Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Os santos que passam ao meu lado

Que alegria sinto quando me fixo na santidade que, de uma maneira clara e patente, aparece em membros do Povo de Deus. Há que saber olhar com os olhos do Senhor para a ver. Convido-os por uns instantes a que, nestas festas de Todos os Santos e Fiéis Defuntos, contemplemos essa santidade entre aqueles que o papa Francisco chama «os santos da porta ao lado».

Sim, da porta ao lado. Pessoas que viveram há muitos anos, outras com quem vivemos ou estamos a viver, que ainda não foram canonizadas, mas que temos diante de nós. Olhemos para as pessoas que há poucos dias o papa Francisco elevou aos altares: Nunzio Sulprizio, Nazaria Ignacia, Katharina Kasper, Vincenzo Romano, Francesco Spinelli, Óscar Romero e Paulo VI. Mas também para quem viveu junto de nós e conhecemos, que amaram, serviram e gastaram a vida em favor dos outros; trabalhadores em todos os campos, mães e pais de família que souberam deixar a herança mais bela aos seus filhos, transmitida não com bens efémeros, mas com o bem maior: a fé em Jesus Cristo comunicada com obras e palavras.

Olhemos também para as pessoas pacientes e boas que vivem ao nosso lado, pais e mães que no meio das dificuldades da vida criam os seus filhos e transmitem-lhes a beleza que adquire o ser humano quando tem a vida mesma de Deus. Há homens e mulheres que desde muito cedo pela manhã saem das suas casas para trazer o pão para o seus, ou que sacrificam saídas para estar com os seus idosos doentes e sem possibilidade de se valerem a eles próprios; jovens e crianças que, vendo os seus pais e avós, percebem a necessidade de os ajudar, cumprindo o seu dever como fez Jesus na casa de Nazaré.

Demos graças a Deus em Todos os Santos e nos Fiéis Defuntos porque a nossa Santa Madre Igreja nos dá a possibilidade de contemplar os santos canonizados que, com o seu exemplo de seguimento de Jesus Cristo, nos iluminam um caminho que também nós podemos escolher; e também nos permite rezar pelos que nos precederam e ver neles não somente quem nos deu rosto humano e o melhor deles mesmos, mas também a quem, junto de nós, confessaram ou confessam a verdade e nos serviram e servem santamente. Eles e nós sabemos verdadeiramente tudo o que nos deram.



Temos uma missão a cumprir. Pensa nela, tu, como pai ou mãe, como filho ou filha, como trabalhador ou estudante, como avô ou avó, como empresário ou empregado, como político, como educador, como criador, como artesão, vivendo numa grande cidade ou numa povoação. Deste-te conta de que, para quem se aproxima de Jesus Cristo, é impensável passar por este mundo sem fazer um caminho de santidade?



Deixemo-nos fascinar, estimular e atrair por quem, de uma forma heroica em momentos difíceis, ou de uma maneira simples, viveram na sua vida a fé e a caridade. Aqueles que nasceram numa povoação ou vila do interior talvez se deem conta, quando são maiores, de que a sua maneira de se relacionar, entreajudar-se, cultivar uma cultura com as características do encontro e da relação que não se estabelece pelas ideias que uns ou outros tiveram, a solidariedade empreendida em momentos fáceis e difíceis, ou o estar juntos nas alegrias e nas tristezas, solidificaram os acontecimentos decisivos da história dessa povoação. Destas pessoas nada dizem os livros, mas, com uma santidade não de palavras mas vivida no dia a dia, na convivência, foram artífices silenciosos de vida, fraternidade, acolhimento, criatividade e eliminação de marginalizações de qualquer género.

Recorrendo às palavras do profeta Jeremias, «antes de te formar no ventre materno, escolhi-te; antes que saísses do ventre materno, consagrei-te» (1, 5), quero recordar três aspetos que nos oferecem os santos que passaram ao nosso lado.

1. Temos uma missão a cumprir. Pensa nela, tu, como pai ou mãe, como filho ou filha, como trabalhador ou estudante, como avô ou avó, como empresário ou empregado, como político, como educador, como criador, como artesão, vivendo numa grande cidade ou numa povoação. Deste-te conta de que, para quem se aproxima de Jesus Cristo, é impensável passar por este mundo sem fazer um caminho de santidade? Cada um de nós tem características que têm de estruturar a nossa pessoa: somos missão e somos projeto. Em momentos diferentes da história, em circunstâncias muito diferentes, aprende a viver de Jesus Cristo. Faz um seguimento da sua pessoa, morre e ressuscita permanentemente com Ele.



Não tenhamos medo da santidade. Sabes o que é não depender de escravidões que rasgam, dispersam, dividem, enfrentam, manipulam, agridem e, definitivamente, não deixam viver a própria dignidade? Não tenhas medo de viver no horizonte, no ambiente e na fecundidade da santidade



2. Essa missão, realiza-a na atividade. Habituei-me a rezar uma oração de S. Pedro Poveda: «Que eu pense o que Tu queres que pense, que eu queira o que Tu queres que queira, que eu fale o que Tu queres que fale, que eu faça o que Tu queres que faça. Essa é a minha única aspiração na vida». Não queremos nós construir o Reino de Deus? Para o concretizar temos de pensar, querer, falar e agir como Cristo, com o mesmo empenho por construir o seu Reino de amor, paz, justiça, verdade e vida para todos. Vivamos com Cristo os esforços, renúncias, alegrias e paixões, os momentos de silêncio e de encontro com o outro, a oração e o serviço… Tudo isso que o façais na família, verdadeira igreja doméstica, no trabalho, no estudo, em ser buscadores da convivência.

3. Com homens, mulheres, jovens, crianças e anciãos verdadeiramente vivos e mais e mais humanos, com o humanismo de Cristo. Estareis de acordo comigo em que sempre que falamos de santidade, é como se estivéssemos a falar de homens e mulheres de outro mundo. Mas não. Falamos de nós mesmos. Recordemos as palavras de Jesus Cristo: «Não vim para buscar os justos, mas os pecadores», ou «não precisam de médico os sãos, mas os doentes». Veio buscar todos os homens. A santidade não é para uns poucos, Cristo oferece-a a todos os homens. E a santidade não é para os que estão fora do mundo, é para os que estão dentro e desejam oferecer um projeto alternativo para todo o ser humano, não oferecido por homens, mas por um Deus que se fez Homem. Não tenhamos medo da santidade. Sabes o que é não depender de escravidões que rasgam, dispersam, dividem, enfrentam, manipulam, agridem e, definitivamente, não deixam viver a própria dignidade? Não tenhas medo de viver no horizonte, no ambiente e na fecundidade da santidade. Fazes-te mais contemporâneo dos homens, entre outras coisas porque aproximas a presença de Deus da história com a tua própria vida. Fazes-te mais humano, com o humanismo verdadeiro que nos revela e oferece Jesus Cristo.


 

Card. Carlos Osoro
Arcebispo de Madrid
In Alfa y Omega
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: asiastock/Bigstock.com
Publicado em 31.10.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos