Vemos, ouvimos e lemos
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Cinema

"Shun Li e o poeta": quando oriente e ocidente se encontram

Shun Li, uma jovem mãe de origem chinesa a viver em Itália, é informada pelo patrão da fábrica onde trabalha, na periferia de Roma, de que será transferida para o café de uma pequena vila piscatória próxima de Veneza. Aí continuará a descontar o necessário para pagar as suas despesas e a viagem do filho, que deixou na China e anseia trazer para junto de si.

Já em Chioggia, Shun Li esforça-se por aprender o vocabulário local e atender da melhor forma os clientes, na maioria velhos pescadores, vencendo com otimismo a alguma ignorância e desconfiança que existe em relação a si e à sua cultura. De entre os clientes, destaca-se Bepi, um eslavo imigrado há 30 anos, conhecido entre os amigos como "O Poeta", que desde o primeiro momento se mostra particularmente afável, disponível para conhecer Li e ajudá-la a conhecer os costumes locais.

Fotograma

As diferenças entre ambos são grandes: Li é jovem, de aparência fina, e a sua presença leve e discreta, enquanto Bepi é um velho pescador, de forte estatura e postura assertiva, viúvo e de feições marcadas pelo tempo e pela vida. No entanto, alguns laços os unem: a ligação ao mar, o facto de ambos serem estrangeiros... e a poesia.

Num mundo separado por culturas tão distintas, haverá lugar para Li e Bepi?

Fotograma

Primeira longa metragem de ficção do realizador italiano Andrea Segre, "Shun Li e o Poeta" é mais uma clara prova de que há um público cansado do ruído da indústria cinematográfica e ávido de um cinema que lhe toque genuinamente a alma – levantando questões próximas da sua realidade, que interpelem de forma profunda ora o que somos, ora o que queremos ser em nós mesmos e para os outros. Imigrantes incluídos.

Fotograma

A prova está na recetividade que o filme tem tido em já mais de 40 países, contrariando a renitência inicial de uma ou outra produtora a quem o projeto foi inicialmente apresentado e que, nas palavras de Segre, não vislumbrou grande interesse na história de uma relação improvável ambientada numa recôndita vila italiana.

Fotograma

Acontece, porém, que desde o argumento o projeto tem sólidas bases para interessar, pelo menos (e não seria tão pouco assim...) a um público do sul da Europa que pouco acesso tem tido a abordagens cinematográficas que explorem, neste registo estreito, sólido e relacional, o encontro entre duas culturas que, afinal, se cruzam diariamente nas ruas de qualquer das suas cidades de há uns anos a esta parte.

Fotograma

Mas o alcance do filme vai mais longe: o encontro de culturas é incarnado por duas pessoas que constroem uma relação sustentada pela beleza da poesia, pela esperança, pela aceitação das dádivas de cada dia, fortalecendo a capacidade de transcender as diferenças que os separam, a ausência dos que mais amam, as adversidades do quotidiano. Questões pertinentes e próximas de todos nós, num mundo atual entrecruzado por movimentos migratórios, encontros e choques de culturas e marcado por adversidades para as quais urge o desejo de as transcender.

Fotograma

A poesia não se basta nas referências a um dos mais celebrados poetas chineses, Qu Yuan, pilar da narrativa, nem nos versos de Bepi, mas povoa o filme no seu estilo visual, despojado, natural e belíssimo, tirando o melhor partido da região onde o filme é ambientado, e revelando, também nos interiores, a grande sensibilidade fotográfica de Luca Bigazzi ("Este É o Meu Lugar", "Pão e Túlipas").

Fotograma

À sensibilidade na direção fotográfica junta-se uma igualmente bela, justa e bem coordenada banda sonora, que valeu a François Coutourier a nomeação para os Prémios de Cinema Europeus.

Fotograma

Marcado pela naturalidade dos desempenhos do elenco, com aplauso particular para os atores Tao Zhao e Rade Serbedzija, "Shun Li e o Poeta", visto em sala cheia de uma Cinemateca a braços com a dotação orçamental, numa noite que pouco ou nada rende aos "multiplex", tem  além do mais algo a dizer sobre o cinema que o público realmente quer e precisa nos tempos que correm.

 

 

 

Margarida Ataíde
Grupo de Cinema do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura
In Agência Ecclesia | Com SNPC
20.09.13

Redes sociais, e-mail, imprimir

Cartaz

 

Ligações e contactos

 

Artigos relacionados

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página