria Karen Blixen da sua quinta em África ou Álvaro de Campos do dia do seu aniversário. Os versos tornaram-se-me prosa baça, apontamentos, meros diálogos ou evocações. Evito metáforas e ardis retóricos como quem evita aviões ou elétricos cheios de ninguém. Custa-me, por vezes, reconhecer a cidade onde decidi viver», assinala num dos textos da instalação.



Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

“Game over” (Edições Alambique), “Incipit” (Averno), “Marilyn Moore”, “A Última Porta”, “Juros de Demora”, “Cretcheu Futebol Clube” e “Vai e Vem” (todas da Assírio & Alvim) são algumas das suas obras.

«Estamos fartos de saber que “cada poema é um epitáfio” (T.S. Eliot). Pela parte que me toca, já não preciso de poemas. De epitáfios talvez, mas num silêncio cada vez maior. Parecido, afinal, com as vírgulas de luz com que Carlos Nogueira suspende as trevas ou nos oferece um chão perdoável», escreve Manuel de Freitas.

A instalação pode ser vista de quinta-feira a domingo, das 14h30 às 19h00.



Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

Imagem "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.

 

Rui Jorge Martins
Imagem: "Junto ao chão" | Carlos Nogueira | Capela do Rato, Lisboa | Fotografia: Rui Jorge Martins | D.R.
Publicado em 10.08.2018

 

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos