Vemos, ouvimos e lemos
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Rio de Janeiro

Via-sacra da Jornada Mundial da Juventude: oração, arte e cultura

As 14 estações via-sacra presidida pelo papa Francisco na noite desta sexta-feira, no Rio de Janeiro, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, contaram com a participação de cerca de 700 voluntários, além de atores profissionais.

Ao longo do percurso de 900 metros, os últimos passos da Paixão de Cristo foram coreografados sob a direção do encenador e realizador de televisão Ulysses Cruz.

Peregrinos de várias nacionalidades transportaram a cruz, enquanto que para a coreografia das estações foram escolhidas pessoas em representação de minorias e grupos considerados socialmente mais frágeis.

Os textos das meditações foram redigidos por dois sacerdotes cantautores muito conhecidos no Brasil, e até no exterior: Padre Zezinho e Padre Joãozinho.

As reflexões basearam-se em questões existenciais colocadas por vários jovens: missionário, convertido, de uma comunidade de recuperação, mãe, seminarista, religiosa que luta contra o aborto, namorados, mulheres que sofrem, estudante em cadeira de rodas, utilizador das redes sociais, detido, doente terminal, com deficiência auditiva e, ainda, de diferentes regiões do mundo.

Apresentamos os vídeos correspondentes às 14 estações, separados pelas meditações proferidas, e o vídeo com as palavras proferidas pelo papa Francisco.

 

Saudação

- Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

- Ámen.

- Nós te adoramos e te bendizemos,
Senhor Jesus Cristo,
redentor da humanidade.

- Tua entrega na cruz nos dá a Vida,
mostra o Caminho, revela a Verdade!

Foto

 

Oração

- Oremos.
Ó Pai, enviaste o Teu Filho Eterno
para salvar o mundo
e escolheste homens e mulheres para que,
por Ele, com Ele e n’Ele,
proclamassem a Boa-Nova a todas as nações.
Concede as graças necessárias
para que brilhe no rosto de todos
os jovens a alegria de serem,
pela força do Espírito,
os evangelizadores de que a Igreja
precisa no Terceiro Milénio.
Por Cristo, Nosso Senhor.

- Ámen.

Foto

 

1.ª Estação
Jesus é condenado à morte

Um inocente foi condenado.

Ele trouxe um projeto de vida.
Ele quis libertar os irmãos.
Veio propor que seu povo tomasse a história nas mãos.
E foi condenado a morrer.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! Fui atraído pelo teu divino Coração. Venho das fronteiras do mundo. Sou missionário e encontro no meu caminho muitos jovens inocentes que todos os dias são condenados à morte pela pobreza, pela violência e por todo o tipo de consequências do pecado que nos machuca desde as origens da humanidade. Quero seguir teus passos na certeza de que tudo posso n’Aquele que me fortalece e se Deus é por nós, quem será contra nós? (Cf. Fil 4, 13; Rm 8, 31-32).

 

 

2.ª Estação
Jesus toma a cruz aos ombros

Assumiu uma cruz que não era dele.

Ele disse que a vida é coragem.
Que é preciso lutar sem cessar.
Veio ensinar que é preciso mudar
o que é trevas em luz.
E eis que lhe dão uma cruz.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! Fui convertido pelo teu divino Coração. Tomaste sobre os ombros minhas dores e misérias (cf. Is 53, 4). Era minha a cruz que te feriu. Quero completar o teu sacrifício em minha vida, deixando-me tocar por tão grande amor e dando testemunho com as palavras e com o exemplo ali onde o mundo precisa. Levarei para sempre a tua cruz no meu peito e as tuas palavras no meu coração. Quero ser instrumento deste amor que nunca se cansa de amar.

 

 

3.ª estação
Jesus cai pela primeira vez

A cruz foi ficando pesada.

Ele disse que a vida é ternura.
Que é preciso saber perdoar.
Veio mostrar que até mesmo quem erra
tem Deus como Pai.
E ao peso da cruz ele cai.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! Nas quedas sou animado pelo teu humilde Coração. Sou voluntário numa comunidade de recuperação de jovens que caíram na dependência química. São vítimas de um comércio violento e cruel. São desfigurados e
correm o risco de permanecer no chão. Vejo teu rosto na face de cada um deles. Ensina-me a ser como o bom samaritano que, para além dos discursos, tem coragem de levantar quem está caído à beira do caminho e cuidar de suas feridas (cf. Lucas 10, 25-37). Neste gesto de solidariedade salutar, ensina-me que somente em ti encontraremos a total transfiguração.

 

 

4.ª estação
Jesus encontra sua aflita mãe

Dor de filho, dor de mãe!

Ele via o valor das mulheres.
E as mulheres buscou libertar.
Veio mostrar que a mulher traz em si
o mistério do ser.
E vê sua mãe a sofrer.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! Contemplo a profunda comunhão de amor entre o teu Coração e o coração de tua mãe. É uma comunhão redentora! Aquela troca silenciosa de olhares no caminho da cruz fala mais do que qualquer discurso ou palavra. A dor do filho é realmente a dor da mãe. Isto faz-me pensar nas lutas em favor da vida da sua conceção até ao seu fim natural. Nós s mulheres temos uma vocação muito forte para defender tudo o que vive. Não podemos aceitar a violência de quem se acha no direito de interromper uma vida indefesa. Queremos proclamar com tua mãe: O Senhor fez em mim grandes coisas. Derruba do trono os arrogantes e eleva os humildes. Manifesta a força de seu braço e sustenta-nos nos caminhos da nova evangelização (cf. Lc 1, 46-55).

 

 

5.ª estação
Simão Cireneu ajuda Jesus a carregar a cruz

Converteu-se enquanto ajudava Jesus.

Sua cruz carregava cansado.
Esmagado de tanta opressão.
E eis que um colono que chega
do campo levou sua cruz.
Sofria também com Jesus.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! Fui chamado pelo teu divino Coração. Sou um jovem vocacionado a caminho do sacerdócio. O teu apelo ressoa muito forte no meu interior: Quem quiser ser meu discípulo, tome sua cruz e siga-me! Mas nem sempre compreendo que a luz passa pela cruz. Ao carregar um pouco do teu fardo quero aprender os caminhos da configuração a ti. Que um dia eu possa dizer: eu vivo, mas não sou eu que vivo; é Cristo que vive em mim (cf. Gal 2, 20). Faz de mim um ministro transparente. Livra-me da tentação dos primeiros lugares e ensina-me a ser um bom pastor, que dá a vida para congregar teu povo na unidade.

 

 

6.ª estação
Verónica enxuga o rosto de Jesus

A mulher que não se calou.

Tinha um rosto de homem do povo.
Tinha marcas de luto e de dor.
Tanto sofreu que de escarros e sangue se desfigurou.
Mas alguém o seu rosto enxugou.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! Sou consagrada ao teu divino Coração no serviço ao meu irmão. Não posso me calar quando encontro nas vias-sacras da vida tantas vítimas de uma « cultura de morte »: mulheres prostituídas e famílias na miséria, enfermos sem atendimento e idosos desprezados, migrantes sem terra e jovens desempregados, pessoas excluídas da cultura digital e minorias tratadas com preconceito... a lista é grande, meu Senhor. Ao enxugar as lágrimas, o suor e o sangue do rosto destes irmãos e irmãs vejo maravilhada que a tua face fica estampada no lenço da minha solidariedade (cf. Mt 25, 31-46). Ensina-me a sempre unir mística e militância, fé e vida, céu e terra, porque o Pai é nosso e somos irmãos, mas o pão também é nosso e somos cristãos, ou seja, gente que acredita no milagre de repartir.

 

 

7.ª Estação
Jesus cai pela segunda vez

Quem caiu subindo, caiu para o alto!

Ele disse que a vida é um presente.
Para quem não parou nem cansou.
Leva nos ombros com garra e coragem
a cruz dos irmãos.
E mais uma vez cai ao chão.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-nos aqui! Encontramos em teu Coração a nossa morada. Desde que começamos a namorar, ensaiamos o jeito certo de construir uma família que tem papel fundamental na transmissão da fé e da vida. Contemplando a tua paixão, entendemos que tudo isso foi por amor. Aprendemos, porém, que as nossas paixões não são um fundamento seguro. Só constrói sobre a rocha, quem edifica no amor (cf. Mt 7, 24-27). Dá-nos a sabedoria de começar a construção pelos fundamentos e não pelo telhado. Ensina-nos que cada escolha exige renúncias. Se cairmos, Senhor, seja sempre avançando e nunca desistindo. Mesmo nas quedas, não permita que nos afastemos de ti.

 

 

8.ª Estação
Jesus consola as mulheres de Jerusalém

Vocação de mulher: do berço até à cruz.

No caminho por onde ele ia.
A sofrer quase só sem ninguém.
Algumas mulheres chorando seguiram Jesus sofredor.
Eram mães solidárias na dor.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! No teu Coração tão humano aprendi o valor salvífico do sofrimento e da dor. Completo na minha carne o que falta aos teus sofrimentos pelo teu Corpo, que e´ a Igreja (cf. Col 1, 24). Não posso esquecer que a redenção se realizou pela tua cruz, ou seja, pelo teu sacrifício. Isto me ensina que a dor faz parte da condição humana e é tocada inteiramente pelo teu amor que salva. Isto não me leva a uma resignação alienada, mas faz-me consciente de que algumas dores são oportunidades para me unir à tua cruz. É um mistério que apenas quem sofre unido a ti pode discernir na medida certa. Ensina-me que na hora da dor melhor do que falar sobre Deus é falar com Deus. A prece consola mais que a explicação.

 

 

9.ª Estação
Jesus cai pela terceira vez

Depois disso, não mais caiu!

Outra queda e já é a terceira.
E ele cai de cansaço no chão.
É como tantos que sofrem de fome de amor e de pão.
E sucumbem de tanta opressão.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! No teu Coração de mestre encontrei a Verdade. Venho do mundo dos estudos. Eles fazem parte da minha missão neste momento. O conhecimento e a ciência me encantam, mas muitas vezes me seduzem e até induzem a imaginar que não preciso de ti. Mas o meu coração tem sede de um amor e de uma verdade que superam os amores e as verdades desta terra. Apenas na tua Verdade encontro a sabedoria eterna. E neste tesouro encontro as forcas para não mais cair. Apenas quem encontra a Verdade, para além dos limites do corpo, fica verdadeiramente de pé.

 

 

10.ª Estação
Jesus é despojado de suas vestes

Era pobre e mais pobre morreu!

Arrancaram-lhe as vestes que tinha.
Sortearam a que lhe restou.
Tão despojado e não tendo mais nada
a si mesmo se deu.
Era pobre e mais pobre morreu.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! Teu Coração me ensina tantas maneiras de promover a comunhão. Faço parte desta geração que nasceu conectada por meio da Internet. Sei que as redes sociais são uma possibilidade para construir relações verdadeiras, mas exigem muita atenção para não ficar refém das forças de dispersão que despojam a juventude de sua identidade. A manipulação da inteligência é uma delas. Isto pode-nos levar à alienação dos direitos religiosos, sociais e até políticos. Olhando para o teu despojamento total no caminho da cruz, eu peço em nome de minha geração: que a tua graça nos ensine os caminhos para evangelizar o « continente digital » e nos deixe atentos à possível dependência ou confusão entre o real e o virtual, correndo o risco de dispensar o encontro com as pessoas por contactos na rede.

 

 

11.ª Estação
Jesus é pregado na cruz

Feita de dois riscos foi a sua cruz.

Tendo dois assaltantes ao lado.
Foi pregado na cruz que levou.
Crucificado, agredido insultado, Jesus perdoou.
Ao algoz que o feriu e matou.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! No teu divino Coração encontrei a verdadeira liberdade. Estou consciente daquilo que disse João Paulo II: «a pior das prisões é um coração fechado ». Milhões de jovens estão presos, cumprindo pena por um erro cometido. Teu olhar de perdão no alto da cruz me faz pensar que é possível mudar de vida. Ensina-me que a tua cruz uniu a terra e o céu e os teus braços abertos acolhem a todos, até quem está na prisão (cf. Mt 25, 43). É bom saber que amas não apenas quem é justo e santo, mas também o pecador (cf. Rm 5, 8). Obrigado, Senhor, pela tua imensa compaixão!

 

 

12.ª Estação
Jesus morre na cruz

O autor da vida aceitou morrer.

Esmagado ferido e vencido.
Derrotado ele nem reagiu.
Agonizou e expirou como quem nada pode fazer.
É a vida que vemos morrer.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! Em teu Coração encontrei a vida e a vida em plenitude. Conheces bem os limites de minha condição física. Vivo um tempo difícil de purificação. A doença é a minha cruz. Aceita-me unido a ti neste momento. A certeza de que estás comigo faz cada minuto valer a pena. Gostaria de viver muitos anos, mas o que é isso diante da eternidade? Então, Senhor, fortalece em mim a fé, a esperança e a caridade. E que eu escute de tua boca a frase que consolou tantos doentes e sofredores: «Tua fé te salvou, vai em paz!» (cf. Lc 8, 48).

 

 

13.ª Estação
Jesus é descido da cruz

Maria e os discipulos o descrucificaram.

Parecia estar tudo acabado.
Jesus Cristo descia da cruz.
Morto e sem vida Maria o recebe sem nada falar.
É meu povo que eu vejo a chorar.

Senhor Jesus, Cristo Redentor, eis-me aqui! É maravilhoso escutar as lições do teu divino Coração. Passo os dias no silencio de sons e palavras. Não consigo ouvir com os ouvidos, mas escuto tua voz em meu coração. Ao ver-te descido da cruz, repousar no
colo piedoso de tua querida mãe, sinto que todos os discursos são insuficientes e uma única palavra já é demais. Existem momentos em que o silêncio e a contemplação falam muito mais. Ensina-me a descrucificar os meus irmãos. Que o meu testemunho seja
um silencioso grito de amor e de solidariedade.

 

 

14.ª Estação
Jesus é sepultado

Semeado no silêncio fecundo.

Sepultado na rocha mais fria.
Nada mais se podia esperar.
Ia com ele o projeto de vida que veio ensinar.
É meu povo escondido e a rezar

Senhor Jesus, Cristo Redentor, aqui estamos, envia-nos! (cf. Is 6, 8). Queremos ser um só coração e uma só alma. Iremos a todas as nações da terra para dar testemunho de que encontramos o verdadeiro caminho para a vida. A semente de tua Palavra caiu em nossos continentes. Não ficará sepultada na terra. Ensina-nos a cultivá-la, para que nasçam os frutos de uma nova evangelização.

– Que o Leste Europeu seja marcado pela paz e pela liberdade religiosa.
– Que a Europa supere a agressiva onda de secularização pelo anúncio corajoso da fé.
– Que a África supere a violência e construa a Igreja como família e a família como Igreja.
– Que a América do Norte reconheça as culturas que afastam do Evangelho.
– Que a América Latina e o Caribe encontrem caminhos para superar a injustiça e a violência.
– Que a minoria cristã da Ásia seja presente como semente fecunda, mesmo quando perseguida.
– Que a Oceânia sinta mais fortemente o compromisso de anunciar o Evangelho!

 

 

Oração

- Nós te adoramos e te bendizemos,
Senhor Jesus Cristo,
redentor da humanidade.

- Tua entrega na cruz nos dá a Vida,
mostra o Caminho, revela a Verdade!

- Oremos.
Ó Cristo, Redentor da humanidade,
Tua imagem de braços abertos
no alto do Corcovado acolhe todos os povos.
Em Tua oferta pascal,
nos conduziste pelo Espírito Santo
ao encontro filial com o Pai.
Os jovens,
que se alimentam da Eucaristia,
Te ouvem na Palavra
e Te encontram no irmão,
necessitam de Tua infinita misericórdia
para percorrer os caminhos do mundo
como discípulos missionários
da nova evangelização.
Por Cristo, nosso Senhor.

- Ámen.

 

Alocução do papa Francisco

 

Oração final

- Rezemos, com amor e confiança,
a oração que o Senhor Jesus ensinou:

- Pater noster, qui es in cælis:
sanctificétur nomen tuum;
advéniat regnum tuum;
fiat volúntas tua, sicut in cælo, et in terra.
Panem nostrum cotidiánum da nobis hódie;
et dimítte nobis débita nostra,
sicut et nos dimíttimus debitóribus nostris;
et ne nos indúcas in tentatiónem;
sed líbera nos a malo. Amen.

 

Rito de conclusão

 

 

Vídeo: CTV
28.07.13

Redes sociais, e-mail, imprimir

Foto

 

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página