Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Sociedade e política

Voto de cada português «pode fazer a diferença», considera Grupo Sociedade e Política da Pastoral da Cultura

O envolvimento dos portugueses nos destinos do país «é um dever» e cada voto «pode fazer a diferença», considera o Grupo de Reflexão Sociedade e Política do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, da Igreja Católica.

«Mais do que o voto, a participação ativa no processo eleitoral que se aproxima torna-se uma contribuição necessária e inestimável para o País», sublinha o primeiro documento daquela equipa publicado hoje, dia em que passam 37 anos sobre o 25 de abril de 1974, data que marcou a transição de Portugal para o regime democrático.

A intervenção no processo eleitoral e a participação nas eleições legislativas de 5 de junho supera «a escolha de um projeto de governação», tornando-se «o cumprimento de uma verdadeira exigência» em «tempos de mudança», assinala o texto, intitulado "Eleições - Uma nova oportunidade para Portugal".

O período que antecede a votação oferece «um vasto leque de formas de participação no futuro político» do país, através da «apresentação de ideias, sugestões e recomendações que podem ser endereçadas aos Partidos Políticos e Movimentos Associativos», salientam os signatários.

A expressão da cidadania dos portugueses compreende também a «análise e discussão dos Programas de Governo apresentados por cada Partido Político», a «participação ativa numa campanha eleitoral que se pretende esclarecedora e construtiva», a discussão de ideias em «debates informados» e o «exercício do direito de voto».

«O contributo das competências de cada cidadão numa campanha eleitoral participada permitirá discutir verdadeiras alternativas e soluções para Portugal, deixando claro o que vai ser exigido após as eleições - rigor, seriedade e competência», precisa o documento.

O texto realça que o «envolvimento do País» no processo eleitoral e uma «votação amplamente participada no dia das eleições» vão implicar «uma responsabilidade política acrescida para quem for eleito».

O documento exige a concretização imediata de «duas alterações estruturais»: «o exercício digno» das funções do poder político eleito e «uma maior abertura a iniciativas e manifestações da sociedade civil».

O Grupo Sociedade e Política, constituído por cerca de 20 pessoas pertencentes à geração abaixo dos 40 anos - e, portanto, pós-25 de Abril – pretende fazer eco de «princípios cristãos», embora integre pessoas de diferentes religiões e áreas profissionais sem qualquer atividade política.

O Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, dirigido pelo padre José Tolentino Mendonça, está integrado na Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais, presidida pelo bispo do Porto, D. Manuel Clemente.

 

Rui Martins
© SNPC | 25.04.11

Foto



























Foto Duarte Brito de Goes, membro
do Grupo Sociedade e Política
Foto: rm/SNPC

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página