Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Palavras que são asas, alegria, leveza: Poesia de José Tolentino Mendonça escolhida por amigos

«Interessam-me muito as palavras, é disso que vou sentir falta em relação ao P. Tolentino, porque as venho beber todos os domingos à capela do Rato; é sobretudo esse lado dele, de poeta, que faz toda a diferença, porque nos obriga também a levantar voo, a ganhar asas, ao meditar sobre o Evangelho. Desejo-lhe toda a sorte do mundo.»

É nestes termos que a atriz Maria Rueff reage à partida do P. José Tolentino Mendonça para o Vaticano, onde, depois de ser ordenado arcebispo, a 28 de julho, no mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, ocupará, a partir de 1 de setembro, o cargo de arquivista e bibliotecário da Santa Sé.

Em declarações aos jornalistas antes da sessão realizada esta quarta-feira na capela do Rato, em Lisboa, em que vários amigos do teólogo e poeta, responsável pela comunidade, disseram poesia de sua autoria, Maria Rueff afirmou que fala «muitas vezes» com ele sobre Deus e o humor.

«Temos ambos um grande carinho por S. Filipe Néri, o santo do humor e da alegria. Eu já lhe prometi que irei a Roma para rezarmos os dois a S. Filipe, porque cada vez é mais preciso a alegria, a leveza, e isso ele também faz como poeta - procura ajudar-nos a todos a ganhar leveza e alegria, mesmo com o sofrimento», apontou a atriz.

Luís Miguel Cintra expressou satisfação pela escolha que o papa Francisco fez do P. Tolentino, cujo trajeto «é muito bom para a Igreja».

«Mas por outro lado esta sessão sabe um bocadinho a despedida, e ele vai fazer-me muita falta. Não é uma personagem mediática nem demagógica, é uma pessoa com capacidade de reflexão e postura absolutamente admiráveis», assinalou.

"Imitação de Cristo", "Escatologia", "Aviso para colar na porta do frigorífico", "La chasse spirituelle", "Uma coisa inocente", "Peregrinação", "Clandestinos", "O perfume precioso" e "Adorar" foram alguns dos poemas lidos no encontro por Maria Rueff e Luís Miguel Cintra, entre outros amigos do P. Tolentino Mendonça.









 

SNPC
Imagem: Maria Rueff | D.R.
Publicado em 19.07.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos