Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«Ainda bem que não morri»

«Já aconteceu um doente dos paliativos pedir-lhe ajuda para morrer?» «Sim, várias vezes. Numa delas, um jovem com um tumor metastizado disse que queria ser morto e até marcou a data. Na semana seguinte, estava a dizer: “Ainda bem que não morri”, e a fazer aviões com os sobrinhos».

Quem responde à pergunta e conta esta história é a presidente da Comissão Nacional de Cuidados Paliativos, Edna Gonçalves, em entrevista publicada este domingo no “Público”, na qual se assume «contra a eutanásia, com ou sem cuidados paliativos».

«Porquê? Porque é passar a linha vermelha. É dar aos médicos um poder que não podem ter. A possibilidade que se discute na Holanda de dar uma pílula às pessoas com 70 anos é arrepiante. Só de pensar nisso reforço a ideia de que a eutanásia nunca pode ser legalizada. Porque a partir do momento em que ela é legalizada estamos a discutir coisas destas. Porquê aos 70? E porque não aos 18? Legalmente aos 18 é-se adulto», aponta.

A responsável acentua a escassez de profissionais nos cuidados paliativos, resultante da «falta de financiamento» e da «formação necessária», com doentes a esperar seis meses por uma consulta da especialidade.



«Temos experiências espetaculares de doentes que chegam com uma decisão de suspender os planos de tratamento para tentar curar a doença oncológica, por causa das complicações surgidas entretanto, e que, depois de internados no nosso serviço, ultrapassam a situação e vivem muito melhor»



«Nas equipas intra-hospitalares, só seis equipas, em 31, é que tinham 90% ou mais do rácio previsto em termos médicos. Onze equipas tinham menos de metade do número de médicos que deveriam ter. E este rácio já está definido muito por baixo», explica a também diretora do Serviço de Cuidados Paliativos do Hospital de São João, no Porto.

Edna Gonçalves defende que «enquanto não houver paliativos para toda a gente» é «impensável» estar-se «a matar pessoas que, pura e simplesmente, estão a pedir para morrer porque não sabem que podem ser mais bem tratadas. É como resolver o problema do desemprego, matando os desempregados».

«Temos experiências espetaculares de doentes que chegam com uma decisão de suspender os planos de tratamento para tentar curar a doença oncológica, por causa das complicações surgidas entretanto, e que, depois de internados no nosso serviço, ultrapassam a situação e vivem muito melhor».

Regressamos, para concluir, à história do início: «Numa fase mais final, [o doente] voltou a pedir [para morrer], e dissemos-lhe que não fazíamos eutanásia, mas, como ele estava numa situação de sofrimento atroz, propusemos uma sedação paliativa, negociámos com ele pô-lo uns dias a dormir, na lógica de poder descansar».

«Fizemos medicação como nunca tínhamos feito, até pedimos ajuda aos colegas da anestesia. E ele não se deixou dormir. Demos-lhe um crescendo de medicação e, apesar disso, ele, que nem queria comer, passou a acordar a todas as refeições. Ou seja, quando lhe demos a oportunidade de ficar anestesiado, sem sofrer, começou a lutar contra isso. Foi inacreditável. E isso mostra que, de facto, a nossa parte animal é muito forte. Depois acabou por desenvolver um quadro de delírio e morreu com uma pneumonia», descreveu Edna Gonçalves.


 

Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos