Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Paulo Gonçalves 1979-2020

«A única certeza da vida é a morte. E é a certeza em que menos se acredita. Toda a História do mundo assentou sempre na ignorância de que se é mortal. Aqueles mesmo que o sabem não o veem – a não ser em instantes de exceção. Que seria o mundo com essa evidência sempre presente? Só o homem sabe que é mortal. Mas raramente o homem sobe até si», Vergílio Ferreira (em “Conta Corrente 2”).

A morte faz parte da nossa vida terrena e só existe morte porque houve primeiro uma vida. Não nascemos para morrer. Nascemos para continuar a nascer! 

Mas todas as mortes que ocorrem prematuramente, como com atletas a fazer desporto, me inquietam e me fazem interrogar Deus sobre o seu sentido e o seu porquê?... e Deus não me responde...

Mas depois, penso que estes atletas que nos morrem, e nos deixam tanta saudade, são assim como os “antigos guerreiros”, que morriam a combater pela sua pátria. 

São estes nossos valentes e nobres “guerreiros” que contribuem para que o desporto mantenha o seu poder de atração e de constante busca de superação dos limites, dos adversários e das metas.

E a verdade é que a vida, sem propósitos, sem metas, sem desafios, sem riscos a correr, não tem mistério, não tem tanto sabor.

Recentemente morreu-nos numa batalha desportiva chamada “Dakar“ um desses grandes guerreiros do nosso país, o Paulo Gonçalves. Alguém que elevou sempre alto as cores da Bandeira Nacional nas principais provas mundiais.

Um homem com H grande, porque bom, humilde e sempre solidário com os adversários em perigo, que parava a sua corrida para os ajudar, perdendo assim a hipótese de ganhar etapas e a liderança das provas.

Tudo provas que viveu a vida a fundo nestes 40, com amor à família, ao desporto e à vida. 

Como dizemos no mundo da fé :

«Travou o bom combate» ( 2 Tim 4, 7). Foi um homem e atleta exemplar, e por isso acredito, também por justiça de Deus para vidas assim, que Deus no “Dakar do Céu “o acolheu na sua paz e lhe ofereceu a “coroa da Glória”.

A sua carreira nos “dakares da terra” terminou, mas a sua vida e o seu bom exemplo, constituem no seu conjunto, um verdadeiro e perene monumento ao desporto.


 

Padre Ismael
#ironpriest226
Imagem: LUSA/ANDRE PAIN | D.R.
Publicado em 14.01.2020

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos