Paisagens
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Espiritualidade

Jesus, o pecado e o perdão

Fazemos muitas coisas «religiosamente», como se fossem sagradas ou, por outras palavras, com a intensidade dos santos. Fazemos religiosamente a nossa contabilidade, visitamos religiosamente as nossas mães, vamos aos jogos de futebol dos filhos religiosamente, passeamos o cão religiosamente, confessamos os nossos pecados religiosamente e praticamos a nossa religião religiosamente – o que significa que fazemos as coisas que devemos fazer e que as fazemos continuamente. E fazemo-las muito bem. E fazemo-las mais frequentemente que qualquer outra pessoa. Na verdade, fazemo-las tão bem que começámos a acreditar que é o próprio ato de as fazermos que nos torna santos.

Ser-se justo, por outro lado, é fazer aquilo que é conforme a Deus: ser-se decente, comprometer-se com o que está acima e para além dos ornamentos da religião, lutar pela essência da religião que, a acreditarmos no que Jesus ensina, é claramente a aceitação sem reserva , o abraço sem medida e sem limites daquilo que não é abarcável.

Jesus mostra-nos que a atitude mais religiosa pode ser a amorosa aceitação daqueles que têm dificuldade em fazer o que é «religioso» e «certo», por muito socialmente correto e por muito respeitável que seja, por muito corretos que eles próprios gostassem de ser.

E é aqui que começamos a ficar um bocado nervosos. E é aqui que começa a conversa incoerente: com essa atitude «libertina», relaxada de estar na vida, o que aconteceria aos padrões morais? Que aconteceria à fibra moral da nação? Que aconteceria à vizinhança? Que aconteceria à família, à igreja, à cidade, ao escritório, à escola, se tolerássemos os desvios, se não os travássemos, se não exigíssemos comportamentos morais bons, respeitáveis? Na verdade, é precisamente esse o problema dos nossos dias, ou não? É a palavra começada por «L». Temos sido «liberais». Tornamo-nos laxistas. Decaímos. Ou melhor: eles decaíram. Nós não. E, assim, a nova religião, que, na verdade, é apenas uma extensão da anterior, revestida de indignação e de gritos amargos anunciando a condenação, está a instalar-se. A forma de ser castigadora, autoritária, conservadora – na verdade, reacionária – é agora um lugar comum. Queremos penas de prisão agravadas para quem comete uma primeira infração. Queremos uma abordagem sem perdão – do género: «um terceiro crime, e serás preso e guardado para sempre» ou «deita-se fora a chave» – para os reincidentes que cometeram pequenos delitos, mais prejudiciais para si próprios que para os outros. Não estamos interessados em proteger o inocente; queremos matar os assassinos. Queremos os dissidentes silenciados. Queremos os não-conformistas excomungados. Queremos os rebeldes reduzidos a nada. Queremos lei e ordem.

Estamos tão concentrados na religião que esquecemos a retidão. Não conseguimos entender pessoas como Helen Prejeans, que acompanham os condenados às nossas cadeiras elétricas. Não temos paciência para advogados astutos que fazem apelos das sentenças de pessoas que os nossos jornais já condenaram. Deploramos os juízes que dão sentenças razoáveis a pessoas decentes que deram por si em situações indecentes. Duvidamos daqueles que se dão com pessoas de quem suspeitamos. Olhamos, algo perplexos, para todas aquelas pessoas que tratam amorosamente aqueles que nós ainda não conseguimos amar, porque continuamos a ser mais religiosos do que retos. Que me importa o comportamento de Jesus com os ladrões? Que me importa o comportamento de Jesus com os cobradores de impostos? Que me importa o comportamento de Jesus com as mulheres apanhadas em adultério? Na verdade, que me importa um Evangelho enigmaticamente cheio do inaceitável, do suspeito, do desonesto, e de gente fraca – os leprosos, os samaritanos e as mulheres?

Obviamente, não é que não haja lugar para a responsabilidade. O que não há, de facto, é lugar para a condenação dos outros, quando enfrentamos os nossos próprios pecados. O problema é que, simplesmente, já não há lugar para apedrejar, enquanto não formos suficientemente puros para o fazer.

Na história da mulher apanhada em adultério, Jesus foi confrontado com uma pecadora cujo castigo estava claramente definido na Lei. A pergunta que o fariseu fez, relativa ao que se deveria fazer com ela, tinha uma resposta muito fácil. Jesus, se fosse religioso, devia tê-la condenado. Mas Jesus, o justo, não o fez.

E então, o que se passou? O que é que a Quaresma – o espírito de arrependimento – tem a ver com isto? Para entendermos aquilo a que nos chama este Evangelho, temos de pensar para além da Lei e do pecado. Temos de pensar, também, nos fariseus, nos saduceus e em Jesus.

Os saduceus eram os ultraconservadores, a casta clerical, os ultraortodoxos do Judaísmo. Descobriam a plenitude da religião na Lei, e no seu papel em preservá-la. Os fariseus eram os liberais do poder instalado. Amavam suficientemente a Lei para permitir que ela se desenvolvesse e se difundisse a toda a comunidade de Israel.

O problema é que Jesus não era nem saduceu nem fariseu, não era um conservador nem um liberal. O facto é que Jesus era demasiado liberal até para os liberais. Jesus não deixava que a Lei se tornasse uma barreira entre Ele e a pessoa à sua frente. Jesus era um radical. Jesus amava. Jesus era um radical que amava.

E, nesta história, a mensagem de Jesus é clara: tenham cuidado para que o pecado não vos consuma. Não, não o vosso… o dos outros! O facto é que – ter-nos-emos já esquecido, tal como os fariseus do Evangelho? – os nossos pecados são mais do que o suficiente para termos muito que combater.

Certamente que este Evangelho vai muito além do que dizer-nos que nós também pecámos, coisa que sabemos muito bem, nas profundezas dos nossos próprios corações escurecidos. Talvez nos diga que, na verdade, se o mundo se está a deteriorar, a culpa, afinal de contas, pode não ser dos outros. Provavelmente, o que se está a desintegrar agora é a quantidade de amor e de atenção que são precisas para que o mundo seja de novo lançado numa existência santa, saudável, feliz, que nenhuma forma de poder ou de medo o podem levar a alcançar.

Ainda mais importante, a mensagem evangélica é, agora, mais necessária do que nunca, neste mundo cheio de sentenças pesadas, excomunhões e evasões sociais. Se nós estivermos, pessoalmente, sem pecado, então, força! Há imensa gente por esse mundo fora a lutar, a tentar, a magoar-se e a cair. Sintam-se livres para lhe dar caça. Para dar cabo delas. Excluam-nas. Atirem-nas pela borda fora. Riam-se da sua vergonha. Força! Atirem a primeira pedra!

Isso é que seria realmente um pecado.

 

Joan Chittister
In O sopro da vida interior, ed. Paulinas
26.07.12

Redes sociais, e-mail, imprimir

ImagemLorenzo Lotto (det.)






























Citação




























Citação
































Citação

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página